Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Nó na Garganta" (1997)
Direção: Neil Jordan.


O cinema é o tipo de arte que pode proporcionar os mais diversos sentimentos, e e´aí que está a sua beleza. Um pesado drama pode fazer rir, do mesmo jeito que uma comédia pastelão pode ter momentos extremamente tristes. Mesmo assim, em geral, os filmes possuem uma certa normalidade, ou até mesmo um carisma, que faça com que o espectador se identifique, de alguma maneira com os personagens, ou a história, em si. No caso de "Nó na Garganta", ele quebra muito desses paradigmas ao apresentar uma narrativa inusitada, com personagens de identificação quase nula, e apesar disso, consegue ser fascinante.

Não que a história não seja boa (ao contrário). É que ela, a cada minuto, provoca, inquieta, perturba, toma novos rumos e deixa quem assiste desconcertado. Em linhas gerais, poderíamos dizer que se trata das desventuras de Francie Brady, um típico garoto que vive no interior da Irlanda. Tem em Joe um grande parceiro e amigo, talvez, o único que terá em toda a sua vida, e é com ele que Francie divide suas opiniões e seus problemas pessoais (tudo pela ótica de uma criança, claro). Para completar, os pais do garoto possuem seus próprios desajustes: a mãe é depressiva e o pai, alcoólatra. Diante de tudo isso, Francie só tem uma saída: a sua incrível imaginação.




Sé que essa imaginação inclui, acima de tudo, uma enorme inadequação à sociedade em que vive. As senhoras que frequentam o mercado onde Francie faz compras sempre o tratam como uma "figura" ou como um mero "coitadinho", não fazendo o mínimo de esforço para compreendê-lo. Ainda há na cidade a Sra. Nugent e seu filho almofadinha, que vivem estigmatizando Francie e seus pais como a escória da cidade, e por quem o garoto para a nutrir cada vez mais desavenças e um ódio interno que, uma hora, pode explodir.

Falando em explosões, o roteiro ainda arruma tempo para falar de assuntos delicados como a guerra, só que de maneira bem peculiar. Estamos nos anos 60, e o perigo comunista ronda o "mundo civilizado". As pessoas da cidade só sabem de algo através das notícias de rádio, que são distorcidas, colocando os comunistas como autênticos monstros. No decorrer do tempo, o único que passa a contestar essa visão maniqueísta é Francie, claro. Por sinal, é especialmente fantástica a analogia que a narrativa faz disso com filmes de alienígenas da época, que tinha uma implícita mensagem anti-comunista.




Sim, mas, não para por aí. Além de falar das relações de amizade, da inadequação social, da guerra e de conflitos familiares, ainda há um espaço considerável na trama para se abordar a religião, mais precisamente o fanatismo religioso. Um fanatismo que permite que tenhamos tanto padres com desvio de caráter, quanto uma população inteira que preza pela hipocrisia, que se mostra "santa" ante a possibilidade da "vinda" de Nossa Senhora durante festejos do local. E, tal hipocrisia, evidentemente, é contestada mais uma vez por Francie.

Na realidade, a história de "Nó na Garganta" parece mais vários filmes em um só; e nenhum se atropela. Todos esses temas difíceis são abordados de um jeito envolvente e interessante, sem nunca cansar o espectador. Bom lembrar que direção e roteiro são do irlandês Neil Jordan, o mesmo que fez "Entrevista com o Vampiro", e que aqui faz, sem dúvida, o seu melhor trabalho. Isso porque o que temos é uma produção que, mesmo baseada num livro (escrito por Patrick McCabe), consegue ser autoral o bastante para tornar a obra algo único.





Além da direção, "Nó na Garganta" tem outros ótimos predicados. Mesmo os personagens não tendo um pingo de carisma (aonde até o protagonista é capaz de coisas terríveis), o elenco se sai muito bem, entregando personagens livres de qualquer julgamento moral simplório. É a vida exposta, principalmente, no que ela tem de pior. Alguns poucos e bem colocados efeitos especiais deixam tudo ainda mais inusitado aos olhos (vide a explosão do lago e a destruição da cidade). E, tudo é embalado por uma trilha sonora de época muito bem sacada.

Inclassificável, diferente ou apenas muito estranho? Sim, e mais um pouco. Este é aquele tipo de filme que não cabe em adjetivos fáceis. Não mesmo. Seu início, com dois meninos, aparentemente, inocentes, brincando de índios, é enganoso. No decorrer da produção, o espectador vai presenciar um emaranhado de acontecimentos, mensagens, significados e cenas fortes. Sem dúvida, não é um filme de simples digestão. Mas, também, não pode ser considerado ruim, mesmo pra quem queira classificá-lo assim. Certo mesmo é que ninguém sai indiferente ao assistí-lo.


Nota: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…