Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

Porto Digital Ocupado!

O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 

De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depois termos atividades mais corriqueiras", diz. Mesmo assim, hoje (19), a programação teve um cine-debate, com a exibição do documentário "Acabou a Paz! Isto Aqui vai Virar um Chile!", que fala a respeito das ocupações nas escolas paulistas, iniciadas desde o segundo semestre de 2015, e que pode ser conferido na íntegra aqui:


No entanto, a ocupação no EREM enfrenta algumas dificuldades pontuais. Foi relatado pelos estudantes que o gestor da escola é contra o movimento, o que vem ocasionando certa pressão e apreensão para eles, além de terem alguns pais de alunos que se dirigiram ao local para intimidar os ocupantes. Há, ainda, segundo foi dito, uma forte censura nas redes sociais, aonde o grupo fechado da escola do Facebook só abre espaço para quem se manisfesta contra a ocupação, excluindo, por exemplo, toda e qualquer mensagem de apoio ao movimento. Por sinal, essa questão de apoio foi bem frisado durante a nossa conversa: "Estamos, sim, precisando de material de higiene, comida e kit de primeiros socorros, mas, nesse momento, uma das coisas que mais precisamos é apoio moral para continuarmos aqui."

Até agora, junto com o EREM (Porto Digital), já são 24 escolas de nível médio e institutos de referência, e 15 universidades públicas ocupadas em todo o Estado de PE, e o número pode crescer nos próximos dias, a partir do momento em que os movimentos vão ganhando mais força a visibilidade. Dado interessante é que a grande maioria das ocupações, mesmo com conflitos de gestões, professores e alguns estudantes contra, têm permanecido pacíficas, sem nenhum conflito registrado envolvendo as autoridades. O Inclusive, a Justiça, em peso, tem se posicionando a favor das ocupações, indeferindo todo mandado de reintegração de posse que recebe. Uma das integrantes do movimento tem uma opinião a respeito disso: "Fica claro, até pra Justiça, que não queremos 'morar' nas escolas, o que justificaria uma reintegração de posse, e sim, que estamos aqui, exercendo o nosso direito à livre manifestação."
A quem quiser e puder ajudar o pessoal do EREM (Porto Digital), seja com material de qualquer tipo, seja com propostas de eventos, ou até mesmo apenas dando apoio moral a eles, a página do movimento no Facebook é: https://www.facebook.com/ocupapd/?fref=ts

Segue uma lista com as necessidades mais urgentes da ocupação:
* Alimentação
*  Kit de primeiros socorros
* Material de limpeza
* Material de construção (para a reforma de algumas áreas do local), como argamassa, parafusos, tinta, cimento, etc.



Comentários

  1. Nós não somos vagabundos. Se lugar de aluno é na escola pq querem nos tirar dela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi o que notei, claramente. Quem taxa vocês de vagabundos, é porque preferem acreditar numa mídia mentirosa a ir olhar, na real, o que está sendo feito nas ocupações.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…