Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

A Única "Culpa" da Vítima é "Existir"
Por Erick Silva


Um dos maiores problemas dessa sociedade um tanto medíocre é o fato dela se apoiar em discursos fáceis. Quem nunca ouviu a simplória frase "bandido bom é bandido morto", como se isso fosse, de fato, resolver a questão da violência atual. Pois, é. Com outros assuntos, é exatamente a mesma coisa: pega-se uma ideia pré-concebida, geralmente, muito rasteira, sobre algo necessariamente complexo, e se acha que apenas com frases de efeito o tal problema será magicamente resolvido. Com isso, muitos grupos que, de alguma maneira, já sofreram (e, ainda sofrem) preconceito, acabam sendo mais estigmatizados ainda. É o caso das mulheres.

Citarei aqui dois acontecimento específicos ocorridos recentemente. Primeiro, uma jovem cai do ônibus em movimento, e morre, devido à imprudência do motorista, que ia em alta velocidade, e abriu uma das portas do coletivo. Na época, questionou-se o porquê da menina ter pego um ônibus lotado. A questão, no entanto, era óbvia demais, ao mesmo tempo que desconcertante: o local em que ela estava era deserto, e ela, por segurança, preferiu sair dali pegando o primeiro ônibus que aparacesse (lotado ou não). Isso, no entanto, não impediu que ela fosse apontada, por alguns, como culpada pela tragédia.

Outro caso, este mais recente, dá conta de uma mulher que foi violentada com um pedaço de cana-de-açúcar, enquanto esperava seu ônibus numa das paradas do coletivo. Claro, os mesmos de sempre vieram com questionamentos do tipo: "mas, quem mandou ela estar num lugar desses tão tarde da noite". E, é evidente que, novamente, neste caso se culpa a vítima por algo que ela não tem culpa. Agora, suponhamos que, para sair do lugar, ela tivesse pego o primeiro ônibus que aparecesse, e ela, tragicamente, sofresse um acidente, como o outro caso citado acima. Iriam ou não iriam culpar a vítima de todo o jeito?

Esse é o ponto a ser levantado: quase sempre queremos oprimir as vítimas; quase nunca os opressores. Nesses casos em particular, por que não culpar o Estado, que não consegue prover segurança suficiente para a população ou um sistema de transporte coletivo que seja, minimamente, eficaz? Quando a violência é de ordem sexual, por que não culpar os estupradores? Por que, até mesmo, indo mais profundo no debate, não questionamos a própria educação machista que recebemos e repassamos? E, sabem porque ninguém aponta os culpados certos? Porque, simplesmente, não convém.

Para questionar o Estado, seria preciso muita burocracia, feitura de abaixo-assinados, protesto, e outras coisas do tipo. Ninguém está interessado em ter tanto trabalho assim pra exercer alguma espécie de cidadania. Já, para questionar o comportamento da sociedade, em especial, dos homens, seria preciso colocar o dedo na ferida, entender que muita da nossa cultura está errada, que mesmo com tantos avanços, a mulher ainda é vista como ser inferior, ou culpada, caso lhe ocorra alguma forma de violência. Praticamente ninguém, é claro, quer fazer essa reflexão interna de suas próprias atitudes.

E, isso tudo se deve, em grande parte, porque frases de efeitos e discursos fáceis são menos incômodos. É o tipo de atitude de gente que sempre passa a responsabilidade para o "outro", e não para si. Falta a esse tipo de pessoa compreender uma palavra chamada EMPATIA. Ou seja: colocar-se no lugar de terceiros. Seria totalmente ilógico, por exemplo, culpar uma vítima de assalto porque ela estava "exibindo" um relógio de marca ou um celular de última geração. Nesses casos, culpa-se o Estado, pela falta de segurança. Então, por que uma mulher é culpada pelo estupro sofrido ou pela violência doméstica que a acomete? Igualmente ilógico, pois.

Portanto, basta que, antes de qualquer julgamento prévio, pensemos se, no lugar da vítima, estaríamos fazendo o mesmo, ou se, de fato, a vítima em questão, foi, no máximo, imprudente. E, mesmo diante da imprudência, é moralmente inaceitável uma sociedade que julga alguém de forma tão arbitrária, preconceituosa e intolerante. Mas, como, pra reverter isso, é preciso uma forte mudança cultural, infelizmente, ainda seremos obrigados a ver alguém dizer: "O que estava fazendo a essa hora na rua?", "Estava pedindo!", "Se estivesse na Igreja, não acontecia"...


Material extra:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…