Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Crash - Estranhos Prazeres" (1996)
Direção: David Cronenberg.


O desejo sexual, reprimido ou não, numa sociedade em constante estado de deterioração. Só esta premissa já dá argumentos pra estórias bastante interessantes. No caso do escritor J. G. Ballard, serviu como base para criar um livro, onde encontramos uma metáfora em que o prazer está intimamente ligado à dor e ao sofrimento. Para ilustrar isso, pessoas que sentem prazer ao se envolverem em acidentes de carro. Serviu como uma luva para um cineasta como Cronenberg.

Mas, apesar do enredo forte e denso, esperem nada de tão grotesco assim. Sim, estamos falando de um diretor que causou repulsa com produções como "Videodrome" e "A Mosca". Mas, a violência aqui não é tão explícita quanto se faz supor. Ao contrário; ele é até bem comedida. O que são claras e muito bem filmadas são as cenas de sexo, porém, sem serem, necessariamente, explícitas. Isso faz com que tudo fique suspenso dando até uma aura de mistério ao filme.




Tanto é, que fica difícil classificar "Crash" num drama, numa fantasia ou mesmo num estilo noir. A trilha sonora, simples, suave, bem anos 80, dá esse aspecto cult à produção sem soar pedante. Cronenberg filma tudo com calma, sem pressa de mostrar os acontecimentos. Personagens como James e sua esposa Catherine, por exemplo, vão sendo desenvolvidos aos poucos. Descobrimos, os seus gostos por jogos sexuais, e o envolvimento deles com com pessoas que irão mudar o rumo desses jogos.

É com a entrada em cena de Vaughan, no entanto, que a trama ganha corpo. Com ele, James descobre os prazeres dos acidentes automobilísticos, e sua intrínseca relação com o sexo (pelo menos, na concepção de Vaughan, claro). É, então, que o enredo vai se desenrolando numa espiral de insanidade que não sabemos qual será, mesmo, o destino dos personagens, principalmente, de James, já que, cada vez mais, ele quer ultrapassar seus limites.




Nas mãos de outro diretor, "Crash" seria um filme apenas vulgar e apelativo. Só que Cronenberg conseguiu realizar um trabalho que incomoda bastante, mas, que não choca pela gratuidade das cenas. Isso porque o que está em jogo aqui não são as sequências de sexo ou de acidentes, mas sim, compreender o íntimos dos personagens, suas motivações, suas loucuras, suas taras. Pode parecer incrível, mas, o filme é mais intimista do que parece.

James Spader e Deborah Kara Unger desempenham muito bem os seus papéis como o casal de protagonistas. Outro que se sai muito bem em termos de atuações é Elias Koteas, como o louco Vaughan. A sequência em que ele demonstra como teria sido o acidente que vitimou James Dean, para uma atenta platéia, é ótima, e dá muito bem a dimensão de um personagem que, geralmente, rouba a cena quando aparece.




E, o próprio Cronenberg dirige tudo com muita competência. Sem os exageros que, por sinal, fizeram de seus filmes recentes experiências sofríveis. Cabe indagar o que teria, então, acontecido com o cineasta nos últimos anos. Em maior ou menor grau, sempre fez ótimas produções, mas, ultimamente, perdeu a mão feio. Precisa, urgentemente, voltar à velha forma, e brindar o seu público com filmes bem acabados como este "Crash".


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…