Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Mia Madre" (2015)
Direção: Nanni Moretti.


O diretor Moretti já tinha mostrado sua visão particular da perda pela morte no belíssimo "O Quarto do Filho". Agora, ele volta ao tema, com "Mia Madre", só que numa perspectiva diferente. Enquanto que no filme anterior a morte vinha de maneira abrupta e inesperada, causando um choque familiar difícil de assimilar, neste, ela vem mais gradativa (mas, não menos dolorosa). Aqui, vemos Ada, uma senhora que vai tendo seus últimos momentos de vida devido a uma grave doença, e a preparação de seus dois filhos para a chegada desse momento.

Apesar de ser o núcleo central da trama, a morte da senhora não é o único ponto explorado. Sua filha, Margherita, é uma renomada cineasta que está filmando a estória da revolta de operários numa fábrica, em decorrência de demissões em massa. Isso acaba servindo para o roteiro abordar, de forma muito equilibrada, questões sociais e até mesmo o papel do cinema para se entender a realidade atual. Nisso também vemos algumas críticas ao funcionamento dessa indústria de entretenimento, principalmente no que se refere aos bastidores da sétima arte.




Porém, a intenção é mesmo abordar a perda de um ente querido, que sabemos que partirá o mais breve possível. Além de Margherita, conhecemos Giovanni, o outro filho de Ada, e que parece ser o que mais consegue levar a situação com relativa calmaria, apesar dele pedido de dispensa no trabalho que ele pede para poder cuidar da mãe (porém, até nisso ele mantém um certo equilíbrio). Já, Margherita não consegue se conformar com a situação, e alguns pontos mostrados no filme fazem crer que ela não tratava bem a mãe, e agora, tenta remediar isso (mas, sem sucesso).

Em paralelo, ela também se vê às rusgas com o novo ator de seu filme, Barry. Inclusive é por causa desse personagem que podemos fazer o seguinte questionamento: "mas, por que ela aceita um ator tão histérico e cheio de problemas no filme dela?" É aí que temos uma possível crítica à indústria do cinema, onde, muitas vezes, o realizador não tem domínio sobre a sua obra, ficando à mercê de produtores, etc. Outras críticas mais sutis também se fazem presentes, como a exigência do diretor para a interpretação de um ator, entre outros poucos muito bem colocados no enredo.




No filme, também podemos encontrar alguns artifícios que o diretor gosta de usar, como flashbacks do passado, como se os personagens voltassem o pensamento em busca de respostas, muitas vezes, arrependendo-se do que fizeram, e vislumbrando como tudo teria sido diferente caso tivessem tomado outras decisões. As cenas como a que Margherita passa numa fila gigante de cinema, encontrando muitos que fazem parte da sua vida (numa clara metáfora), ou com ela brigando com a mãe por causa de um carro (fica a dúvida se aconteceu tal fato ou não), ilustram bem isso.

Por sinal, chega a ser incrível como Moretti consegue abarcar temas tão díspares quanto a morte, o cinema e até questões sociais com bastante elegância, bom senso e humanismo. Basicamente, nada é aleatório. Nem mesmo as estórias se atropelam, fazendo de tudo um conjunto coeso, que dialoga com o espectador de maneira bem interessante e inusitada para as realizações atuais. Diria quase que é uma gota no oceano no meio de realizações, geralmente, medíocres que vemos por aí.




O próprio Moretti também atua, interpretando de forma competente Giovanni. Margherita Buy empresta à sua personagem (também Marguerita) uma intensidade de alguém que nunca conheceu, de fato, a mãe, devido ao seu estilo frio e metódico, e que enfrenta problemas na profissão de cineasta, igualmente pelo seu temperamento difícil. Giulia Lazzarini, por sua vez, dá a dignidade necessária à Ada, a mãe de Margherita e Giovanni. Talvez, de todos, só John Turturro tenha exagerado um pouco no histrionismo de seu Barry, mesmo isso sendo essencial para a trama.

E, mais uma vez, assim como em "O Quarto do Filho", Nanni Moretti nos oferece um drama tocante, sem ser piegas ou desnecessariamente pesado. Ainda, fala de outros temas de maneira muito lúcida e inteligente, sem nunca deixar de lado sua intenção: fazer algo com respeito ao humano, e seus mais dolorosos sofrimentos. Um tipo de cinema um tanto raro, sim, que não se presta a soluções fáceis, mas, que é muito gratificante de se assistir.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…