Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"BLUNDERBUSS" (2012)
Artista: Jack White




Mesmo alguém participando de vários projetos paralelos, isso não significa que ele não tenha identidade. Apesar de algumas poucas diferenças aqui e acolá, nesses projetos podemos encontrar, de vez em quando, uma "marca registrada" que faz associar imediatamente a determinado artista.

No caso de Jack White, é quase certo que vamos encontrar em qualquer um de seus trabalhos ecos que vão do blues das antigas ao hard rock do bom e velho Zeppelin de Chumbo. Seja no White Stripes ou no Raconteurs, esse é o som que vai predominar, e, mesmo assim, não é nada meramente copiado, sempre com muito bom gosto nas composições.




Esse disco, sua primeira incursão em carreira-solo, segue, basicamente, essa linha... com um diferencial: uma liberdade ainda maior nas sonoridades usadas nas músicas. Além das certeiras influências do bluseiro Robert Johnson e de Plant e cia, também ouviremos muito do punk do Clash, bastante experimentalismo à lá Frank Zappa, e algumas pitadas de jazz.

O disco abre com "Missing Pieces". Sua abertura, com um dedilhado de piano, é muito bacana. O ritmo da canção é cadenciado, lembrando os melhores momentos do White Stripes. A guitarra de Jack chia com uma beleza impressionante. Logo após, o piano volta, ditando os passos. Um ótimo começo, sem dúvida.




O Peso vem com tudo em "Sixteen Saltines", e prova porque Jack White é um dos mais inventivos guitarristas de sua geração. Na sequência, "Freedom at 21" se inicia com o que parece ser uma batida eletrônica, abrindo espaço para um viciante riff composto por White. O meio da canção é Zappa total, com uma mistura insandecida de sons. Outro grande destaque.

O ritmo mais calmo e bucólico de "Love Interruption" nos leva a descansar numa passaigem belíssima. Já, a quinta faixa, a que dá nome ao disco, é uma balada introspectiva, que faz lembrar o lado mais acústico do Led Zeppelin. "Hypocritical Kiss" é mais acelerada, e, mais uma vez, com o piano ditando as regras. Coisa fina!




"Weep Themselves to Sleep" tem ares épicos e é ideal para se tocar em shows. Logo após, assim como "Sixteen Saltines", a oitava faixa ("I'm Shakin') traz mais peso ao álbum, apesar de ser mais dançante. "Trash Tongue Talker", por se parecer demais com outras faixas do disco, talvez seja o ponto mais fraco do trabalho. Mesmo assim, seu ritmo não deixa de ser agradável.

A minimalista "Hip (Eponymous) Poor Boy" se sai melhor, principalmente pelo jeito de White cantar, o que torna o refrão irresistível. "I Guess I Should Go to Sleep" é outra que se parece muito com outras canções (melhores) do álbum. Sem grandes atrativos.




O começo de "On and On and On", com violino, é muito bem feito e interessante. A música, em si, lembra Beatles fase "Sgt. Peppers", e tem uma sonoridade bastante exuberante, com orquestrações e tudo. Mais um destaque num disco quase sempre elaborado e refinado.

O encerramento, com "Take Me With You When You Go", não poderia ser melhor. Mistura, praticamente todas as vertentes e influências que encontramos até aqui: a força do hard rock, o refinamento do jazz, a alma do blues. Tudo com muita emoção e harmonia, além de ser muito bem executada.




"Blunderbuss" entra fácil na lista de melhores performances de Jack White, como no disco "Elephamt" (com o White Stripes) e no primeiro lançamento do Raconteurs. Com bom gosto e um belo de um conhecimento musical, White mostra que sabe das coisas, Na tranquilidade, fez um discaço, altamente recomendável pra quem gosta de boa música; apenas boa música.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…