Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Capitão América 2: O Soldado Invernal" (2014)
Direção: Joe e Anthony Russo.


Ah, os filmes de super-heróis... Ame-os ou odeio-os, eles são a mina de ouro da Hollywood atual. É se acostumar com o fato de que a cada lançamento assim, centenas de salas de cinema serão ocupadas. Claro, não deixa de ser monopólio, e, por isso, sempre que possível, devemos criticar esse sistema. Mas, tirando essa questão, não sejamos extremistas também. Há ótimos filmes-pipoca por aí, da mesma maneira que temos "produções cabeça" chatíssimas invadindo os circuitos, às vezes, em proporções iguais. Separemos o joio do trigo.

E, aonde "O Capitão América 2" entra nisso? Simples: ele está num meio termo. Está acima da média em se tratando de uma produção do gênero, mas, reproduz muitos clichês, talvez para não nos esquecermos de que o que estamos vendo é só entretenimento, e nada mais. Com um começo movimentado, mas, caindo no lugar-comum, o filme nos mostra o herói numa de suas missões. Então, preparem-se para muita correria, planos panorâmicos, lutas mirabolantes, etc. Enfim, nada de novo no front.




No entanto, quando  o Capitão se encontra com Nick Fury, membro da organização S.H.I.E.L.D., a produção vislumbra uma abordagem inusitada (e, que poderia até ser ousada). Numa conversa entre os dois, Fury tenta convencer o Capitão de que é necessária a implementação de um programa chamado "Insight", que visa prevenir guerras, terrorismos e todo o tipo de distúrbios no mundo, através de armamento pesadíssimo. Nisso, o herói indaga: "Mas, não punimos somente depois do crime cometido? Isso não é prevenção; é medo!"

Sim, meus caros. De forma bem interessante, o filme dá a entender que vai abordar um tema de muita pertinência nos dias de hoje: a cultura do medo para que as pessoas acreditem que perder a liberdade é algo necessário. Ótimo! Só que o tempo passa, e vem a decepção: esse assunto é, realmente, abordado em determinado momento, mas, sob um único viés (o dos EUA). Ou seja, preparem-se para aquele velho maniqueísmo do tipo norte-americanos bons X estrangeiros maus.




Talvez, muitos questionem o porquê de apontar isso; afinal, não estamos falando de um simples filme de super-herói? A resposta é: o próprio filme pede essa análise. Caso se propusesse a ser uma típica produção do gênero, com mocinhos e bandidos, sem problemas. Mas, como o roteiro aborda um tema dessa natureza, só que falando apenas "meias-verdades", então, ele fica vulnerável a uma análise mais criteriosa, que aponte essa falha grave na ideologia que prega. É a velha premissa: quem diz o que quer, tem que ouvir o que não quer também.

E, como diversão? Bem, nesse quesito o filme realmente não decepciona, e empolga bastante. Ouso a dizer que ele possui as melhores cenas de ação de uma produção de super-heróis de todos os tempos (sem dúvida, é o melhor filme de um personagem da Marvel até agora). São sequências grandiosas, realistas, e, melhor, duram o tempo que for necessário (um dia, Michael Bay aprende como se faz...). E, mesmo com as falhas de maniqueísmo e patriotismo muito presentes no enredo, a história é bem amarrada, possuindo, contudo, alguns furos de roteiro bem visíveis.





Quanto ao Soldado Invernal propriamente dito, ele é um ótimo personagem, sem dúvida. Só faltou ser melhor conduzido em alguns momentos. Isso porque a origem dele é muito interessante (e, tem a ver, inclusive, com a própria origem do Capitão América). No entanto, além de aparecer pouco na tela, suas cenas se resumem apenas a sequências frenéticas de ação. O que é uma pena, pois é um antagonista com um grande potencial. Só que, mesmo com essas limitações, são dele os melhores momentos do filme.

Saldo final? Positivo. Não é tão extraordinário como alardearam por aí, mas, é uma das melhores adaptações do gênero para a tela grande. Se o roteiro tivesse sido menos manipulador e ufanista para com os EUA, e tivesse colocado o dedo na ferida a respeito das guerras atuais, teria sido um filmão em todos os termos. Mas, sejamos honestos: fica difícil esperar algo diferente de um personagem que, literalmente, veste a bandeira norte-americana. Porém, se a intenção é, pura e simplesmente, divertir-se, "Capitão América 2" cumpre bem o que promete. Só não esperem mais do que isso.


Nota: 7/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…