Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Sinédoque, Nova Iorque" (2008)
Direção: Charlie Kaufman.


Difícil falar deste filme. Não porque ele seja de uma complicada compreensão. Antes fosse. É que o que ele nos passa é, de tal forma, tão poderoso, que esmiuçá-lo em palavras não é tarefa simples. Para coisas como ele e "A Árvore da Vida" (só para citar outro exemplo bem próximo) não se pode ser leviano nas palavras. Mas, também pouco deve ser dito. É o tipo de experiência íntima e pessoal que cada um precisa ter. Uns, acharão chato; outros, brilhante. A mim, disse muito.

Se é para ter uma "sinopse oficial", diria que a produção conta a triste trajetória de Caten Cotard, que, cada vez mais desiludido com a vida, entra em sérias crises, repetidas vezes, ao longo de anos. Nesse meio tempo, tenta fazer uma peça de teatro, que nem ele mesmo sabe do que se trata, ao certo. Pode ser sobre a vida, sobre a morte, sobre as mazelas humanas, sobre as felicidades passageiras. E, pode ser, simplesmente, uma auto-biografia; uma que seja universal. Cate somos nós e nós somos Cate.




Desnecessário continuar falando da "estória", pois seria ilógica tentar explicar algo que, praticamente, não tem lógica. A cronologia é confusa. O que durou anos talvez tenha durado dias, minutos, segundos. A metalinguagem e o nonsense reinam. É quase um filme lynchiano mais contido. Esperem ficção dentro da realidade, e realidade dentro da ficção (não, necessariamente, nessa ordem). Morar numa casa em chamas pode ser tão comum quanto tomar um café.

São, em geral, pequenas narrativas, pequenos detalhes, pequenos personagens que vão se alinhando em torno de Cale. O que esperar da vida? Da velhice? Dos amigos? Dos familiares? Das (inevitáveis) doenças da alma e do corpo? O tempo passa e Cale se sente morrendo, dolorosamente, aos poucos. Ou já estaria ele morto? O roteiro, extremamente simbólico, ora sutil, ora escancarado, vai envolvendo o espectador nessa espiral de dúvidas e bastante melancolia.




Lembremos que esta é a estreia na direção de Charlie Kaufman, o mesmo roteirista que nos deixou atordoados com "Quero Ser John Malkovich", "Adaptação" e "Brilho Eterno de Uma Mente sem Lembranças". Só que no comando da câmera, Kaufman também demonstra um perceptível talento. Conduz uma estória densa, complicada (narrativamente falando), mas, filmando as cenas certas nos momentos certos. Não há o que tirar nas suas duas horas de duração.

Nesse contexto, em que a condução da trama se dá de maneira (literalmente) teatral, o que falar dos atores? Todos ótimos, o que era de se imaginar. De Katherine Keener a Samantha Morton, todos estão exemplares. Mas, claro que o destaque tinha que ser do saudoso Philip Seymour Hoffman. Ele faz de Cale um ser muito humano, repleto de falhas, mas, com algumas qualidades, numa caracterização de tirar o chapéu. Um ator que continua fazendo falta.




O filme, em si, é desafio. Tem hora que se mostra cínico, mas, em outros momentos, vemos certa ingenuidade nas entrelinhas. É algo sensorial, de mergulho profundo em nossos demônios. Entre descobertas e mais dúvidas ainda, "Sinédoque, Nova Iorque" nos convida a caminharmos, enquanto entendemos nosso lugar no mundo. Uma tremenda reflexão em tempos tão frios e calculistas quanto esses. Não à toa, é uma produção (ainda) pouco conhecida. Aqui, não há lugar para escapismos.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…