Pular para o conteúdo principal

A censura, em muitos casos, é a arma dos ignorantes. Quando atinge a arte, no entanto, a proibição parece ter o efeito oposto do desejado: a obra censurada ganha mais destaque do que se pensava, chegando a ganhar status de obra-prima esquecida. No mundo da música, por exemplo, algumas capas de discos foram vetadas, e, por isso mesmo, tornaram-se clássicas e bastante conhecidas. O bom é que muitos desses álbuns têm muita qualidade sonora, o que compensa uma audição mais apurada deles.


10 CAPAS CENSURADAS DE DISCOS QUE VALEM A PENA SEREM OUVIDOS


10°
"Ritual de lo Habitual" (1990)
Jane's Addiction
A banda do maluco por natureza Perry Farrell compôs ótimos discos de rock para as massas, mas, este aqui é seu maior tesouro. Hit's como "Been Caught Stealing" e "Stop!" se tornaram hinos de uma geração pré-grunge. A capa chamou a atenção pela ousadia da gravura, uma mistura de psicodelismo com cultura oriental muito explícita para os padrões do bom mocismo norte-americano. Resultado: muita loja se recusando a vender o álbum.


9° 
"Diamond Dogs" (1974)
David Bowie
Depois de "matar" Ziggy Stardust, o camaleão Bowie investiu num trabalho conceitual baseado na obra "1984". Mesmo não tendo a força de outros trabalhos dele, o disco era glam rock puro, dançante e energético. Mas, foi a capa que chocou muita gente, pois quando ela se abria junto contra a contracapa, a figura mostrava um David Bowie metade humano, metade cachorro. Os órgãos sexuais do animal foram escurecidos para se evitar maiores polêmicas.


8° 
"Appetite for Destruction" (1987)
Guns n' Roses
Aqui, título e capa combinam à perfeição. O caos, a violência, a anarquia... Tudo o que o rock já foi um dia eram sintetizados no primeiro disco do Guns em gênero, número e grau. O estilo eternizado por Elvis voltava a ser perigoso. É claro que os puritanos repudiaram tantos as atitudes tresloucadas da banda na vida real, quanto a provocativa capa, que teve uma versão alternativa, mais comportada, sendo comercializada, apenas com o logotipo do grupo.


7° 
"Youthanasia" (1994)
Megadeth
Banda de heavy metal causando polêmica não é novidade alguma. O inusitado é que a capa desse disco não tem, necessariamente, violência explícita, nudez, ou algo do tipo. Mas, pegou mal a arte que mostrava bebês sendo pendurados (como se fossem descartáveis). O próprio título do álbum, associado a essa figura, dá margem para o que falar. Musicalmente, o álbum é considerado o último grande lançamento do grupo.


6° 
"Amorica." (1994)
Black Crowes
O disco, em si, é uma tremenda reinvenção da banda, que era comparada constantemente aos Rolling Stones e ao Faces. Mas, em "Amorica.", o grupo brilhou em canções fabulosas, como "Gone" e "Wiser Time". Só que a capa, tirada de uma sessão de fotos da Penthouse, não agradou em nada os conservadores, e, rapidamente, uma outra, alternativa, foi criada, com fundo preto, só mostrando a bandeira dos EUA.


5° 
"Sanctuary" (1980)
Iron Maiden
Vamos relembrar. Antes do multiplatinado "The Number of the Beast", com Bruce Dickinson, a Donzela de Ferro lançou petardo em cima de petardo ainda com o vocalista Paul Di'Anno. Mas, neste single aqui, eles foram longe demais. A ilustração da capa mostrava o mascote da banda, o Eddie, simplesmente, matando a primeira-ministra do Reino Undo da época, Margaret Thatcher. Claro que foi um alvoroço, e a censura, como era de esperar, não perdoou.


4° 
"Country Life" (1974)
Roxy Music
O disco marcou época, não só por sua sonoridade única, que viria a influenciar toda uma geração anos 80, mas a capa, que transbordava sensualidade. Mais uma vez, a censura bateu à porta, obrigando a gravadora a lançar uma segunda versão do álbum mostrando apenas a vegetação atrás das modelos. Foi uma capa tão emblemática que até hoje é copiada ad infinitum por aí, além de ser considerada uma das mais bonitas da história da música.


"Two Virgins" (1968)
John Lennon e Yoko Ono
John e Yoko sempre foram exímios provocadores. Quem não se lembra do protesto que fizeram transformando sua lua de mel numa ode contra a Guerra do Vietnã? Outra rande provocação está neste disco, especialmente, na sua capa, onde o casal de despe espiritual e fisicamente. Sem pudores, sem covardia. Chocou muita gente, tanto é que uma outra capa foi confeccionada, mostrando apenas o rosto de ambos. Não tem jeito; a censura é muitíssimo chata.


"Yesterday and Today" (1966)
The Beatles
O que dizer de um disco que compila músicas dos álbuns "Help!", "Rubber Soul" e "Revolver"? Clássico indiscutível, certo? Mas, esta capa (aparentemente, inofensiva) incomodou muita gente, que via nela uma apologia à violência, principalmente, a infantil. Depois da celeuma, uma mais comportada foi lançada, contendo apenas os 4 integrantes fazendo pose, e mais nada. Hoje em dia, a edição original de "Yesterday and Today" é vendida a preço de ouro para colecionadores.


"Beggars Banquet" (1968)
Rolling Stones
É neste disco que encontramos a sensacional "Sympathy for the Devil", com sua indefectível levada de samba. Mas, é aqui também que a banda enfrentou problemas por causa de sua capa, repleta de pichações ofensivas e obscenas num banheiro. As distribuidoras pediram para a banda mudar a arte do álbum, e, por vários meses, eles se recusaram. Após muitas discussões, aceitaram lançar uma versão "branda" da capa: uma mera imitação de um cartão de convite. A ilustração original só foi lançada no mercado em 1984, na edição remasterizada para CD. O rock tem dessas coisas...


Por Erick Silva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…