Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Amy" (2015)
Direção: Asif Kapadia.


O que seria da arte sem o sangramento da alma? E, o que seria do jazz sem as divas que expõem esses sangramentos de forma honesta? De Ella Fitzgerald a Billie Holliday, não existiu nenhuma em que dores profundas não fizessem parte do DNA de sua música. E, por isso mesmo, tornaram-se imortais, compartilhando seus demônios particulares para um público estupefato. Mas, como alguém pode sofrer tanto e ainda fazer uma bela arte? Talvez, ambas as coisas sejam indissociáveis.

É justamente sob essa perspectiva que acabamos olhando para Amy Winehouse, um dos mais incríveis e tempestuosos talentos a surgirem nos últimos anos no universo musical. Sim, ela tinha uma voz de outro mundo. Sim, ela cometeu erros na vida pessoal. Sim, ela se envolveu com drogas. Sim, o amor romântico foi uma das coisas que a destruiu. Sim, público e imprensa, como urubus da desgraça alheia, adoravam isso. E, sim, Amy não está mais entre nós.




O documentário pouco revela sobre a infância da cantora. Logo de início, ela nos coloca no meio de imagens de Amy já crescida, prestes a começar sua carreira. Essa maneira de começar a produção é interessante, pois torna o espectador muito íntimo das situações, principalmente, pelo fatos de que as gravações foram feitas por amigos dela. De forma muito descontraída, somos levados a quase partilhar cada momento, cada expectativa, cada degrau que Amy passou.

Só em poucas sequências, vemos imagens de sua infância. Mas, é proposital. Porque é nesse período que seus pais se separam, o que vai ser primordial para moldar a personalidade da cantora e entendermos o porque dela ter emergido numa espiral de auto-destruição futuramente. Inclusive, o pai dela, Mitch, não é pintado com as melhores cores. Depois, que ela começa a fazer sucesso, fica claro que ele se aproveitou da situação para fatura em cima disso. Amy, por sua vez, por sentir falta dele, tinha-o quase como um herói, o que torna a situação mais revoltante, vista de longe.




Claro que a relação de vida e morte com o amor da sua vida, Blake, também é abordado, e também não é um personagem bem desenhado na produção. Em determinado instante, fica a impressão de que ele não queria que Amy se curasse de seu vício em drogas, para que ambos afundassem juntos nessa jornada. Como sabemos agora, Blake continua vivo e se recuperou de seus vícios.

Esses fatos abordados no filme mostram muito bem que o problema de Amy não era, senão, quem a rodeava. Todos, de alguma forma, sem se preocuparem com as necessidades dela, ou não se importando que ela continuasse a se dopar, ou exigindo que ela fizesse cada vez mais shows e discos, e, obviamente, faturasse milhões. A mídia, carniceira como só ela é capaz, fez o resto para, a bem da verdade, matar Amy aos poucos.

Mas, mesmo esperando um desfecho conhecido (e triste) no documentário, ele também revela o quão excepcional artista Amy era. Não somente dona de uma voz impecável, mas, de extremo bom gosto nas próprias composições que fazia e na sonoridade que queria para as suas canções. E, talento esse mostrado desde cedo. Musicalmente, uma pessoa experiente e madura num corpo jovem. E, as letras que escrevia, evidentemente, carregadas de uma aura passional que só o jazz é capaz de traduzir.




Mas, em sua trajetória artística, a cantora foi acumulando desilusões, decepções e revoltas contra tudo e contra todos (e com razão). Houveram momentos em que ela poderia ter sido tratada (e salva). Mas, aí não teria feito "Back to Black", junto com o enorme sucesso do disco. Sucesso que a engoliu. O sucesso dos flashes invasivos que roubam sua alma, sua identidade, sua vida, enfim. Todos em volta de Amy a mataram, de alguma maneira.

Sem pudor de causar polêmica (o que, de fato, ocorreu com os familiares, que execraram o documentário), "Amy" é um registro precioso, não somente de uma grande e verdadeira diva moderna do jazz, mas também de como as pessoas podem ser cruéis e insensíveis com alguém que, em determinado instante da vida, queria apenas ter paz (e, fazer música, se possível). Poderosa a junção desses elementos. E, indignação para com essas pessoas.

Perdoe-as, Amy!


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…