Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Mia Madre" (2015)
Direção: Nanni Moretti.


O diretor Moretti já tinha mostrado sua visão particular da perda pela morte no belíssimo "O Quarto do Filho". Agora, ele volta ao tema, com "Mia Madre", só que numa perspectiva diferente. Enquanto que no filme anterior a morte vinha de maneira abrupta e inesperada, causando um choque familiar difícil de assimilar, neste, ela vem mais gradativa (mas, não menos dolorosa). Aqui, vemos Ada, uma senhora que vai tendo seus últimos momentos de vida devido a uma grave doença, e a preparação de seus dois filhos para a chegada desse momento.

Apesar de ser o núcleo central da trama, a morte da senhora não é o único ponto explorado. Sua filha, Margherita, é uma renomada cineasta que está filmando a estória da revolta de operários numa fábrica, em decorrência de demissões em massa. Isso acaba servindo para o roteiro abordar, de forma muito equilibrada, questões sociais e até mesmo o papel do cinema para se entender a realidade atual. Nisso também vemos algumas críticas ao funcionamento dessa indústria de entretenimento, principalmente no que se refere aos bastidores da sétima arte.




Porém, a intenção é mesmo abordar a perda de um ente querido, que sabemos que partirá o mais breve possível. Além de Margherita, conhecemos Giovanni, o outro filho de Ada, e que parece ser o que mais consegue levar a situação com relativa calmaria, apesar dele pedido de dispensa no trabalho que ele pede para poder cuidar da mãe (porém, até nisso ele mantém um certo equilíbrio). Já, Margherita não consegue se conformar com a situação, e alguns pontos mostrados no filme fazem crer que ela não tratava bem a mãe, e agora, tenta remediar isso (mas, sem sucesso).

Em paralelo, ela também se vê às rusgas com o novo ator de seu filme, Barry. Inclusive é por causa desse personagem que podemos fazer o seguinte questionamento: "mas, por que ela aceita um ator tão histérico e cheio de problemas no filme dela?" É aí que temos uma possível crítica à indústria do cinema, onde, muitas vezes, o realizador não tem domínio sobre a sua obra, ficando à mercê de produtores, etc. Outras críticas mais sutis também se fazem presentes, como a exigência do diretor para a interpretação de um ator, entre outros poucos muito bem colocados no enredo.




No filme, também podemos encontrar alguns artifícios que o diretor gosta de usar, como flashbacks do passado, como se os personagens voltassem o pensamento em busca de respostas, muitas vezes, arrependendo-se do que fizeram, e vislumbrando como tudo teria sido diferente caso tivessem tomado outras decisões. As cenas como a que Margherita passa numa fila gigante de cinema, encontrando muitos que fazem parte da sua vida (numa clara metáfora), ou com ela brigando com a mãe por causa de um carro (fica a dúvida se aconteceu tal fato ou não), ilustram bem isso.

Por sinal, chega a ser incrível como Moretti consegue abarcar temas tão díspares quanto a morte, o cinema e até questões sociais com bastante elegância, bom senso e humanismo. Basicamente, nada é aleatório. Nem mesmo as estórias se atropelam, fazendo de tudo um conjunto coeso, que dialoga com o espectador de maneira bem interessante e inusitada para as realizações atuais. Diria quase que é uma gota no oceano no meio de realizações, geralmente, medíocres que vemos por aí.




O próprio Moretti também atua, interpretando de forma competente Giovanni. Margherita Buy empresta à sua personagem (também Marguerita) uma intensidade de alguém que nunca conheceu, de fato, a mãe, devido ao seu estilo frio e metódico, e que enfrenta problemas na profissão de cineasta, igualmente pelo seu temperamento difícil. Giulia Lazzarini, por sua vez, dá a dignidade necessária à Ada, a mãe de Margherita e Giovanni. Talvez, de todos, só John Turturro tenha exagerado um pouco no histrionismo de seu Barry, mesmo isso sendo essencial para a trama.

E, mais uma vez, assim como em "O Quarto do Filho", Nanni Moretti nos oferece um drama tocante, sem ser piegas ou desnecessariamente pesado. Ainda, fala de outros temas de maneira muito lúcida e inteligente, sem nunca deixar de lado sua intenção: fazer algo com respeito ao humano, e seus mais dolorosos sofrimentos. Um tipo de cinema um tanto raro, sim, que não se presta a soluções fáceis, mas, que é muito gratificante de se assistir.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…