Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"What Happened, Miss Simone?" (2015)
Direção: Liz Garbus.


É muito comum julgar de forma rasa e fácil todo e qualquer artista. Até por serem figuras públicas, eles expõem o que de melhor (e de pior) a sociedade possui. E, devido a isso, pagam, geralmente, um alto preço. Interessante notar, pois, que os mais recentes documentários sobre artistas, especificamente, os musicais, conseguiram dar isenção sobre as figuras retratadas, cabendo ao espectador de que forma julgar. Foi assim com as produções sobre Kurt Cobain e Amy Winehouse. E, é assim também com este documentário sobre Nina Simone.

Produzido pela Netflix, ele resgata um monte de imagens primorosas da carreira da cantora. Pouco ele fala sobre a sua infância, por sinal, mas o que diz é importante para entendermos como se formou a personalidade dela. Prodígio no piano desde pequena, Nina sempre foi destaque por onde passava. Só que ela parecia não se encaixar nem no mundo dos negros (que a colocavam para animar festas), nem no mundo dos brancos (onde teve algumas aulas para aprimorar suas arte). Em suma, foi um período de grande solidão pra ela, culminando com a rejeição numa conceituada escola de música por motivos racistas.




Acompanhamos, então, a dura vida que teve tocando e cantando em bares até ser "descoberta", e começar uma carreira de muitos sucesso, sem dúvida. Em determinado momento, Nina Simone era considerada a sacerdotisa do soul e do jazz, tamanho o seu prestígio. Ponto fundamental em sua vida (e do documentário) foi o relacionamento com Andy Stroud, com quem teve uma filha, Lisa, e que passou a ser o seu empresário. O documentário, mesmo sendo imparcial, não esconde o lado violento de Andy, com depoimentos da própria Simone de como era espancada constantemente pelo marido.

E, como já foi dito, é aí que reside um dos melhores aspectos da produção. Quem faz o julgamento das situações somos nós. Alguns, podem, simplesmente, culpar Nina por não ter se separado logo nos primeiros casos de violência, dando a entender que ela "precisava" disso, como que apara se punir de algo. Outros, no entanto, podem classificar isso como mais um caso de violência doméstica, onde o marido violento deveria ter sido denunciado e punido, mas, não foi. Note-se que nas entrevistas atuais que o documentário fez, todos demonstram um certo temor (medo?) de Andy, que ainda se encontra vivo.



Só que um dos momentos mais formidáveis de "What Happened, Miss Simone?" é quando ela começa o seu engajamento político. E, uma das partes mais polêmicas, também. Afinal, Nina, claramente, tinha muita raiva reprimida de todas as injustiças que passou e presenciou. Por isso, quando se envolveu na luta por direitos raciais nos EUA, não media concessões em afirmar que a violência era necessária para lutar pelos direitos civis, sim. Suas músicas passaram a ser mais diretas e críticas, e, óbvio, isso atrapalhou sua carreira comercial.

O documentário mescla muito bem a arte e a vida de Nina Simone com o período histórico que viveu. Não seria diferente, visto que, num de seus depoimentos, ela afirma que "uma artista de verdade se engaja com as causas de seu tempo". Esse furor, no entanto, sofre um duro golpe com o assassinato de Martin Luther King, um grande abalo para Nina. A partir disso, vemos ela mais deprimida, resolvendo se separar do marido e indo morar na África. Segundo a própria, a estadia no continente foi o melhor momento de sua vida.




E nisso, vamos acompanhando muitos altos e baixos a partir dessa viagem à África, onde ela chegou a passar necessidades na Suíça, mas, ergueu sua carreira em festivais no qual se apresentou. Porém, cada vez mais debilitada (descobriu-se, entre outras coisas, que ela sofria de transtorno bipolar), ela vai demonstrando um cansaço da própria vida, mesmo estando, aparentemente, mais tranquila. Pode-se dizer até que ela foi sendo "podada" por medicamentos até seu falecimento, que se deu em 2003. Vale frisar que, dois dias antes de sua morte, ela recebeu o certificado da escola de música que a havia sido  rejeitado vários anos antes.

"What Happened, Miss Simone?" é mais uma dessas produções de alto nível que estão conseguindo humanizar os artistas que retratam, sem fazerem julgamentos equivocados sobre a vida pessoal deles. Percebemos, ao final, que Nina Simone tinha muita força e uma grande vontade de ser feliz. Apenas, e tão somente isso. Como qualquer um de nós. Como qualquer um que erra e acerta em proporções iguais. Como qualquer um que exige seu respeito como ser humano. E, é isso o que a fez uma grande artista.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…