Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Garota Dinamarquesa" (2015)
Direção: Tom Hooper.


Recentemente, o cinema vem apresentando temas bem relevantes e atuais na abordagem de seus temas. Tivemos, por exemplo, "As Sufragistas", num momento em que o movimento feminista vem crescendo bastante. Já, "A Garota Dinamarquesa" fala da incompreensão que um transsexual passa numa sociedade que ainda não quer lhe entender (e o descrimina, claro). Esta produção, porém, ganha mais pontos do que "As Sufragistas" por tratar o assunto com mais naturalidade e humanidade. Diria até que tem mais alma do que o outro.

Aqui, em linhas gerais, temos a cinebiografia de Lili Elbe. Ela, porém, "nasceu" Einar Mogens Wegener, e, desde sempre, percebia algo estranho: sentia-se mulher num corpo de homem. Ela, por sinal, foi a primeira pessoa trans a se submeter a uma cirurgia de mudança de gênero, ainda no início do século passado. Obviamente, isso gerou certo desconforto na sociedade da época, que não entendia quem era, de fato, Lili (ou por preconceito, ou por pura ignorância mesmo).




Além desse aspecto, o filme se foca também em seu relacionamento amoroso com Gerda, igualmente pintora, e que foi um dos grandes alicerces da protagonista. Inicialmente, propondo "jogos" em que seu marido se veste de mulher, ela vai descobrindo aos poucos, no entanto, a essência de Einar (na verdade, Lili). Temos ainda a introdução na estória do amigo de infância de Lili, Hans, que também presta um valioso apoio a ela. E, basicamente, este é o trio de personagens que compõem a produção.

O ótimo é que o filme não precisa mais do que isso. Lili, Gerda e Hans são personagens muito bem estruturados pelo roteiro, tendo atitudes que poderiam, muito bem, ser consideradas reais, sem exageros. Claro, às vezes, a estória se presta a ficar um pouco melodramática demais, porém, em outras cenas, existe muita força no que se quer passar na produção. Por exemplo, pequenas sutilezas, como a maneira que Lili (ainda como Einar) toca em roupas femininas, demonstrando um pouco de quem seja.




Há outras sequências, inclusive, das quais questionamos se a humanidade, de fato, evoluiu. Vejamos: o filme se passa por volta de 1926, ou seja, há exatos 90 anos atrás. E, vemos Lili sendo espancada na rua por dois homofóbicos, além de presenciarmos o desespero dela quando vai buscar ajuda médica, e os profissionais da área, não entendendo a sua situação, propõem uma espécie de "cura gay", com direito a lobotomia e internamento num manicômio. Isso diz alguma coisa sobre os tampos atuais?

As interpretações estão muito convincentes, em especial, claro, a de Eddie Redmayne, que faz um trabalho corajoso, de uma transformação física impressionante. Está pau a pau com a magnífica atuação de Di Caprio em "O Regresso". E, Alicia Vikander nos oferece uma Gerda muito humana, que, mesmo não entendendo, de início, a situação de Lili, mostra-se extremamente compreensível com ela. Uma interpretação sem grandes arroubos, e, por isso mesmo, ótima.




A direção de Hooper está melhor do que em "O Discurso do Rei", seu filme anterior, até mesmo porque a próprio estória contada em "A Garota Dinamarquesa" é melhor. Sem muita apelação, deixa a estória correr bem, sempre com elegância e respeito ao tema. Pra finalizar, a reconstituição de época também é muito competente (claro, a própria paisagem urbana de Copenhague ajudou nessa reconstituição).

Por fim, temos um trabalho que dialoga com a necessidade do entendimento e da tolerância a respeito de uma parcela da população que ainda é bastante estigmatizada: os transsexuais. Sim, tivemos avanços (a aprovação recente de trans em universidades públicas é a prova de que estão conseguindo se inserir na sociedade, mesmo a contragosto de alguns conservadores). Mas, também, ainda temos muito o que melhorar, até para podermos aceitar as inúmeras Lili's que não pedem mais do que serem aceitas pelo o que são, tendo direitos como outro cidadão qualquer.


Nota: 8,5/10.

Comentários

  1. Sou fã de Redmayne e essa produção foi realmente muito bacana. Adorei o filme.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…