Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Boyhood - Da Infância à Juventude" (2014)
Direção: Richard Linklater.


O hype, sempre ele, engana fácil, fácil. Algo é colocado nas alturas, e, logicamente, a expectativa cresce. E, quando vemos, de fato, do que se trata, surge uma certa decepção. "Boyhood", por exemplo, não chega a ser um grande hype, nem tão pouco é uma decepção, mas, é bem aquém daquilo que andaram propagando sobre ele. O negócio, então, é assistir ao filme de maneira despojada. Funciona melhor.

O bom é que dá pra relaxar durante a projeção do longa, pois, ele é bem fluido, a estória se desenrola bem calma, simples. E, por isso mesmo, competente. O maior atrativo aqui é o espectador contemplar a vida, e suas nuances, seus percalços, suas singularidades. Nesse aspecto, o filme se assemelha muito a "Azul é a Cor Mais Quente". Ambos são longas produções, cada uma beirando as três horas de duração, mas, o que está em pauta é o cotidiano quase "banal" dos personagens.




Se fosse pra fazer uma sinopse de "Boyhood", o correto seria dizer que se trata quase de um documentário ficcional sobre as miudezas de um garoto durante o seu rito de passagem, de criança até a idade adulta propriamente dita. E, são esses pequenos detalhes que fazem a diferença na "trama". As constantes mudanças da família, os questionamentos sagazes de Mason (o protagonista), a necessidade de competitividade na sociedade americana, etc.

Por sinal, o diretor Linklater é responsável pela trilogia "Antes do Amanhecer"/"Antes do Pôr-do-Sol"/"Antes da Meia-Noite". Portanto, esperem muitas cenas baseadas nos diálogos, e em constantes alfinetadas, na maioria, coerentes. Num determinado momento, vemos o pai de Mason comentando sobre a desnecessária invasão ao Iraque, e em outra ocasião, o novo namorado de sua mãe contanto o que viveu naquele país, como soldado dos EUA.




Porém, o roteiro de "Boyhood", algumas vezes, exagera um pouco. Na ânsia de ser o mais natural possível, certas situações acabam sendo forçadas, quase "fabricadas", como a militância política do pai de Mason por Barack Obama. Em outras, reforça esteriótipos, como o do garotos que só pensam em sexo, por exemplo. Inclusive, o filme demora cerca de meia hora pra engrenar de vez, e o faz, justamente, quando foge no natural, apresentando o conflito com o padastro alcoólatra do menino.

Essas "forçadas" na estória vão aparecendo aqui e acolá, não chegando a estragar o prazer de assistir "Boyhood", mas, que poderiam ter sido evitadas com um tanto mais de feeling narrativo. Felizmente, as qualidades dele são maioria. Obviamente, numa produção assim as atuações são essenciais para o bom andamento das coisas, e os atores se saem muito bem. Desde os veteranos Ethan Hawke e (principalmente) Patrícia Arquette (excelente) até o jovem Ellar Coltrane.




Claro, o fato da produção ter sido filmada no decorrer de 12 anos (acompanhando o crescimento e amadurecimento dos próprios atores) ajudou bastante nessa interação, quase uma inteira cumplicidade entre os envolvidos. E, outra característica marcante aqui é trilha sonora, pontuada por muito pop e rock alternativo, formando momentos realmente agradáveis na tela. O início, trazendo Mason ainda criança deitado, ao som de Coldplay, comprova isso.

Mesmo não sendo tão espetacular quanto se propagandeou por aí, "Boyhood" é um verdadeiro achado no atual cinema norte-americano. Podemos até dizer que se tratou de um projeto audacioso, e que cumpriu bem o seu papel de expôr as singularidades dia dia-a-dia que nos cerca; coisas que nos dão experiência e que nos fazem enxergar a vida de maneira diferente. Às vezes, sem grandes conflitos, mas, com uma boa inquietação de encontrar "algo mais".

Nó, portanto, somos retratados em Mason: uma criança, inevitavelmente, obrigada a amadurecer, porém, que não se contenta com o que é oferecido. Visão bonita, e até um pouco simplória, mas, muito sincera.


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…