Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO

"CRIME E CASTIGO" (1866)
Autor: Fiódor Dostoiévski




(AVISO: CONTÉM SPOILERS)

"Crime e Castigo" é um clássico da literatura. Ponto!

Mais?

Sua narrativa é uma das mais fascinantes estórias já contadas em livro.

Insatisfeitos?

Então, vamos detalhar um pouco mais.

Antes de tudo, é bom colocar a questão de que, aqui, é impossível dissociar autor e obra. Intimamente ligados, uma é quase a autobiografia do outro, pois a própria vida de Dostoiévski (1821-1881) foi repleta de percalços.

Jovem revolucionário no período pré-comunista na Rússia, quase morreu fuzilado aos 28 anos, acusado de crime político, mas, de última hora, já com os fuzis apontados para a sua cabeça, teve a sentença anulada. Sentiu como se lhe tivessem permitido uma nova vida, mas ainda amargou vários anos na prisão na Sibéria, com correntes aos pés e trabalhos forçados.



















Uma vez de volta à sociedade, vivia em recorrentes penúrias financeiras, além de sofrer do mal da epilepsia. Não raro, tinha fortes ataques, e quando voltava a si, precisava retomar os escritos, o seu principal e muitas vezes insuficiente ganha-pão. Some-se a isso às suas inúmeras angústias, reflexões e embates existenciais a respeito de moralidade, religião, política, latentes em toda a sua grandiosa obra. Eis as circunstâncias em que se insere a realização de "Crime e Castigo".

Seu protagonista, Ródion Romanovitch Raskolnikóv, vive em intensa perturbação moral. Jovem estudante, morando sozinho em Petersburgo, tendo deixado a família (a mãe e uma irmã) para trás, passa muitas necessidades financeiras; algumas vezes, até fome. Perambulando pelas ruas, porém, também encontra uma vasta multidão de miseráveis, cada qual com seus problemas, cada qual com suas inquietações. Sente, então, a necessidade de dar uma guinada em sua vida. Mas, para isso, precisará por em prática certas teorias que andara formulando.

Até que ponto a vida de uma única pessoa, insignificante e que só faz mal aos outros, pode ter importância diante de tantas tragédias ocorridas diariamente? Com o aprofundamento dessa visão, Raskolnikóv decide matar uma senhora, uma velha usurária de modos insuportáveis, e lhe roubar o dinheiro.

As consequências deste ato, no entanto, vão muito além do que ele planejava. Sim, o assassinato ocorre, e ele consegue escapar. Mas, pouco ou nada leva disto, e o que consegue roubar, esconde. Atormentado pelo ato, acaba adoecendo e cada vez mais, ao longo da narrativa, lhe aterroriza pensar que, a qualquer momento, poderá ser descoberto e preso. A ponto de começar a pensar em se entregar.

Dostoiévski comanda a estória com uma maestria inigualável. Quem lê, facilmente se deixa levar pela estória e também pelas aflições de cada um dos personagens. Um domínio narrativo soberbo. Mas, todo o diferencial está nos rumos que o autor dá aos personagens. Cada um deles representa as perspectivas do autor sobre a condição humana, seja a inocência do amigo de Raskolnikóv, Razumíkin, seja a ânsia por poder do Piotr Pietrovitch.


















Marmieládov, por exemplo, é um ex-oficial, totalmente entregue ao vício da bebida, e responsável pelas passagens mais tristes do livro. Seu encontro com Raskolnikóv será providencial, pois é na família dele que o nosso protagonista irá sentir de mais perto a miséria e sofrimento, e não se furtará de ajudá-los, muito mais do que esperavam.

E, em termos de sofrimento é bom avisar que, muitas vezes, esta obra é dura, cruel, mas, tal abordagem é necessária. Dostoiévski consegue nos fazer sentir as lágrimas, as dores no peito de uma tuberculosa, a fome... Acabamos por ser mais do que testemunhas oculares. Respiramos cada sordidez, cada agonia pelas quais os personagens passam. E, ao que me parece, só quem viveu de perto isso (ou na própria carne) pode narrar esses sentimentos de forma tão contundente.

Raskolnikóv não é um herói. Nós saberemos e o próprio assim o sente. Percebe o crime que cometeu e reconhece sua baixeza, sua pusilanimidade. Mesmo assim, sabe que sua teoria estava, até certo ponto, correta. O que é a vida de uma pessoa? Outros matam milhares e são condecorados por isso. Isso fará com que se sinta fracassado por não ter ido além, de não ter continuado a caminhada depois que ultrapassou algumas linhas morais que regem as leis. Sucumbiu à moral que estava nele desde sempre, a despeito de sua teoria.

O personagem de Raskolnikov possui uma firmeza de caráter impressionante, a despeito e a propósito de seu crime, no sentido de se compadecer diante das inúmeras injustiças que presencia. Ajudará, sempre que possível, aos que estão ao seu redor, mesmo que seja tão crítico em relação a esta sociedade, muitas vezes, odiando-a com todas as forças.















A condição humana imersa em contradições, mas calcada na esperança, é o grande mote de "Crime e Castigo". Uma viagem ao submundo da alma humana. De um autor com uma autêntica preocupação com tudo que via (e, que, infelizmente, ainda veria em nossos dias).

Eis aí, pois, o porquê dele ser um clássico. E, dos grandes.


NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…