Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Através das Oliveiras" (1994)
Direção: Abbas Kiarostami.


O cinema iraniano sempre demonstrou ser possuidor de uma beleza singular. Do antigo "A Maçã" até o recente "A Separação", boa parte dos filmes desse país parecem tocar de maneira profunda no âmago do ser humano, buscando suas inquietações, mas, dotando seus personagens de virtudes quase ingênuas. Kiarostami é um dos cineastas que mais representa essa característica. Pra quem já assistiu o poderoso "O Gosto da Cereja", sabe do que estou falando.

E, "Através das Oliveiras" é mais um de seus belos trabalhos. No começo, quase em estilo documental, vemos um cineasta fazendo uma seleção no meio de muitas moças para saber quais delas integrarão seu próximo filme. De cara, nota-se algo diferente: ele parece ter um afeto imenso pelas pessoas, e trata todas as mulheres que estão ansiosas para participarem de sua produção como muito respeito e atenção.



Só que isso não é uma impressão inicial que se dissipa ao longo do tempo. Sempre que ele encontra pessoas do vilarejo onde está filmando, ele pergunta sobre a vida delas, quer realmente saber os dramas que estão passando. Importa-se com elas, enfim. Empatia pura e simples. Quando sabemos que o lugar foi devastado por um terremoto recentemente, a preocupação do cineasta com as pessoas sobreviventes que ainda estão morando ali, tona-se ainda mais tocante e verdadeira.

Nesse cenário, o filme se foca em um personagem específico: Hussein, e sua quase obsessão em cortejar uma garota pela qual ele está apaixonado. Suas declarações a ela, e seus desabafos ao cineasta, que se torna seu amigo, são desconcertantemente sinceras. Logo se percebe que Hussein representa uma vaga esperança, um sopro qualquer de vida, que quer continuar sua jornada, mesmo depois de uma tragédia.




Interessante perceber a forma de Kiarostami mostrar os bastidores do filme que está sendo feito com os moradores locais. Muitas das cenas precisam ser refeitas porque as pessoas, simplesmente, esquecem suas falas. Entre um "take" e outro, muitas estórias se desenrolam na vida pessoal dos envolvidos, e a repetição de tais cenas expõe muito da personalidade, muitas vezes simples, de quem está tentando atuar de forma amadora.

Bom exemplo disso é quando Hussein tem que gravar com a garota que quer se casar. Errando, propositalmente, suas falas, isso faz com que tenha mais tempo para conversar com ela, e tentar convencê-la a ficarem juntos. É como se Kiarostami nos quisesse dizer que no meio de poucos segundos que "vemos na tela", muitos acontecimentos acontecimentos decisivos na vida das pessoas ocorre, sem que nos demos consciência disso, simplesmente, porque não nos importamos.




"Através das Oliveiras", assim como os melhores filmes iranianos, tem a seu favor o fato de transformar o "comum" em algo maior. Objetos de reflexão, até mesmo naqueles fatos mais vulgares, compõem um retrato ao mesmo tempo particular e universal das sutilezas e necessidades que o ser humano possui, mesmo sem, às vezes, notar isso.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…