Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"HISTÓRIA DE UM MASSACRE" (2007)
Direção: Roger Spottiswoode


Filmes cujo tema é a guerra tendem a ter arroubos patrióticos, explosões a rodo e aquela carga de heroísmo que, em muitos casos, cabe mais numa propaganda política (por algum motivo, o sofrível "Argo" me vem à mente). Claro que o humor pode ser inserido no contexto, contanto que seja de forma irônica. Aí, os resultados são excelentes ("O Grande Ditador" e "Doutor Fantástico" que o digam).

No entanto, como nem todo mundo é um Chaplin ou um Kubrick, então a temática da guerra precisaria ter uma abordagem mais séria, mostrando que os comandantes das principais nações do mundo lucram com os conflitos, e que são as pessoas comuns que, em muitos casos, vão além de suas forças e conseguem salvar alguma vida.



Roméo Dallaire é uma dessas pessoas. General encarregado de uma tropa de paz que está em Ruanda, ele sente que o ambiente está propício para os caos a qualquer momento. As duas principais etnias do país (os hutus e os tutsis) estão tentando se apossar do poder local há anos. Só que após um atentado que mata o presidente dos hutus, o exército deste aproveita a situação para promover um verdadeiro massacre ao povo tutsi e aos hutus moderados.

É a partir de então que começa o inferno do general Dallaire, que precisa, a cada dia que passa, tentar uma reconciliação de ambos os lados, ao passo que começa a dar guarita a refugiados de várias partes. Só que as ordens do alto escalão das Nações Unidas são claras: as tropas da ONU precisam abandonar o local imediatamente, pois este não é um assunto que lhe compete. Dallaire decide ficar e fazer o que puder para salvar o máximo de civis (que estão, sistematicamente, sendo massacrados).


Mas, não se enganem. O protagonista não é tratado como o típico herói de guerra. Ele, com o passar do tempo, mostra-se esgotado, à beira de um ataque de nervos, e chega a cometer algumas imprudências. Trata-se, pois, de um ser humano com suas eventuais falhas, mas que tem um senso de humanidade muito grande, e se desespera ao perceber o verdadeiro genocídio que está a sua volta (e que pouco pode fazer para impedí-lo).

Dentro das suas limitações, mas com uma fibra incrível, é ele o alicerce que segura o mínimo necessário de soldados das suas tropas a fim de ajudar aquele povo até quando não puder mais. O trabalho do ator Roy Dupuis, que interpreta esse personagem, é primoroso. Às vezes, não precisa dizer nada; basta um gesto ou um olhar para que ele passe toda a carga dramática que é preciso.


O diretor Roger Spottiswoode também é outro que se destaca. São duas horas que passam rápido, porém, com muita tensão. O espectador fica ansioso com o que irá acontecer a seguir, e o cineasta sabe como conduzir uma boa estória; não há excessos ou faltas aqui, apenas o essencial.

E, o filme em si, como relato histórico de um dos massacres mais brutais do século 20, causa a indignação necessária a esse fato. Principalmente, se formos levar em consideração que países como EUA, França e Reino Unido se recusaram a ajudar Ruanda simplesmente porque não era de seus interesses,

Resultado: 800 mil pessoas mortas! A maioria retalhadas por facões! Um extermínio só comparado ao Camboja e aos campos de concentração nazistas. Detalhe: esse acontecimento em Ruanda durou poucos meses, e não anos! Depois, várias nações pediram "desculpas" para Ruanda, mas já era tarde. Se não fossem personagens reais, como Romeo , a desastre humanitário poderia ter sido pior.


"História de um Massacre" cumpre com folga seu principal papel: o da denúncia. Expõe tantos os horrores de um povo que massacra outro da forma mais covarde possível, e da conivência de que está no poder. Além de (e principalmente) mostrar que são ações isoladas de pessoas comuns que acabam fazendo alguma diferença no meio de um terror inominável.


NOTA: 9/10.


PS: Em 2005, Roméo Dallaire é nomeado senador no Canadá, e passa a realizar trabalhos humanitários de prevenção aos genocídios e contra o recrutamento de crianças em países em conflito. Para maiores detalhes a respeito dele, e do próprio caso do massacre em Ruanda, seguem alguns links:

http://www.vermelho.org.br/noticia/239484-9

http://www.romeodallaire.com/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…