Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Videodrome"
Direção: David Cronenberg


Os fãs do cinema de Cronenberg já estão habituados ao seu estilo pouco ortodoxo, e um  tanto bizarro. Portanto, pra quem já está habituado aos seus filmes, sabe que um de seus temas prediletos é a anomalia, a doença em si, que pode ser tanto física, como psicológica, atingindo tanto uma pessoa específica, quanto toda uma coletividade. Obviamente que a doença nos filmes do cineasta canadense é uma metáfora, que aqui pode ser facilmente identificada como uma crítica à alienação provocada pelos meios de comunicação, em especial, a TV.

E, como quase sempre acontece nas produções do diretor, em "Videodrome", não temos heróis, mas, também não há vilões típicos. O que encaramos em cada personagem do filme é a mais pura vilania do ser humano, a incontrolável ação do homem em, sem escrúpulos, conseguir algo em troca do prazer, geralmente, sexual, mesmo que isso implique na degradação alheia. É, em linhas gerais, o que pensa Max Renn, dono de uma pequena emissora de TV a cabo. Dia após dia, ele procura novas atrações para a sua grade de programação, geralmente, algo que apele bastante para o sexo e a violência, que ele vê como mera diversão, algo que chega a ser excitante.




Quando um de seus contatos capta imagens que parecem vindas de uma transmissão clandestina, Max vislumbra uma mina de ouro. Aparentemente, ele descobriu um programa chamado "Videodrome", provavelmente, produzido em outro país, em que pessoas são mostradas sendo torturadas e mortas. No entanto, com o passar do tempo, ele descobre que aquele programa é bem mais do que aparenta. Envolvendo-se numa estranha rede de acontecimentos grotescos, Max vai descobrindo que o seu mórbido desejo pelo sofrimento humano pode ser mais canalizado na vida real do que imagina.

O material pode ser simples e até um tanto surreal, mas, Cronenberg, também autor do roteiro, conduz tudo com maestria. Em nenhum momento, simpatizamos com alguém como Max Renn, mas, entendemos, ao longo do filme, o seu divertimento bizarro como uma doença, e que, metaforicamente, atinge o espectador com um sub-texto eficaz (até nos dias de hoje): a nossa crescente desumanização com um consumo cada vez maior de violência, e a nossa consequente esterilização ante a necessidade de mais e mais pornografia. Só pra lembrar: estamos falando de um filme da década de 80, e se torna ainda mais assustador se fomos comparar a TV de "Videodrome" com as redes sociais de hoje.




Contudo, não esperem uma espécie de "demonização" da mídia. Cronenberg não culpa, necessariamente, a tecnologia pela nossa crônica insensibilidade dos dias atuais, mas sim, o nosso desejo inato por coisas que deveríamos repudiar. Pode ser a TV, o rádio ou o computador, que servem apenas como meios para a nossa doentia predileção ao horror. Os personagens de "Videodrome" estão numa inércia sempre maior, precisando novas (e, mais violentas) reações para se sentirem vivos e até humanos novamente. Não basta assistir a uma pessoa sendo torturada, ela precisa ser morta, de preferência, com requintes de crueldade. A analogia com o tempo presente é assustadora, mas, necessária, o que faz do filme um importante documento de nossa incontrolável desumanização.

Cabe dizer que os atores estão impecáveis em seus papéis, com destaque absoluto para um James Woods ainda jovem, porém, muito competente ao passar toda a ambiguidade de seu personagem. E, estamos falando dos anos 80. E, de Cronenberg, diga-se. Portanto, esperem cenas imensamente repulsivas, mas, incrivelmente, nunca apelativas. Mesmo a violência gráfica ter o seu grau de incômodo (até nos dias de hoje), ela é perfeitamente crível com a trama, sendo necessária para expôr o alto nível alucinógeno ao qual o protagonista é exposto. O que prova que Cronenberg sempre foi mestre em compor cenas, ao mesmo tempo, repulsivas, mas, metaforicamente, impactantes, como poucos cineastas ousam fazer.




"Videodrome" continua, mais de 30 anos depois, sendo cinema underground de ótima qualidade, fazendo os questionamentos certos, e ainda construindo uma trama envolvente, com personagens interessantes, mesmo sem serem cativantes sob nenhum aspecto. E, até o final, o filme reserva aquela boa dubiedade entre o que é realidade e o que é ficção, fazendo o espectador refletir atrás de uma resposta. Que, talvez, não chegue. Contudo, faz com que ele pense, mesmo que por apenas uma hora e meia, a respeito do que é nocivo, mas, consumido como entretenimento de massa.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…