Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Ponyo" (2008)
Direção: Hayao Miyazaki


O cinema de animação é um campo fértil, possuindo mil e uma possibilidades a serem exploradas. Pena que a maioria dos desenhos siga sempre o mesmo esquema, com os mesmo tipos de personagens, as mesmas lições de moral, os mesmos tipos de aventuras. Bem-feitas, sim, porém, em grande parte, vazias. Nesse contexto, os filmes do mestre Miyazaki se destacam, e muito, não somente pela qualidade técnica incontestável das animações, mas também pela forma de contar as histórias, com sub-textos que vão além de meras mensagens edificantes, flertando, em muitos casos, com a necessidade do respeito à natureza, algo que fica bem explícito em "Ponyo".

Tudo começa no fundo do mar, com uma sequência de imagens deslumbrantes, de um multicolorido estupendo. Mas, felizmente, estamos falando de Miyazaki, e o maravilhoso visual não sublima o enredo (um dos grandes pecados das animações atuais). É quando conhecemos Ponyo, um estranho e simpático peixe, mas, com rosto humano, que é criado preso numa espécie de aquário por um homem igualmente estranho. Ao fugir para conhecer outros mundos, conhece o garotinho Sosuke, que passa a cuidar de seu novo amigo (ou, amiga), enquanto, sem saber, vai se envolvendo numa série de acontecimentos envolvendo catástrofes naturais relacionadas aos mares, ao mesmo tempo que aprenderá, no decorrer da sua inusitada aventura, valorosas lições.




O que diferencia "Ponyo" (e, por tabela, o próprio cinema de Miyazaki) é a forma como o universo infantil é tratado. Aqui há um respeito claro pela figura da criança, vista como um ser inteligente e de emoções fortes. Quando ajuda Ponyo em sua jornada ou os habitantes da sua cidade, ilhados por causa de uma enchente, Sosuke mostra iniciativa de gente grande, e um altruísmo bastante comovente. Até mesmo Fujimoto, pai da protagonista, não é bem um vilão no sentido propriamente dito da palavra, apesar dele ter intenções pavorosas quanto aos seres humanos. Apesar disso, ele consegue ter argumentos convincentes, e não gera um antagonismo tão maniqueísta quanto as animações tradicionais adoram colocar com os seus personagens.

A própria personagem que dá título ao filme não é bem uma heroína padrão. Visualmente, inclusive, foi um tanto arriscado colocar, de início, um peixe com rosto humano, mas, a concepção dela foi muito bem elaborada, e a fantasia se encaixa como uma luva no enredo, tornando tudo muito crível, mas, sem perder o sentido da inocência. A questão materna e também paterna, assim como vimos em "A Viagem de Chihiro", é explorada, principalmente se levarmos em consideração a vida pessoal dos personagens principais. Ponyo tem um pai super-protetor e uma mãe extremamente sábia, ao passo que Sosuke tem um pai que quase nunca está em casa, trabalhando, e é criado pela sua madrasta. Isso tudo quebra esteriótipos, e deixa a história ainda mais interessante.




Uma coisa a ser bem frisada é a importância que Miyazaki dá à figura feminina. Em praticamente todos os seus filmes, o protagonista é uma mulher, geralmente, uma criança, que precisa mostrar o seu valor diante de situações que exijam força de vontade e muito caráter. E, Ponyo, mesmo transformada em humana na maior parte do tempo e aprendendo os nossos hábitos aos poucos, mostra-se bastante virtuosa, com mais coragem que muito adulto por aí. O lado humano, por sinal, é bem explorado no roteiro simples, mas, eficiente, contando a história do jeito certo, sem clichês, além de um senso de aventura que muito faz falta nos dias de hoje. As atitudes dos personagens sempre denotam uma preocupação com o outro, uma condição de solidariedade que precisa ser cada vez mais difundida, principalmente, entre as crianças.

Os sub-textos ainda revelam uma genuína preocupação com a natureza, mostrando como a exploração das pessoas aos recursos naturais pode ser nociva. Tal crítica pode soar como um lugar-comum, mas, se formos pensar que Miyazaki já denunciava isso nas suas animações mais antigas, o que temos aqui é a continuidade de um discurso que continua atual. E, tudo é complementado com uma parte técnica verdadeiramente fantástica. As cenas do fundo do mar são de encher os olhos, e o destaque, nesse aspecto, é a sequência em que Ponyo corre sobre as águas em formato de peixes gigantes; digna de nota. E, essa maestria é muito simples de explicar: o cineasta japonês sabia como poucos unir uma animação tradicional com efeitos especiais de última geração, mesclando o melhor dos dois mundos para produzir um resultado realmente surpreendente.




"Ponyo", ao contrário de outros trabalhos do diretor, como "Princesa Mononoke", não é tão arrojado, sendo até bem mais simples de ser assimilado. Mas, é justamente essa a sua principal qualidade. Num tempo em que as "produções para criança" insistem em serem adultas demais, o que temos aqui é um filme para crianças que, eventualmente, adultos também irão gostar. Ao assistí-lo fica ainda mais triste saber que Miyazaki se aposentou, e que, daqui pra frente, não teremos mais nenhuma nova produção saída de sua mente brilhante. Mas, fica, contudo, obras como esta, que exemplificam muito bem o porquê o cinema é fantasia.


Nota: 9/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…