Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Últimas Conversas" (2015)
Direção: Eduardo Coutinho.


O adolescente. O jovem. Este ser tão pouco compreendido pela maioria. Alguém que sempre tem o que dizer, mas, que já vem meio pré-moldado pelos pais, pela escola, pela igreja, pela sociedade. Foi com esse receio que o cineasta Eduardo Coutinho filmou este documentário. Segundo ele mesmo, era preferível falar com crianças. Essas não têm filtro, e geralmente falam o que querem. Realmente, teria dado um ótimo registro. Mas, felizmente, a ideia inicial de conversar com jovens persistiu. E, o resultado ficou fascinante.

Uma câmera estática. Uma cadeira. Uma sala praticamente vazia. E, uma pessoa ali, na frente de Coutinho, expondo um pouco das suas ideias, dos seus medos, dos seus sonhos. Isso, e somente isso, já bastou. Coutinho se mostra aqui um ótimo ouvinte, um instigador de mão cheia (nesse momento, inevitável não lembrar do saudoso Abujamra). E, os depoimentos dessa gente nova, tão pouco ouvida, são muito bem conduzidos.




Interessante é que cada um possui uma personalidade distinta dos demais. Talvez, o que os una sejam algumas dúvidas, dilemas essenciais que fizeram (e fazem) muitos deles questionarem. Questionarem os pais, a escola, a vida. Mas, nenhum é exatamente igual ao outro. É uma miscelânea. E, todos, sem exceção, possuem uma estória interessante para contar, seja o de uma menina criada pela mãe e sua companheira (a quem, carinhosamente, chama de "padrasta"), seja um rapaz que, após sofre buylling, abandona o ensino médio, e volta a estudar após um intenso período de depressão.

Basicamente, é isso. Conversas informais com pessoas que já têm algum entendimento da vida. No entanto, olhando mais atentamente, percebemos a intenção de Coutinho com o seu filme: fazer questionar, tentar mostrar ao espectador que, ao mesmo tempo que cada um de nós é único, vivemos numa engrenagem maior, com pessoas ao nosso lado que, provavelmente, têm muito a nos ensinar. E, é isso o que, aparentemente, o próprio cineasta também busca.




Ao final, pelo menos, um dos desejos de Coutinho realizado: a entrevistada é uma criança, Luiza, de apenas 6 anos. Fica nítido o encantamento do diretor pela ingenuidade da menina, pelas suas respostas diretas e sinceras, sem maquiagens. É dela, inclusive, uma das melhores frases do documentário: "Deus é um homem que morreu". O cineasta, claro, cai na gargalhada ante algo tão genuíno, e, ao mesmo tempo, tão puro.

Torna-se ainda mais emocionante o fato de que esse foi o último trabalho de Coutinho em vida. Antes mesmo de finalizar a produção, ele deixou este mundo, após, contudo, já ter captado todas as imagens para a produção. Quem editou o documentário foi sua companheira de longa data Jordana Berg, sendo o trabalho finalizado pelo documentarista João Moreira Salles. Com tanto zelo envolvido, não poderia, jamais, ter saído um resultado ruim (bem longe disso, aliás).



Coutinho sai de cena com um belo testamento. Uma obra que acabou, involuntariamente ou não, sintetizando sua carreira como artista e sua vida como pessoa. Sendo eternamente inquieto, ele buscava significados, questões importantes, e, em seu ocaso, um tanto de simplicidade. Foi embora ensinando aos jovens com quem conversou (e, a todos nós, por tabela).


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…