Pular para o conteúdo principal
Filme Não Recomendável

"Boi Neon" 
2015
Direção: Gabriel Mascaro


Chato e sem propósito. Se fosse para resumir "Boi Neon" em poucas e sucintas palavras, seria assim. Mas, como os ossos do ofício pedem que sejamos mais detalhistas, aí vai. Esse filme é mais uma daquelas típicas produções brasileiras que rodam, rodam e rodam para chegarem a lugar nenhum. Um tipo que se pretende cult, algo crítico, mas, no final, fica só na pretensão mesmo, e o espectador mais atento fica com a sensação de que tentaram lhe ludibriar.

A premissa é até boa, vejam: um homem que trabalha com gado, peão que coloca a "mão na massa" no negócio da vaquejada, mas que não é de todo modo rústico e gosta de moda e de costura. No mínimo curioso, e lá vamos nós, claro, conferir. O problema é que em quase duas horas de filme, simplesmente, nada acontece em "Boi Neon"; apenas a sensação de que algo fenomenal está prestes a acontecer. Mas o tempo passa, passa, passa... E, nada!




O filme é tão vago e sem nexo que duas cenas envolvendo uma mulher dançando com cabeça de cavalo demonstram muito bem isso. Essas imagens dão a entender que se tratam de devaneios do protagonista, e que essa até poderia ser uma ideia sua para um possível desfile no futuro. Só que essas sequências servem apenas como mero enfeite, pois nem ajudam na condução da trama, nem se propõem a serem a explicação de algo mais profundo. 

Em se tratando de enredo, o negócio também é sofrível. Simplesmente, o pouco que acontece não possui relevância alguma para a estória. Temos cenas intermináveis de bois de um lado para o outro, nos currais ou sendo derrubados nas vaquejadas (o filme bem poderia ser uma peça de propaganda - mal feita - do movimento vegano, quem sabe). Só que, do jeito que ficou, acaba sendo algo cansativo, que tem grande impacto nos primeiros minutos, mas, que depois, torna-se enfadonho.

Os personagens secundários também não ajudam. Temos uma mulher (caminhoneira) e sua filha que acompanham o protagonista, de evento em evento, carregando bois e outros homens na boleia do caminhão. Enquanto essa mulher é uma personagem muito fraca, sem a intensidade que a personagem pede, pelo menos, sua filha tem algum carisma. É da criança, inclusive, os melhores momentos do longa. Ela sempre tem uma resposta atrevida e seca na ponta da língua para dar aos adultos, e é ela quem, muitas vezes, salva o filme do fiasco total. (Já a atriz que interpreta a mãe, relegada a cenas dispensáveis no cinema pernambucano, tal como a masturbação na lavadoura de roupas em "O Som ao Redor", coube neste, depilar-se gratuitamente na boleia do caminhão).




Por ser uma típica produção brasileira estilo "cult", com mais cenas de efeito do que realmente uma estória bem contada, outro aspecto bem incômodo é o humor "involuntário" que aparece aqui e acolá. Isso acaba diluindo cenas que, por si, seriam muito bonitas. Exemplo? Quando o personagem principal pega uma revista erótica do amigo, ele começa a desenhar roupas cobrindo o corpo das mulheres. Seria uma bela analogia da personalidade dele, não é verdade? Porém, quando ele abre a revista, ela está "colada". Resultado: o cinema vem abaixo de rir de tão constrangedora que a situação é. Sutileza zero.

É, então que, no final, o filme mostra a que veio: exibe uma longa, naturalista e desnecessária cena de sexo, que, por ser feita numa fábrica de tecidos pode até ser, minimamente, interpretada como uma metáfora dos desejos do protagonista. Contudo, depois disso, o que temos é: o término da produção. Nada mais! O filme acaba sem oferecer, nem mesmo, algo em aberto para o espectador, ou algo mais consistente para interpretarmos. Simplesmente, termina. 

Em linhas gerais, "Boi Neon" é filhote de "O Som ao Redor", o pretenso "filme-protesto" de Kléber Mendonça, só que mais modesto. Ambos representam uma boa parcela desse cinema nacional que pensa que está dizendo/fazendo coisas extraordinários, quando está apenas realizando um exercício petulante de auto-contemplação. Felizmente, existem produções recentes, como "Tatuagem" e "Que Horas Ela Volta?", que, involuntariamente, servem como antídoto a tudo isso.




"Boi Neon" não é, senão, um produto vazio. Em termos de estória, ficou parecendo aquelas conversas de bar, onde alguém ouviu falar de algo inusitado, mas não sabe começo nem fim. Com cenas tecnicamente bem feitas, porém, "soltas", o filme testa a nossa paciência. Cairia muito bem num curta-metragem de dez minutos, e olhem lá. O ideal seria que essa pseudo-intelectualidade não contaminasse ainda mais o atual cinema nacional. Mas, a depender da bajulação que esse tipo de produção anda recebendo, preparem-se para mais chatices e sonolências na tela grande.


Nota : 3/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…