Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"The Serenity of Suffering" (2016)
Artista: Korn


A arte não é uma prática engessada, nem tem a obrigação de seguir regras. No entanto, quando se começa uma determinada linha (e, ela dá certo), é muito melhor que essa linha seja mantida até o fim. Na música, por exemplo, é comum, um disco começar muito bem, e ir perdendo força aos poucos, aonde, no final, acabamos tendo um resultado pífio. E, parece que o Korn tem esse "karma" a cumprir, se bem que, dessa vez, o resultado não ficou tão ruim assim, muito pelo contrário. Mas, deu "esperanças" de que este novo lançamento da banda seria um excelente disco, coisa que não é.

Vamos aos fatos. Esqueçamos qualquer forma de preconceito. Não importa se é new metal, doom metal, black metal, ou qualquer sub-gênero inútil. É tudo rock, e em primeira instância, tudo música. Se ela for boa, não custa nada apreciá-la,, seja ela um belo jazz ou um carismático samba de raiz. Com isto, e antes de mais nada, o Korn sempre mostrou certa competência naquilo que faz. Ok, é verdade que o grupo não possui em sua formação nenhum instrumentista virtuoso e nem as letras são tão primorosas assim. Mas, em muitos aspectos, o som empolga, e o vocalista Jonathan Davis, sejamos justos, é um tremendo cantor. 



Com tudo isso em mente, falemos, enfim, de "The Serenity of Suffering", o 12° álbum de estúdio da banda. E, já começa com o som na talo. Sim, "Insane" é séria candidata a hit, e tirando a costumeira afinação na guitarra, tão característica no som do grupo, uma coisa que chama a atenção é que Davis está apostando mais nos guturais, o que é uma grata surpresa. De resto, o velho feijão com arroz, mas, feito com muita competência. Em seguida, aquela que, facilmente, é a melhor do disco: "Rotting in Vain", que possui um ótimo refrão, ideal pra ser cantada nos shows.

As duas próximas canções, "Black is the Soul" e "The Haiting", também são maravilhosas, ´com uma energia e uma potência que há muito tempo não se ouvia num trabalho do Korn. Aí, pensamos: "disco do ano", certo? Infelizmente, não. A coisa começar a complicar a partir da quinta faixa, "A Different World", que tem participação do Corey Taylor, do Slipknot. Ela não é, necessariamente, uma música ruim, mas, cansa tão rápido, que dissipa facilmente a boa impressão que as composições anteriores trouxeram. Só que, até aí, normal. Um pequeno deslize, não é verdade? A irritantemente pop "Take Me" responde por si. Ela parece as piores coisas que o Linkin Park já fez, o que não se justifica, pois, o Korn é uma banda mais antiga.



E, já na sétima faixa, "Everything Falls Apart", constatamos algo surpreendente: a banda começa a perder fôlego muito rápido pra quem começou com composições tão empolgantes e bem dosadas. Mas, vamos em frente, dando chance ao Korn. Eis que escutamos, pelo menos, uma música que, se não é uma maravilha, "Die Yet Another Night", também não decepciona. É cadenciada e explosiva na medida certa, e evita a sensação de decepção que o disco já estava começando a provocar. Mas, ainda assim, somos obrigados a escutarmos "When You're Not There", canção pesada, sim, mas, sem muita inspiração, ficando bem igual a tantas outras que o grupo já fez.

"Next in Line", por ser um pouco mais simples, é melhor resolvida, tem umas experimentações interessantes, e chega a manter as coisas na média. Bem melhor é "Please Come For Me", uqe tem uma melodia mais trabalhada e um instrumental mais "na cara", e menos afetado. "Baby" seria uma música legal se o Korn estivesse começando agora. Não é o caso. Pra quem já conhece a banda de longa data, vai identificar fácil ecos de outras canções do grupo nesta música. Contando o fato de que ela é a mais longa do disco, então, podemos classificá-lo como a pior de todo o álbum. A derradeira canção, "Calling Me Too Soon", não tem absolutamente nada de diferente das demais. Não empolga na maior parte do tempo, apesar de ter uns bons guturais no meio dela. Mas, muito pouco para "salvar" o cenário geral.

E, o que temos aqui, no final das contas, só não beira a decepção porque temos, em última análise, 7 ótimas canções de um total de 13. Mesmo assim, não deixa de ser chato constatar que a banda poderia ter se esforçado um pouco mais. Assim, teríamos, sem sombra de dúvida, um dos discos do ano. Só que o que temos é um bom apanhado de músicas razoavelmente pesadas, que, mesmo empolgantes, não devem ficar na cabeça do ouvinte por muito tempo. Uma pena.

Download do disco:


Nota: 7/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…