Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"eXistenZ" (1999)
Direção: David Cronenberg.


Realidade e ficção. Falso e verdadeiro. O jogo e a vida. Como distinguir,às vezes, uma coisa da outra? Num mundo tão informatizado, com diversas invenções mirabolantes, não estaríamos subvertendo esses conceitos? "eXistenZ", um dos filmes menos conhecidos do sempre perturbador David Cronenberg "brinca" de maneira muito perspicaz com essas noções, com roteiro escrito pelo próprio cineasta. Um trabalho que pode até ser classificado de ficção científica, mas, como o trabalho do diretor ao longo de sua carreira sempre esteve no limiar do inclassificável, não precisamos de rótulos aqui, bastando embarcar na "viagem" proposta pela história.

Uma história que, diga-se, vai surpreendendo ao longo de sua narrativa. A princípio, estamos numa convenção de adoradores de jogos de videogame. E, para apresentar uma novidade que promete revolucionar esse tipo de entretenimento, aparece para uma palestra a criadora do jogo eXistenZ, Allegra Geller. Com ele, ela garante ao público uma experiência única: a de fundir um console à espinha dorsal do jogador, fazendo com que ele participe de uma realidade virtual como nunca se viu antes. Porém, durante o evento, um estranho atentado contra ela a coloca no caminho de Ted Pikul, que de segurança do local, passa a ser o guarda-costas dela.




Dizer mais é, sem dúvida, estragar as boas surpresas que o roteiro oferece. E, além da história em si, um atrativo muito forte no filme é o simbolismo. Quando estão "dentro" do jogo, as pessoas precisam dizer o nome do personagens para que eles respondam algo, numa clara alusão à nossa falta de interação com gente de verdade na vida real. Outra boa analogia feita é a rixa entre dois grupos antagônicos: os que idolatram o mundo virtual, e os que desejam loucamente a realidade. Ambos se mostram extremistas, intolerantes e visivelmente esquizofrênicos, como se uma coisa anulasse a outra.

E, claro, em se tratando de filmes de Cronenberg, podemos esperar em "eXistenZ" imagens perturbadoras e verdadeiramente grotescas. É particularmente agoniante a cena em que Ted come um prato com estranhos seres mutantes, e os ossos deles se encaixam até formarem um espécie de arma, cuja munição é, nada mais, nada menos, do que dentes humanos. Mesmo assim, não é nada tão brutal quanto "A Mosca", grande clássico do diretor nos anos 80., Apesar disso, fica o aviso de que a produção não economiza em algumas sequências um tanto repugnantes.




Como é de costume nos filmes do diretor, também não esperem uma narrativa "travada". Até nos seus piores momentos, nesse aspecto, o cineasta consegue ser um exímio contador de histórias, deixando os fatos correrem naturalmente. Destaque-se também as atuações econômicas, mas, muito boas de todo elenco. Jennifer Jason Leigh e Jude Law, como os protagonistas, estão carismáticos e têm química. E, alguns coadjuvantes são especialmente muito bem aproveitados, apesar do pouco tempo em tela, como é o caso de William Dafoe.

Mas, o grande trunfo da produção é mesmo o seu enredo fascinantes e suas diversas metáforas. Por sinal, são essas mesmas metáforas, tão certeiras em filmes como este, que estão faltando nos mais recentes trabalhos do diretor, os insossos "Um Método Perigoso", "Cosmopolis" e "Um Mapa Para as Estrelas". Imaginemos o que esses três seriam caso tivessem um simbolismo certeiro de "eXistenZ". É, de fato, lamentar que Cronenberg tenha em sua filmografia filmes tão maravilhosos, e, ao mesmo tempo, outros tantos medíocres.





Mas, sem lamentações, é aproveitar uma produção cheia de significados como esta. Inusitado pensar que ela foi feita no mesmo ano que "Matrix", que também subvertia a questão da nossa percepção a respeito da realidade. "eXistenZ", obviamente, não teve os mesmos recursos, nem foi tão badalado assim. Apesar disso, na sua simplicidade, consegue explorar alguns aspectos até de maneira melhor, colocando tudo de uma maneira mais crua, densa e visceral. Trata-se, enfim, de um instigante exercício de reflexão sobre temas como a vida, os relacionamentos, o entretenimento, e a negação da realidade. Algo mais do que oportuno para os dias de hoje.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…