Pular para o conteúdo principal
Dica de Livro

"Satã em Gorai"
Autor: Isaac Bashives Singer
Ano de lançamento: 1933.


"Mas, agora maus dias sobrevieram a Gorai. Seus melhores cidadãos eram trucidados. A maior parte dos homens que sobreviveram eram jovens. Embora a terra estivesse em paz, o medo de novas tribulações nunca abandonava os judeus. Pior do que tudo, nessa época em que a unidade era mais necessária, cada homem seguia seu próprio caminho, não querendo mais dividir a responsabilidade geral. Muitas vezes, Rabi Benisch convocou uma reunião, só para ver os cidadãos cochilarem ou ficarem a bocejar de olhos fixos nas paredes. Eles concordavam com tudo e não executavam nada."

As tradições que nos são ensinadas ainda na infância nos perseguem para o resto da vida. Mesmo que lutemos contra, buscando novos horizontes, novas ideias, algo desse período fica enraizado na alma, e influencia de alguma maneira nossas ações. O escritor Bashives Singer parecia viver atormentado pela tradição judaica à qual fora criado. Isso se reflete muito bem em sua obra. Em especial, na sua estreia na literatura, com "Satã em Gorai".


Tudo no livro respira, assombrosamente, a alguma tradução do Judaísmo, e isso implica dizer que demônios (literais ou não) vão surgir no enredo, muitas vezes, de maneira brutal. Bom recordar que este livro foi lançado no período entre Guerras, ou seja, a própria instabilidade dos judeus na Europa Ocidental (Bashives era polonês) começava a ficar ameaçada, culminando, alguns anos depois, com o terror do Holocausto.

Mas, a guerra que lemos em "Satã em Gorai" é mais interna e espiritual, aonde uma população inteira de uma cidade vive, respira e morre por sua tradição religiosa. Trata-se da Gorai do título, e o período histórico data de 1648, que judeus foram quase que exterminados na Polônia pelos cossacos. Depois do horror, a pequena Gorai começa a se reerguer, ao mesmo tempo em que os males de uma sociedade fechada vão aparecendo.


Nesse contexto, surge o fanatismo religioso, impulsionado pela vinda de um suposto messias que arrebataria o povo judeu. E, a figura messiânica vem na forma de um suposto guerreiro, chamado Shabtai Levy, que, a cada vez que é contada uma história sobre ele, é sempre algo fascinante, sobre-humano, um semi-deus montado num leão, e arrasando cidades pecadoras. Numa cidade carente de ídolos e símbolos como Gorai, a figura de Shabtai cai como uma luva.

Sucedem-se inúmeros acontecimentos, alguns, realmente fascinantes, outros forçados na interpretação, só para corroborar a autenticidade desse "salvador". Entram na história personagens muito fortes, como Rochale, filha da família mais rica de Gorai, e que será ponto fundamental para os estranhos acontecimentos sobrenaturais que se abaterão sobre a cidade, e Itsche Mates, devoto de Shabtai, e que também será o pivô do próximo inferno que Gorai ainda irá passar.


O Demônio do título tanto pode ser entendido como uma metáfora para os medos mais ocultos de uma sociedade, fazendo com que ela comete as piores atrocidades, ou, simplesmente, como uma força, de fato, espiritual, que atormentará os moradores da cidade para que eles exponham o que de pior suas almas possuem. E, é aí que o livro ganham intensidade. Como o arrebatamento do salvador não vem, muitos moradores de Gorai, cometem os mais horrendos pecados para forçar a vinda do Juízo Final. Também é uma fortíssima referência à podridão da sociedade nos dias atuais.

Por ter sido o primeiro de diversas grandes obras do autor, "Satã em Gorai" é considerado um "livro menor" de Bashives Singer. Mas, entendam esse menor como uma comparação à outros escritos dele, que, de fato, são maravilhosos. Porém, nem de longe, este livro é ruim, sequer, mediano. O texto de Bshives é simples, porém, embutido de uma complexidade a respeito do humano e suas deficiências, que, por vezes, o livro se assemelha a algo mais voltado para o terror, principalmente, o psicológico. É, acima de tudo, um forte estudo sobre como a fé de um povo caminha junto com os seus terríveis defeitos. Acima de tudo, atualíssimo.


Nota: 8,5/10.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…