Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Watchmen - O Filme" (2009)
Direção: Zack Snyder.


No cinema, existe algo chamado "fio narrativo". Pode parecer óbvio, mas, para que uma história seja bem contada é preciso que quem esteja narrando tenha fluidez ao contar os fatos. Pode até parecer simples, porém, não é. E, "Watchmen - O Filme" expõe bem esse defeito, que não apenas se tornou recorrente no cinemão hollywoodiano, mas também no próprio trabalho do cineasta Zack Snyder. Talvez, os melhores filmes do diretor sejam seus dois primeiros ("Madrugada do Mortos" e "300"), justamente porque eram produções cujas histórias eram naturalmente "fakes", mais cheias de pose do que de conteúdo. "Watchmen" nos quadrinhos, ao contrário, possui uma incrível história para contar, cheia de significados.

A questão é que Snyder, entra ano e sai ano, vem se mostrando um bom "arquiteto" de imagens, mas, que se embrulha tiodo quando o assunto é narrativa. Sua obsessão quase anormal em filmar ipsis literis uma obra como "Watchmen" demonstra bem isso. Nos dez primeiros minutos deste filme, temo um longo videoclipe, regado à música de Bob Dylan, que se propõe a contar a vida vida (e tragédia) de vários heróis, que outrora eram gente querida pelo povo, mas, que caíram um desgraça por motivos, muitas vezes, banais. O problema é que a sequência é exageradamente grandiloquente, com uma irritante câmera lenta, aonde os personagens parecem que estão fazendo pose pra foto o tempo todo. Não há espontaneidade, não há carisma, não há identificação. Cansa fácil.




Só que essa maneira de filmar vai permear as mais de três horas do filme, e ao final, o espectador irá perceber que, se tivesse evitado exageros, o longa poderia ter, o máximo, duas horas (e, olhem lá).Sim, compreendemos que os heróis da história, que antes eram louvados, hoje, estão decadentes. E, que é a partir da morte de um deles, o Comediante, que uma série de eventos vai tornar a vida dos mascarados cada vez mais complicada, visto que o mundo é outro (aqui, estamos no auge da Guerra Fria), e a própria concepção de super-heróis está ficando mais cínica e obsoleta.

Nisso, conhecemos alguns que abandonaram sua carreira de heroísmo, como o Coruja e a Espectral, e outros que passaram a trabalhar para o governo, como o próprio Comediante e o Dr. Manhattan. Em paralelo, temos Adrian Veidt, que era o herói Ozymandias, e que antes de ser implementada uma lei que proibia a atividade dos mascarados, resolveu revelar sua identidade secreta parta o mundo, e assim, construir um grande império econômico. É justamente no funeral do Comediante que as coisas se complicam, pois um herói renegado, Rorschach, resolve investigar por conta própria o que está por trás do assassinato.




Só que pra chegar em todas essas questões, há uma demora considerável. A preocupação parece ser tudo, menos a história em si. Ao contrário, somos bombardeados por imagens contemplativas que misturam frases de efeito e ação desenfreada. Pelo menos, a primeira metade do filme ´pe SÓ isso, e pouco se salva, como algumas frases soltas de Adrian Veidt ou do Dr. Manhattan, que dão o cerne de como a sociedade está imersa da violência. Mas, pelo menos, temos, nesses primeiros momentos, uma sequência bem elaborada, que é quando, por flashbacks, vemos o Comediante e o Coruja dispersando uma manifestação de civis contra os super-heróis. O Comediante usa de extrema violência, e indagado pelo Coruja aonde foi parar o sonho americano, ele diz: "O sonho americano virou realidade."

É então que vemos as possibilidades desperdiçadas no roteiro, sobre algo que poderia soar mais provocativo, mais ousado, mais interessante, acaba sendo, na maioria das vezes, algo vazio, sem alma, sem ritmo. Talvez, como diferencial, alguns até estranhem as várias cenas de sexo e bastante violência gráfica que a produção possui, algo realmente incomum para filmes de super-heróis. Mas, são coisas, geralmente, mostradas fora de contexto, ou que nada acrescentam à trama. Trama, essa, inclusive, que vai aos trancos e barrancos até perto do final, quando, finalmente, o filme, atinge um grau superior de qualidade. Quando alguns segredos são revelados, e vislumbramos um andamento incomum, que não envolve a velha dicotomia bem x mal, aí temos que dar o braço a torcer. Nesses poucos minutos, o filme realmente se mostra acima da média, e empolga. Mas, até chegar aqui, muita coisa foi desperdiçada.




Tecnicamente, o filme é competente, mas, são tantos efeitos especiais deslocados, que até fazem parecer que os realizados estavam mais preocupados com as imagens que iriam estampar as publicações de entretenimento mundo afora do que qualquer outra coisa. Do mesmo jeito, a trilha sonora tem gente acima de qualquer suspeita, como Bob Dylan e Jimi Hendrix, porém, mais uma vez, tudo desperdiçado em nome de mostrar algo que se assemelha mais a um videoclipe do que um filme pra cinema. Já, as atuações, essas, pelo menos, são boas. Patrick Wilson consegue passar o sentimento de relutância de um Coruja em voltar aos velhos tempos, enquanto Billy Crupud e Matthew Doode fazem de Dr. Manhattan e Ozymandias, respectivamente, personagens cerebrais, levantando algumas questões filosóficas realmente pertinentes. O restante do elenco também está muito à vontade, o que salva a produção em muitos aspectos.

Sabem aquela máxima: menos é mais? Não no cinema de Zack Snyder. Quando fazia filmes em que era a ação pela ação, tudo bem. Mas, quando pega uma história em que precisa de um desenvolvimento mais profundo, seus excessos escondem sua falta de habilidade em contar bem uma história. Nas hq's, "Watchmen" foi uma obra visionária. No cinema, virou apenas mais um filme cheio de barulho e pose, com alguns momentos que são verdadeiramente bons. Prova de técnica apurada não vence conteúdo. Comparado até a outras produções do gênero que temos por a´pi, está até alguns degraus acima. Só que apenas isso, como sabemos, não é suficiente.


Nota: 5,5/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…