Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Amy" (2015)
Direção: Asif Kapadia.


O que seria da arte sem o sangramento da alma? E, o que seria do jazz sem as divas que expõem esses sangramentos de forma honesta? De Ella Fitzgerald a Billie Holliday, não existiu nenhuma em que dores profundas não fizessem parte do DNA de sua música. E, por isso mesmo, tornaram-se imortais, compartilhando seus demônios particulares para um público estupefato. Mas, como alguém pode sofrer tanto e ainda fazer uma bela arte? Talvez, ambas as coisas sejam indissociáveis.

É justamente sob essa perspectiva que acabamos olhando para Amy Winehouse, um dos mais incríveis e tempestuosos talentos a surgirem nos últimos anos no universo musical. Sim, ela tinha uma voz de outro mundo. Sim, ela cometeu erros na vida pessoal. Sim, ela se envolveu com drogas. Sim, o amor romântico foi uma das coisas que a destruiu. Sim, público e imprensa, como urubus da desgraça alheia, adoravam isso. E, sim, Amy não está mais entre nós.




O documentário pouco revela sobre a infância da cantora. Logo de início, ela nos coloca no meio de imagens de Amy já crescida, prestes a começar sua carreira. Essa maneira de começar a produção é interessante, pois torna o espectador muito íntimo das situações, principalmente, pelo fatos de que as gravações foram feitas por amigos dela. De forma muito descontraída, somos levados a quase partilhar cada momento, cada expectativa, cada degrau que Amy passou.

Só em poucas sequências, vemos imagens de sua infância. Mas, é proposital. Porque é nesse período que seus pais se separam, o que vai ser primordial para moldar a personalidade da cantora e entendermos o porque dela ter emergido numa espiral de auto-destruição futuramente. Inclusive, o pai dela, Mitch, não é pintado com as melhores cores. Depois, que ela começa a fazer sucesso, fica claro que ele se aproveitou da situação para fatura em cima disso. Amy, por sua vez, por sentir falta dele, tinha-o quase como um herói, o que torna a situação mais revoltante, vista de longe.




Claro que a relação de vida e morte com o amor da sua vida, Blake, também é abordado, e também não é um personagem bem desenhado na produção. Em determinado instante, fica a impressão de que ele não queria que Amy se curasse de seu vício em drogas, para que ambos afundassem juntos nessa jornada. Como sabemos agora, Blake continua vivo e se recuperou de seus vícios.

Esses fatos abordados no filme mostram muito bem que o problema de Amy não era, senão, quem a rodeava. Todos, de alguma forma, sem se preocuparem com as necessidades dela, ou não se importando que ela continuasse a se dopar, ou exigindo que ela fizesse cada vez mais shows e discos, e, obviamente, faturasse milhões. A mídia, carniceira como só ela é capaz, fez o resto para, a bem da verdade, matar Amy aos poucos.

Mas, mesmo esperando um desfecho conhecido (e triste) no documentário, ele também revela o quão excepcional artista Amy era. Não somente dona de uma voz impecável, mas, de extremo bom gosto nas próprias composições que fazia e na sonoridade que queria para as suas canções. E, talento esse mostrado desde cedo. Musicalmente, uma pessoa experiente e madura num corpo jovem. E, as letras que escrevia, evidentemente, carregadas de uma aura passional que só o jazz é capaz de traduzir.




Mas, em sua trajetória artística, a cantora foi acumulando desilusões, decepções e revoltas contra tudo e contra todos (e com razão). Houveram momentos em que ela poderia ter sido tratada (e salva). Mas, aí não teria feito "Back to Black", junto com o enorme sucesso do disco. Sucesso que a engoliu. O sucesso dos flashes invasivos que roubam sua alma, sua identidade, sua vida, enfim. Todos em volta de Amy a mataram, de alguma maneira.

Sem pudor de causar polêmica (o que, de fato, ocorreu com os familiares, que execraram o documentário), "Amy" é um registro precioso, não somente de uma grande e verdadeira diva moderna do jazz, mas também de como as pessoas podem ser cruéis e insensíveis com alguém que, em determinado instante da vida, queria apenas ter paz (e, fazer música, se possível). Poderosa a junção desses elementos. E, indignação para com essas pessoas.

Perdoe-as, Amy!


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…