Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Get Born" (2003)
Artista: Jet.


No "mundo encantado" do showbizz, não são raros os casos de bandas que vem e vão sem mostrar a que vieram, e do qual não se sente a mínima falta. O caso do grupo australiano Jet é peculiar. Hoje em dia, não se fala mais dele, mas, quando lançou seu primeiro disco, este "Get Born", foi um sopro de vitalidade no rock daquela época, e até os dias atuais, ainda pode ser considerado um dos melhores trabalhos do gênero nos últimos 15 anos. Os motivos que fizeram a banda estar no ostracismo, tendo encerrado suas atividades em 2012, são muitos, o que é uma pena, pois este disco demonstrou que eles tinham um ótimo potencial.

E, o que faz de "Get Born" um trabalho tão bom é justamente que ele é descomplicado. Nada revolucionário, nada de novo, nada de experiências desnecessárias. Apenas baixo, bateria e guitarra a serviço de músicas que grudam nos ouvidos já na primeira audição, mas, que nem assim, são composições de gosto duvidoso, sendo tudo muito bem tocado, e com aquela urgência típica dos melhores álbuns de rock.



As referências da banda já começam na primeira faixa, a ótima (e, rápida) "Let's Dance", cujos acordes iniciais nos lembram o AC/DC fase Bon Scott. Com uma influências dessas, não poderia dar errado: este é um grande cartão de visitas. Mas, não para por aí. A seguinte, "Are You Gonna Be My Girl", é fabulosa; dançante e pesada na medida certa. Não tem como não cantarolar a canção logo de cara. Pra fechar essa trinca irretocável, temos outra canção primorosa do rock'n roll mais simples possível: "Rollover Dj". Não mé preciso dizer que as três ficam excelentes ao vivo, ideais para fecharem qualquer show.

Depois de tanta energia, vem a genuinamente bonita "Look What You've Done", uma balada nem um pouco enjoativa. Os acordes "à lá AC/DC" voltam com tudo na ótima "Get What You Need", que, assim como as anteriores, mostra um padrão de qualidade acima da média no que é feito no rock, em geral. "Move On" é mais uma balada NÃO descartável, e que nos remete ao bom britpop dos anos 90, em especial, do Supergrass. As linhas de guitarra e gaita, que dão um tom meio "Beatles" à canção, deixam tudo com um charme ainda maior.




Um charme que também encontramos na boa "Radio Song" (essa, TOTALMENTE Beatles), e mesmo não tendo o padrão de qualidade das músicas escutadas até aqui, não faz feio. A agitada "Get Me Outta Here" volta com o barulho necessário uma banda como o Jet, mas, também não é das melhores coisas do disco, apesar de, assim como "Radio Song", ser um boa composição. A coisa volta a surpreender com "Cold Hard Bitch", que, mais uma vez, traz o AC/DC como base, só que com uma identidade mais própria, principalmente, pelo tom do bom vocalista Nic Cester.

"Come Around Again" pode ser considerada, incrivelmente, a balada dispensável do disco.  Bem tocada, não acrescenta nada além do que já ouvimos no decorrer de "Get Born", ao contrário de "Take It OrLeave It", que começa de um jeito um pouco Rolling Stones, para explodir num rock anos 60 pra ninguém botar defeito (só que bem mais pesado, diga-se). Vai na mesma direção a estupenda "Lazy Gun", que chega a recordar os bons momentos do glam rock, tipo T-Rex e Marc Bolan. "Thimoty" é uma balada mais minimalista que as demais do disco, e por isso mesmo, destaca-se. E, por fim, o disco termina com a ótima "Sgt. Major", praticamente, uma compilação de tudo o que escutamos até aqui, com vários elementos interessantes, tornado essa uma música única, e digna de fechar um trabalho como esse.


"Get Born" não salvou o rock. E, o Jet já nem existe mais. Porém, nesse mundo fútil do entretenimento de fácil assimilação, que canibaliza suas próprias crias com voracidade incrível, a estreia do Jet foi um sopro de vitalidade no rock, resgatando artistas e épocas que fizeram o estilo ser o que é. Provas mais do que suficientes para considerar "Get Born" um discaço de rock, sem concessões. 

Link para o download do disco:


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…