Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Vídeo de Benny" (1992)
Direção: Michael Haneke.


Falar sobre a influência da violência na mídia para as pessoas, em especial, entre os jovens, já gerou filmes muitos bons (e, polêmicos, diga-se de passagem), que apresentaram diversas abordagens. Desde o frenético "Assassinos por Natureza" ao introspectivo "Assassino(s)", todos tinham um ponto em comum: a perda do valor da vida humana e a banalização da brutalidade. A desumanização, enfim. Então, imaginem o que Haneke, um cineasta reconhecido por não fazer concessões, faria com um tema desses. O resultado é este "O Vídeo de Benny".

Trata-se do segundo filme da chamada "trilogia da incomunicabilidade" que Haneke fez há alguns anos, e é esse mesmo o mote que vamos encontrar ao longo do filme: a dificuldade de comunicação entre os personagens. Benny é um jovem que tem um pequeno estúdio em seu quarto, e é muito mimado pelos pais. No entanto, simplesmente não consegue conversar com eles. Nem com seus amigos. Suas falas são soltas, sem profundidade, nunca expondo o que pensa. Sua válvula de escape são os vídeos que vê em seu quarto, na maioria, com bastante violência, como uma gravação caseira onde um porco é morto de maneira brutal.




A vida de Benny não existe se não em função dos vídeos que assiste. Sua existência não passa de uma ficção e suas emoções se tornaram estéreis. Pra ele, não faz diferença ver um porco sendo morto, ou o linchamento de imigrantes num determinado país. Tudo não passam de imagens soltas, que ele, simplesmente, não absorve. Os pais contribuem bastante para esse comportamento sendo completamente omissos. Pouco ou nada se interessam pelas coisas do filho, são monossilábicos com ele e, igualmente, não demonstram nenhuma emoção.

Porém, um fato inusitado (e, terrível) ocorre, mas, mesmo assim a rotina de Benny pouco ou nada é abalada. Após esse ocorrido, ele se comporta da forma mais tranquila possível, e o que é mais chocante na história é que os pais também. Depois que sabem da tragédia, colocam todos os assuntos em pauta, como o futuro e a imagem social de Benny, menos o que é mais importante. É como se a insensibilidade fosse algo generalizado na família, onde a vida humana, assim como nos vídeos que Benny vê, é o que menos interessa.




O filme incomoda, justamente, por isso: forçar uma naturalidade diante de algo horrendo. Nesse sentido, a produção tece uma bem-vinda crítica social, não culpando somente os meios de comunicação por influenciarem atitudes violentas, mas também as pessoas responsáveis pela criação dos jovens, sejam pais, professores, enfim. O único problema do longa é o velho tique de Haneke em se prolongar demais cenas onde a economia se faz necessária. Certas falas e situações acabam se arrastando em demasia, fazendo o filme perder ritmo muito facilmente.

Conta a favor atuações muito boas de todo o elenco. Por sinal, o ator que interpreta Benny, Arno Frisch, voltaria a trabalhar com Haneke cinco anos depois, na primeira versão do também polêmico "Funny Games". Na narrativa, o cineasta impõe imagens muito significativas, como os closes das fitas que Benny aluga, e do lanche que ele sempre faz, regado a muito MacDonald's. Em outros momentos, também é interessante o uso das câmeras do próprio quarto do garoto, que gravam suas ações, como se, de fato, ele visse sua vida como um mero vídeo, uma ficção da TV.




Errando em alguns pontos, mas, acertando em tantos outros, "O Vídeo de Benny" cumpre bem o seu papel de questionar coisas como a banalidade da violência nos meios de comunicação e a negligência na educação que estamos dando atualmente a nossas crianças e jovens. Às vezes, incômodo, porém, necessário para o que vivemos atualmente. Um dos trabalhos mais interessantes de Haneke.


Nota: 8/10.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…