Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

A Única "Culpa" da Vítima é "Existir"
Por Erick Silva


Um dos maiores problemas dessa sociedade um tanto medíocre é o fato dela se apoiar em discursos fáceis. Quem nunca ouviu a simplória frase "bandido bom é bandido morto", como se isso fosse, de fato, resolver a questão da violência atual. Pois, é. Com outros assuntos, é exatamente a mesma coisa: pega-se uma ideia pré-concebida, geralmente, muito rasteira, sobre algo necessariamente complexo, e se acha que apenas com frases de efeito o tal problema será magicamente resolvido. Com isso, muitos grupos que, de alguma maneira, já sofreram (e, ainda sofrem) preconceito, acabam sendo mais estigmatizados ainda. É o caso das mulheres.

Citarei aqui dois acontecimento específicos ocorridos recentemente. Primeiro, uma jovem cai do ônibus em movimento, e morre, devido à imprudência do motorista, que ia em alta velocidade, e abriu uma das portas do coletivo. Na época, questionou-se o porquê da menina ter pego um ônibus lotado. A questão, no entanto, era óbvia demais, ao mesmo tempo que desconcertante: o local em que ela estava era deserto, e ela, por segurança, preferiu sair dali pegando o primeiro ônibus que aparacesse (lotado ou não). Isso, no entanto, não impediu que ela fosse apontada, por alguns, como culpada pela tragédia.

Outro caso, este mais recente, dá conta de uma mulher que foi violentada com um pedaço de cana-de-açúcar, enquanto esperava seu ônibus numa das paradas do coletivo. Claro, os mesmos de sempre vieram com questionamentos do tipo: "mas, quem mandou ela estar num lugar desses tão tarde da noite". E, é evidente que, novamente, neste caso se culpa a vítima por algo que ela não tem culpa. Agora, suponhamos que, para sair do lugar, ela tivesse pego o primeiro ônibus que aparecesse, e ela, tragicamente, sofresse um acidente, como o outro caso citado acima. Iriam ou não iriam culpar a vítima de todo o jeito?

Esse é o ponto a ser levantado: quase sempre queremos oprimir as vítimas; quase nunca os opressores. Nesses casos em particular, por que não culpar o Estado, que não consegue prover segurança suficiente para a população ou um sistema de transporte coletivo que seja, minimamente, eficaz? Quando a violência é de ordem sexual, por que não culpar os estupradores? Por que, até mesmo, indo mais profundo no debate, não questionamos a própria educação machista que recebemos e repassamos? E, sabem porque ninguém aponta os culpados certos? Porque, simplesmente, não convém.

Para questionar o Estado, seria preciso muita burocracia, feitura de abaixo-assinados, protesto, e outras coisas do tipo. Ninguém está interessado em ter tanto trabalho assim pra exercer alguma espécie de cidadania. Já, para questionar o comportamento da sociedade, em especial, dos homens, seria preciso colocar o dedo na ferida, entender que muita da nossa cultura está errada, que mesmo com tantos avanços, a mulher ainda é vista como ser inferior, ou culpada, caso lhe ocorra alguma forma de violência. Praticamente ninguém, é claro, quer fazer essa reflexão interna de suas próprias atitudes.

E, isso tudo se deve, em grande parte, porque frases de efeitos e discursos fáceis são menos incômodos. É o tipo de atitude de gente que sempre passa a responsabilidade para o "outro", e não para si. Falta a esse tipo de pessoa compreender uma palavra chamada EMPATIA. Ou seja: colocar-se no lugar de terceiros. Seria totalmente ilógico, por exemplo, culpar uma vítima de assalto porque ela estava "exibindo" um relógio de marca ou um celular de última geração. Nesses casos, culpa-se o Estado, pela falta de segurança. Então, por que uma mulher é culpada pelo estupro sofrido ou pela violência doméstica que a acomete? Igualmente ilógico, pois.

Portanto, basta que, antes de qualquer julgamento prévio, pensemos se, no lugar da vítima, estaríamos fazendo o mesmo, ou se, de fato, a vítima em questão, foi, no máximo, imprudente. E, mesmo diante da imprudência, é moralmente inaceitável uma sociedade que julga alguém de forma tão arbitrária, preconceituosa e intolerante. Mas, como, pra reverter isso, é preciso uma forte mudança cultural, infelizmente, ainda seremos obrigados a ver alguém dizer: "O que estava fazendo a essa hora na rua?", "Estava pedindo!", "Se estivesse na Igreja, não acontecia"...


Material extra:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…