Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Red Sun" (2016)
Artista: Three Leg Dog


2016 está sendo um ano atípico. Primeiro, porque grandes medalhões do rock, como Green Day, Dream Theather e Red Hot Chilli Peppers, soltaram trabalhos muito fracos, em contrapartida a uma expectativa muito alta. E, segundo, porque a "salvação" pode estar justamente nas bandas mais independentes, que, verdade seja dita, estão dando um banho nos veteranos. Claro, não exageremos ao ponto de bradarmos que há um novo grunge ou um novo punk emergindo por aí. Mas, o que se nota, e é fato, é que esses novos grupos possuem influências bem delimitadas, porém, ao invés de meras cópias, o que tentam fazer é, a partir do que conhecem, construírem, se não algo necessariamente novo, mas, um som que tenha energia de sobra.

É aí que chegamos ao Three Leg Dog, formado em 2013, na cidade de Tallinn, na longínqua Estônia. De cara, poderíamos pensar: mais um power trio? Mais um grupo que baseia seu som no Led, no Sabbath, e adjacências? Mas, como, felizmente, muita coisa não é o que parece, ao darmos uma chance à banda, vamos ouvir um som não só riquíssimo, como também com um experimentalismo tão absurdamente bom que, mesmo algumas músicas sendo longas, elas não cansam. Em suma: é uma questão de construção da canção, algo mais ou menos redondo, que tenha começo, meio e fim, mas, que não seja tocado no piloto automático. Parece uma jam session, só que sem exageros; não há nenhum solo de guitarra ou de bateria desnecessariamente longo, por exemplo. 



Essa opção estética é o grande mérito da banda, pois, ao ouvirmos suas músicas, ficamos com a sensação dúbia de que já conhecemos o som de algum lugar, e também que estamos de algo novo e criativo. E, tudo isso só funciona bem devido à harmonia da banda. Já começa pelo genial vocalista e guitarrista Kristjan Pärkson, que imprime uma linha vocal melódica e arrastada, bastante condizente com o som da banda, lembrando, inclusive, muitos dos cantores da era grunge, como Layne Staley, do Alice in Chains. Na guitarra, ele é igualmente soberbo, criando fraseados e notas poderosas, calcadas muito no blues rock, mas, nem por isso, deixa de ter uma inventividade ímpar. Já, o baixista Aimar Sepp é mais contido, porém, consegue criar uma "parede sonora" muito consistente. E, a formação se encerra com a "locomotiva" Joonatan Nõgisto nas baquetas, um virtuose de coração, mas, sem extravagâncias na hora de tocar.

Este "Red Sun", que é o primeiro disco "cheio" do grupo, é um deleite para os fãs do rock setentista, mas, pode ser apreciado, sem contra-indicações, pra quem curte qualquer vertente do estilo, dada a qualidade e a versatilidade das composições. É um trabalho não apenas agradável de se escutar, mas, muito bem executado. E, a primeira música, que é a que dá título ao álbum, "Red Sun", mostra muito bem o que vamos escutar ao longo de 45 minutos. A introdução é puro rock progressivo, e, já de início, quando o som "explode" após alguns segundos, dá pra perceber a competência do grupo. É uma composição, épica, emocionante e cativante, ideal para começar um disco assim. A canção que vem a seguir, "Dog", já é mais acelerada (bem mais, diga-se), chegando, incrivelmente, a lembrar, os primórdios do rock, de Chuck Berry a Jerry Lee Lewis, no jeito de cantar do vocalista. Pra completar, a composição ainda tem "paradas estratégicas" e boas variações ao longo de sua curta duração. Mais um petardo digno de nota.



Nesse momento, deparamos com uma música que já pode, muito bem, ser colocada no patamar de clássico. Sim, "Stars" é um baita rock'n roll como há muito não se via, com uma energia impressionante, muitas variações no seu andamento, e um riff sensacional, que inicia e encerra a canção. Sem dúvida, a melhor do disco. Sem perder nem um pouco a qualidade, em seguida temos a climática "Wolf", com seu início lento, de batidas leves, para depois, emergir um som potente e cadenciado, que não faz feio a nenhum dos clássicos do bom e velho Sabbath. A acelerada "Fire", mesmo com uma sonoridade que remete a músicas anteriores desse próprio disco, é boa, mesmo repetindo algumas fórmulas. E, é aí que entendemos mais ainda o diferencial da banda: até quando "imita" a si, consegue extrair algo de qualidade e com uma certa identidade.

"Love Song", como o próprio nome já indica, é a grande balada do álbum, e não faz feio. Com belíssimos riffs de guitarra, uma ótima interpretação do vocal, e uma "cozinha" coesa, a canção é extremamente agradável, não deixando nada a dever aos momentos emocionais do Led ou até mesmo do Scorpions. Já, "Revolution" tem corpo e alma cravados no Mississipi, com um som, de início, rústico, e depois, explodindo num peso enebriante. "Tiger" encerra o disco, e é a mais longa e a mais experimental de todas. Mesclando cadência, fraseados, e toda a sorte de "sons estranhos" (louvada seja "Whola Lotta Love"), a música termina de forma muito digna um trabalho não só muito bem tocado, mas também, bastante cativante (algo que anda faltando aos já citados "medalhões" do rock atual).

"Red Sun" é prova de que se pode fazer um ótimo disco de rock, com influências já exaustivamente conhecidas, porém, com alguns elementos a mais, e certos cuidados extras. Isso tende a deixar qualquer trabalho não só tecnicamente bem-feito, mas que também não abdica de ser palatável. O que falta ao Three Leg Dog para tocar nas rádios menos "viciadas"? Aparentemente, nada. O que falta são as rádios, em geral, ficarem mais antenadas no que o mundo da música tem em termos de qualidade. E, pra falar a verdade, bandas como o Three Leg Dog são boas demais para precisarem de "esmolas" dos meios de comunicação. Estes, é que estão ficando ultrapassados.

Download do disco:


Nota: 9/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…