Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Watchmen - O Filme" (2009)
Direção: Zack Snyder.


No cinema, existe algo chamado "fio narrativo". Pode parecer óbvio, mas, para que uma história seja bem contada é preciso que quem esteja narrando tenha fluidez ao contar os fatos. Pode até parecer simples, porém, não é. E, "Watchmen - O Filme" expõe bem esse defeito, que não apenas se tornou recorrente no cinemão hollywoodiano, mas também no próprio trabalho do cineasta Zack Snyder. Talvez, os melhores filmes do diretor sejam seus dois primeiros ("Madrugada do Mortos" e "300"), justamente porque eram produções cujas histórias eram naturalmente "fakes", mais cheias de pose do que de conteúdo. "Watchmen" nos quadrinhos, ao contrário, possui uma incrível história para contar, cheia de significados.

A questão é que Snyder, entra ano e sai ano, vem se mostrando um bom "arquiteto" de imagens, mas, que se embrulha tiodo quando o assunto é narrativa. Sua obsessão quase anormal em filmar ipsis literis uma obra como "Watchmen" demonstra bem isso. Nos dez primeiros minutos deste filme, temo um longo videoclipe, regado à música de Bob Dylan, que se propõe a contar a vida vida (e tragédia) de vários heróis, que outrora eram gente querida pelo povo, mas, que caíram um desgraça por motivos, muitas vezes, banais. O problema é que a sequência é exageradamente grandiloquente, com uma irritante câmera lenta, aonde os personagens parecem que estão fazendo pose pra foto o tempo todo. Não há espontaneidade, não há carisma, não há identificação. Cansa fácil.




Só que essa maneira de filmar vai permear as mais de três horas do filme, e ao final, o espectador irá perceber que, se tivesse evitado exageros, o longa poderia ter, o máximo, duas horas (e, olhem lá).Sim, compreendemos que os heróis da história, que antes eram louvados, hoje, estão decadentes. E, que é a partir da morte de um deles, o Comediante, que uma série de eventos vai tornar a vida dos mascarados cada vez mais complicada, visto que o mundo é outro (aqui, estamos no auge da Guerra Fria), e a própria concepção de super-heróis está ficando mais cínica e obsoleta.

Nisso, conhecemos alguns que abandonaram sua carreira de heroísmo, como o Coruja e a Espectral, e outros que passaram a trabalhar para o governo, como o próprio Comediante e o Dr. Manhattan. Em paralelo, temos Adrian Veidt, que era o herói Ozymandias, e que antes de ser implementada uma lei que proibia a atividade dos mascarados, resolveu revelar sua identidade secreta parta o mundo, e assim, construir um grande império econômico. É justamente no funeral do Comediante que as coisas se complicam, pois um herói renegado, Rorschach, resolve investigar por conta própria o que está por trás do assassinato.




Só que pra chegar em todas essas questões, há uma demora considerável. A preocupação parece ser tudo, menos a história em si. Ao contrário, somos bombardeados por imagens contemplativas que misturam frases de efeito e ação desenfreada. Pelo menos, a primeira metade do filme ´pe SÓ isso, e pouco se salva, como algumas frases soltas de Adrian Veidt ou do Dr. Manhattan, que dão o cerne de como a sociedade está imersa da violência. Mas, pelo menos, temos, nesses primeiros momentos, uma sequência bem elaborada, que é quando, por flashbacks, vemos o Comediante e o Coruja dispersando uma manifestação de civis contra os super-heróis. O Comediante usa de extrema violência, e indagado pelo Coruja aonde foi parar o sonho americano, ele diz: "O sonho americano virou realidade."

É então que vemos as possibilidades desperdiçadas no roteiro, sobre algo que poderia soar mais provocativo, mais ousado, mais interessante, acaba sendo, na maioria das vezes, algo vazio, sem alma, sem ritmo. Talvez, como diferencial, alguns até estranhem as várias cenas de sexo e bastante violência gráfica que a produção possui, algo realmente incomum para filmes de super-heróis. Mas, são coisas, geralmente, mostradas fora de contexto, ou que nada acrescentam à trama. Trama, essa, inclusive, que vai aos trancos e barrancos até perto do final, quando, finalmente, o filme, atinge um grau superior de qualidade. Quando alguns segredos são revelados, e vislumbramos um andamento incomum, que não envolve a velha dicotomia bem x mal, aí temos que dar o braço a torcer. Nesses poucos minutos, o filme realmente se mostra acima da média, e empolga. Mas, até chegar aqui, muita coisa foi desperdiçada.




Tecnicamente, o filme é competente, mas, são tantos efeitos especiais deslocados, que até fazem parecer que os realizados estavam mais preocupados com as imagens que iriam estampar as publicações de entretenimento mundo afora do que qualquer outra coisa. Do mesmo jeito, a trilha sonora tem gente acima de qualquer suspeita, como Bob Dylan e Jimi Hendrix, porém, mais uma vez, tudo desperdiçado em nome de mostrar algo que se assemelha mais a um videoclipe do que um filme pra cinema. Já, as atuações, essas, pelo menos, são boas. Patrick Wilson consegue passar o sentimento de relutância de um Coruja em voltar aos velhos tempos, enquanto Billy Crupud e Matthew Doode fazem de Dr. Manhattan e Ozymandias, respectivamente, personagens cerebrais, levantando algumas questões filosóficas realmente pertinentes. O restante do elenco também está muito à vontade, o que salva a produção em muitos aspectos.

Sabem aquela máxima: menos é mais? Não no cinema de Zack Snyder. Quando fazia filmes em que era a ação pela ação, tudo bem. Mas, quando pega uma história em que precisa de um desenvolvimento mais profundo, seus excessos escondem sua falta de habilidade em contar bem uma história. Nas hq's, "Watchmen" foi uma obra visionária. No cinema, virou apenas mais um filme cheio de barulho e pose, com alguns momentos que são verdadeiramente bons. Prova de técnica apurada não vence conteúdo. Comparado até a outras produções do gênero que temos por a´pi, está até alguns degraus acima. Só que apenas isso, como sabemos, não é suficiente.


Nota: 5,5/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…