Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

O GRANDE ERRO DE DILMA


A política é uma arte, já dizia o filósofo. E, como toda arte, ela também possui os seus gracejos, as suas particularidades e exige um certo grau de "esperteza". Infelizmente, é assim que a política brasileira funciona, não tem jeito. Tendo nós, o povo, o eleitor médio, como cúmplices de tudo o que não presta nesse meio. Não raro, achamos normal, ou até "necessário", que certas atitudes sejam tomadas em nome do que se acostumou chamar de "governabilidade". Em suma, para um representante público exercer seu cargo, precisa vender sua alma para Deus e para o Diabo em doses iguais. E, talvez tenha sido esse o maior erro de Dilma no cargo de presidente.

Ela, simplesmente, não soube como lidar com alianças que, como todos sabem, são fadadas ao fracasso, pois cobram um preço muito alto. Desde a gestão extremamente corrupta de Sarney, no final dos anos 80, pós-redemocratização, já mostrava, claramente, que um determinado partido, o PMDB, era quem mandava direta ou indiretamente na tal "governabilidade". Sejam nos cargos de vice-presidentes, ou na Câmara de Deputados e no Senado, a legenda sempre teve como característica usar de chantagem para conseguir seus interesses. E, ao lado do antigo PFL (hoje, DEM) e do PSDB, configura-se como um dos partidos mais corruptos do atual cenário político (pra não dizer, o maior).



O verdadeiro vacilo de Dilma foi, impulsionada pelos manda-chuvas petistas, ter achado que poderia fazer alianças escusas com o PMDB, e ao mesmo tempo, termos uma mega-investigação (a Operação Lava-Jato) que acabou encontrando casos de corrupção envolvendo não somente a oposição em massa, mas, também o próprio PMDB. Obviamente, que o partido de notórios facínoras como Eduardo Cunha, Michel Temer e Renan Calheiros não iria deixar barato. A partir do momento em que as investigações avançaram, mostrando que todos (repito: TODOS) estavam implicados, Cunha aceita o pedido de impeachment de Dilma. Coincidência, não?

O inúmeros erros de gestão de Dilma, se configuram mesmo um impedimento ao seu cargo, então, que isso não se aplicou em presidentes anteriores, foi estranho. Tomemos como exemplo as chamadas pedaladas fiscais. Elas foram executadas amplamente por Lula e FHC (este, realizando nada menos que 1000 pedaladas fiscais somente no ano de 2001). E, se formos levar em consideração tal artifício dos governos, atualmente, 16 governadores estaduais deveriam sofrer impeachment, incluindo um dos ícones do PSDB, Geraldo Alckmin, que hoje governa o estado de São Paulo. Portanto, seria mesmo o processo de impeachment, que provavelmente se encerrará próximo domingo, dia 17, um combate à corrupção, ou seria um articulado "cala-boca" nas investigações?



Para o nosso azar, creio que a segunda opção é a que melhor representa os interesses de quem está à frente desse processo. Está claro como água que, caso Dilma saia no próximos dias, a Operação Lava-Jato não dura mais do que dois meses, sem praticamente ninguém punido. É esse o clima, inclusive, das manifestações de rua pró-impeachment, que, tirando raríssimas exceções, apenas se apoia na ideia de que após a saída do PT do governo tudo melhora. Nesse intervalo de muito analfabetismo político e reações extremadas de partidários de ambos os lados, coisas realmente relevantes não são discutidas, como, por exemplo, a importantíssima Reforma Política, essa sim, uma verdadeira arma de combate à corrupção.

Mas, como dito no início deste texto, Dilma acho que poderia governar ao lado do Diabo, e, ao mesmo tempo, dar aval ao padre para excomungá-lo. Resultado: nem Céu, nem Inferno; apenas um purgatório, onde a hipocrisia dos ataques a ela reina absoluto. Enquanto isso, esperemos o resultado do próximo domingo, que, independente do resultado, e a julgar pela crítica seletiva que tomou conta de todo e qualquer debate, nós, como cidadãos, já perdemos. A autêntica corrupção, de quem agora comanda esse mal-fadado impeachment, agradece.


Erick Silva
11/04/2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…