Pular para o conteúdo principal
Dica de Livro

"Satã em Gorai"
Autor: Isaac Bashives Singer
Ano de lançamento: 1933.


"Mas, agora maus dias sobrevieram a Gorai. Seus melhores cidadãos eram trucidados. A maior parte dos homens que sobreviveram eram jovens. Embora a terra estivesse em paz, o medo de novas tribulações nunca abandonava os judeus. Pior do que tudo, nessa época em que a unidade era mais necessária, cada homem seguia seu próprio caminho, não querendo mais dividir a responsabilidade geral. Muitas vezes, Rabi Benisch convocou uma reunião, só para ver os cidadãos cochilarem ou ficarem a bocejar de olhos fixos nas paredes. Eles concordavam com tudo e não executavam nada."

As tradições que nos são ensinadas ainda na infância nos perseguem para o resto da vida. Mesmo que lutemos contra, buscando novos horizontes, novas ideias, algo desse período fica enraizado na alma, e influencia de alguma maneira nossas ações. O escritor Bashives Singer parecia viver atormentado pela tradição judaica à qual fora criado. Isso se reflete muito bem em sua obra. Em especial, na sua estreia na literatura, com "Satã em Gorai".


Tudo no livro respira, assombrosamente, a alguma tradução do Judaísmo, e isso implica dizer que demônios (literais ou não) vão surgir no enredo, muitas vezes, de maneira brutal. Bom recordar que este livro foi lançado no período entre Guerras, ou seja, a própria instabilidade dos judeus na Europa Ocidental (Bashives era polonês) começava a ficar ameaçada, culminando, alguns anos depois, com o terror do Holocausto.

Mas, a guerra que lemos em "Satã em Gorai" é mais interna e espiritual, aonde uma população inteira de uma cidade vive, respira e morre por sua tradição religiosa. Trata-se da Gorai do título, e o período histórico data de 1648, que judeus foram quase que exterminados na Polônia pelos cossacos. Depois do horror, a pequena Gorai começa a se reerguer, ao mesmo tempo em que os males de uma sociedade fechada vão aparecendo.


Nesse contexto, surge o fanatismo religioso, impulsionado pela vinda de um suposto messias que arrebataria o povo judeu. E, a figura messiânica vem na forma de um suposto guerreiro, chamado Shabtai Levy, que, a cada vez que é contada uma história sobre ele, é sempre algo fascinante, sobre-humano, um semi-deus montado num leão, e arrasando cidades pecadoras. Numa cidade carente de ídolos e símbolos como Gorai, a figura de Shabtai cai como uma luva.

Sucedem-se inúmeros acontecimentos, alguns, realmente fascinantes, outros forçados na interpretação, só para corroborar a autenticidade desse "salvador". Entram na história personagens muito fortes, como Rochale, filha da família mais rica de Gorai, e que será ponto fundamental para os estranhos acontecimentos sobrenaturais que se abaterão sobre a cidade, e Itsche Mates, devoto de Shabtai, e que também será o pivô do próximo inferno que Gorai ainda irá passar.


O Demônio do título tanto pode ser entendido como uma metáfora para os medos mais ocultos de uma sociedade, fazendo com que ela comete as piores atrocidades, ou, simplesmente, como uma força, de fato, espiritual, que atormentará os moradores da cidade para que eles exponham o que de pior suas almas possuem. E, é aí que o livro ganham intensidade. Como o arrebatamento do salvador não vem, muitos moradores de Gorai, cometem os mais horrendos pecados para forçar a vinda do Juízo Final. Também é uma fortíssima referência à podridão da sociedade nos dias atuais.

Por ter sido o primeiro de diversas grandes obras do autor, "Satã em Gorai" é considerado um "livro menor" de Bashives Singer. Mas, entendam esse menor como uma comparação à outros escritos dele, que, de fato, são maravilhosos. Porém, nem de longe, este livro é ruim, sequer, mediano. O texto de Bshives é simples, porém, embutido de uma complexidade a respeito do humano e suas deficiências, que, por vezes, o livro se assemelha a algo mais voltado para o terror, principalmente, o psicológico. É, acima de tudo, um forte estudo sobre como a fé de um povo caminha junto com os seus terríveis defeitos. Acima de tudo, atualíssimo.


Nota: 8,5/10.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…