Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Garota Dinamarquesa" (2015)
Direção: Tom Hooper.


Recentemente, o cinema vem apresentando temas bem relevantes e atuais na abordagem de seus temas. Tivemos, por exemplo, "As Sufragistas", num momento em que o movimento feminista vem crescendo bastante. Já, "A Garota Dinamarquesa" fala da incompreensão que um transsexual passa numa sociedade que ainda não quer lhe entender (e o descrimina, claro). Esta produção, porém, ganha mais pontos do que "As Sufragistas" por tratar o assunto com mais naturalidade e humanidade. Diria até que tem mais alma do que o outro.

Aqui, em linhas gerais, temos a cinebiografia de Lili Elbe. Ela, porém, "nasceu" Einar Mogens Wegener, e, desde sempre, percebia algo estranho: sentia-se mulher num corpo de homem. Ela, por sinal, foi a primeira pessoa trans a se submeter a uma cirurgia de mudança de gênero, ainda no início do século passado. Obviamente, isso gerou certo desconforto na sociedade da época, que não entendia quem era, de fato, Lili (ou por preconceito, ou por pura ignorância mesmo).




Além desse aspecto, o filme se foca também em seu relacionamento amoroso com Gerda, igualmente pintora, e que foi um dos grandes alicerces da protagonista. Inicialmente, propondo "jogos" em que seu marido se veste de mulher, ela vai descobrindo aos poucos, no entanto, a essência de Einar (na verdade, Lili). Temos ainda a introdução na estória do amigo de infância de Lili, Hans, que também presta um valioso apoio a ela. E, basicamente, este é o trio de personagens que compõem a produção.

O ótimo é que o filme não precisa mais do que isso. Lili, Gerda e Hans são personagens muito bem estruturados pelo roteiro, tendo atitudes que poderiam, muito bem, ser consideradas reais, sem exageros. Claro, às vezes, a estória se presta a ficar um pouco melodramática demais, porém, em outras cenas, existe muita força no que se quer passar na produção. Por exemplo, pequenas sutilezas, como a maneira que Lili (ainda como Einar) toca em roupas femininas, demonstrando um pouco de quem seja.




Há outras sequências, inclusive, das quais questionamos se a humanidade, de fato, evoluiu. Vejamos: o filme se passa por volta de 1926, ou seja, há exatos 90 anos atrás. E, vemos Lili sendo espancada na rua por dois homofóbicos, além de presenciarmos o desespero dela quando vai buscar ajuda médica, e os profissionais da área, não entendendo a sua situação, propõem uma espécie de "cura gay", com direito a lobotomia e internamento num manicômio. Isso diz alguma coisa sobre os tampos atuais?

As interpretações estão muito convincentes, em especial, claro, a de Eddie Redmayne, que faz um trabalho corajoso, de uma transformação física impressionante. Está pau a pau com a magnífica atuação de Di Caprio em "O Regresso". E, Alicia Vikander nos oferece uma Gerda muito humana, que, mesmo não entendendo, de início, a situação de Lili, mostra-se extremamente compreensível com ela. Uma interpretação sem grandes arroubos, e, por isso mesmo, ótima.




A direção de Hooper está melhor do que em "O Discurso do Rei", seu filme anterior, até mesmo porque a próprio estória contada em "A Garota Dinamarquesa" é melhor. Sem muita apelação, deixa a estória correr bem, sempre com elegância e respeito ao tema. Pra finalizar, a reconstituição de época também é muito competente (claro, a própria paisagem urbana de Copenhague ajudou nessa reconstituição).

Por fim, temos um trabalho que dialoga com a necessidade do entendimento e da tolerância a respeito de uma parcela da população que ainda é bastante estigmatizada: os transsexuais. Sim, tivemos avanços (a aprovação recente de trans em universidades públicas é a prova de que estão conseguindo se inserir na sociedade, mesmo a contragosto de alguns conservadores). Mas, também, ainda temos muito o que melhorar, até para podermos aceitar as inúmeras Lili's que não pedem mais do que serem aceitas pelo o que são, tendo direitos como outro cidadão qualquer.


Nota: 8,5/10.

Comentários

  1. Sou fã de Redmayne e essa produção foi realmente muito bacana. Adorei o filme.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…