Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"The Serenity of Suffering" (2016)
Artista: Korn


A arte não é uma prática engessada, nem tem a obrigação de seguir regras. No entanto, quando se começa uma determinada linha (e, ela dá certo), é muito melhor que essa linha seja mantida até o fim. Na música, por exemplo, é comum, um disco começar muito bem, e ir perdendo força aos poucos, aonde, no final, acabamos tendo um resultado pífio. E, parece que o Korn tem esse "karma" a cumprir, se bem que, dessa vez, o resultado não ficou tão ruim assim, muito pelo contrário. Mas, deu "esperanças" de que este novo lançamento da banda seria um excelente disco, coisa que não é.

Vamos aos fatos. Esqueçamos qualquer forma de preconceito. Não importa se é new metal, doom metal, black metal, ou qualquer sub-gênero inútil. É tudo rock, e em primeira instância, tudo música. Se ela for boa, não custa nada apreciá-la,, seja ela um belo jazz ou um carismático samba de raiz. Com isto, e antes de mais nada, o Korn sempre mostrou certa competência naquilo que faz. Ok, é verdade que o grupo não possui em sua formação nenhum instrumentista virtuoso e nem as letras são tão primorosas assim. Mas, em muitos aspectos, o som empolga, e o vocalista Jonathan Davis, sejamos justos, é um tremendo cantor. 



Com tudo isso em mente, falemos, enfim, de "The Serenity of Suffering", o 12° álbum de estúdio da banda. E, já começa com o som na talo. Sim, "Insane" é séria candidata a hit, e tirando a costumeira afinação na guitarra, tão característica no som do grupo, uma coisa que chama a atenção é que Davis está apostando mais nos guturais, o que é uma grata surpresa. De resto, o velho feijão com arroz, mas, feito com muita competência. Em seguida, aquela que, facilmente, é a melhor do disco: "Rotting in Vain", que possui um ótimo refrão, ideal pra ser cantada nos shows.

As duas próximas canções, "Black is the Soul" e "The Haiting", também são maravilhosas, ´com uma energia e uma potência que há muito tempo não se ouvia num trabalho do Korn. Aí, pensamos: "disco do ano", certo? Infelizmente, não. A coisa começar a complicar a partir da quinta faixa, "A Different World", que tem participação do Corey Taylor, do Slipknot. Ela não é, necessariamente, uma música ruim, mas, cansa tão rápido, que dissipa facilmente a boa impressão que as composições anteriores trouxeram. Só que, até aí, normal. Um pequeno deslize, não é verdade? A irritantemente pop "Take Me" responde por si. Ela parece as piores coisas que o Linkin Park já fez, o que não se justifica, pois, o Korn é uma banda mais antiga.



E, já na sétima faixa, "Everything Falls Apart", constatamos algo surpreendente: a banda começa a perder fôlego muito rápido pra quem começou com composições tão empolgantes e bem dosadas. Mas, vamos em frente, dando chance ao Korn. Eis que escutamos, pelo menos, uma música que, se não é uma maravilha, "Die Yet Another Night", também não decepciona. É cadenciada e explosiva na medida certa, e evita a sensação de decepção que o disco já estava começando a provocar. Mas, ainda assim, somos obrigados a escutarmos "When You're Not There", canção pesada, sim, mas, sem muita inspiração, ficando bem igual a tantas outras que o grupo já fez.

"Next in Line", por ser um pouco mais simples, é melhor resolvida, tem umas experimentações interessantes, e chega a manter as coisas na média. Bem melhor é "Please Come For Me", uqe tem uma melodia mais trabalhada e um instrumental mais "na cara", e menos afetado. "Baby" seria uma música legal se o Korn estivesse começando agora. Não é o caso. Pra quem já conhece a banda de longa data, vai identificar fácil ecos de outras canções do grupo nesta música. Contando o fato de que ela é a mais longa do disco, então, podemos classificá-lo como a pior de todo o álbum. A derradeira canção, "Calling Me Too Soon", não tem absolutamente nada de diferente das demais. Não empolga na maior parte do tempo, apesar de ter uns bons guturais no meio dela. Mas, muito pouco para "salvar" o cenário geral.

E, o que temos aqui, no final das contas, só não beira a decepção porque temos, em última análise, 7 ótimas canções de um total de 13. Mesmo assim, não deixa de ser chato constatar que a banda poderia ter se esforçado um pouco mais. Assim, teríamos, sem sombra de dúvida, um dos discos do ano. Só que o que temos é um bom apanhado de músicas razoavelmente pesadas, que, mesmo empolgantes, não devem ficar na cabeça do ouvinte por muito tempo. Uma pena.

Download do disco:


Nota: 7/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…