Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Videodrome"
Direção: David Cronenberg


Os fãs do cinema de Cronenberg já estão habituados ao seu estilo pouco ortodoxo, e um  tanto bizarro. Portanto, pra quem já está habituado aos seus filmes, sabe que um de seus temas prediletos é a anomalia, a doença em si, que pode ser tanto física, como psicológica, atingindo tanto uma pessoa específica, quanto toda uma coletividade. Obviamente que a doença nos filmes do cineasta canadense é uma metáfora, que aqui pode ser facilmente identificada como uma crítica à alienação provocada pelos meios de comunicação, em especial, a TV.

E, como quase sempre acontece nas produções do diretor, em "Videodrome", não temos heróis, mas, também não há vilões típicos. O que encaramos em cada personagem do filme é a mais pura vilania do ser humano, a incontrolável ação do homem em, sem escrúpulos, conseguir algo em troca do prazer, geralmente, sexual, mesmo que isso implique na degradação alheia. É, em linhas gerais, o que pensa Max Renn, dono de uma pequena emissora de TV a cabo. Dia após dia, ele procura novas atrações para a sua grade de programação, geralmente, algo que apele bastante para o sexo e a violência, que ele vê como mera diversão, algo que chega a ser excitante.




Quando um de seus contatos capta imagens que parecem vindas de uma transmissão clandestina, Max vislumbra uma mina de ouro. Aparentemente, ele descobriu um programa chamado "Videodrome", provavelmente, produzido em outro país, em que pessoas são mostradas sendo torturadas e mortas. No entanto, com o passar do tempo, ele descobre que aquele programa é bem mais do que aparenta. Envolvendo-se numa estranha rede de acontecimentos grotescos, Max vai descobrindo que o seu mórbido desejo pelo sofrimento humano pode ser mais canalizado na vida real do que imagina.

O material pode ser simples e até um tanto surreal, mas, Cronenberg, também autor do roteiro, conduz tudo com maestria. Em nenhum momento, simpatizamos com alguém como Max Renn, mas, entendemos, ao longo do filme, o seu divertimento bizarro como uma doença, e que, metaforicamente, atinge o espectador com um sub-texto eficaz (até nos dias de hoje): a nossa crescente desumanização com um consumo cada vez maior de violência, e a nossa consequente esterilização ante a necessidade de mais e mais pornografia. Só pra lembrar: estamos falando de um filme da década de 80, e se torna ainda mais assustador se fomos comparar a TV de "Videodrome" com as redes sociais de hoje.




Contudo, não esperem uma espécie de "demonização" da mídia. Cronenberg não culpa, necessariamente, a tecnologia pela nossa crônica insensibilidade dos dias atuais, mas sim, o nosso desejo inato por coisas que deveríamos repudiar. Pode ser a TV, o rádio ou o computador, que servem apenas como meios para a nossa doentia predileção ao horror. Os personagens de "Videodrome" estão numa inércia sempre maior, precisando novas (e, mais violentas) reações para se sentirem vivos e até humanos novamente. Não basta assistir a uma pessoa sendo torturada, ela precisa ser morta, de preferência, com requintes de crueldade. A analogia com o tempo presente é assustadora, mas, necessária, o que faz do filme um importante documento de nossa incontrolável desumanização.

Cabe dizer que os atores estão impecáveis em seus papéis, com destaque absoluto para um James Woods ainda jovem, porém, muito competente ao passar toda a ambiguidade de seu personagem. E, estamos falando dos anos 80. E, de Cronenberg, diga-se. Portanto, esperem cenas imensamente repulsivas, mas, incrivelmente, nunca apelativas. Mesmo a violência gráfica ter o seu grau de incômodo (até nos dias de hoje), ela é perfeitamente crível com a trama, sendo necessária para expôr o alto nível alucinógeno ao qual o protagonista é exposto. O que prova que Cronenberg sempre foi mestre em compor cenas, ao mesmo tempo, repulsivas, mas, metaforicamente, impactantes, como poucos cineastas ousam fazer.




"Videodrome" continua, mais de 30 anos depois, sendo cinema underground de ótima qualidade, fazendo os questionamentos certos, e ainda construindo uma trama envolvente, com personagens interessantes, mesmo sem serem cativantes sob nenhum aspecto. E, até o final, o filme reserva aquela boa dubiedade entre o que é realidade e o que é ficção, fazendo o espectador refletir atrás de uma resposta. Que, talvez, não chegue. Contudo, faz com que ele pense, mesmo que por apenas uma hora e meia, a respeito do que é nocivo, mas, consumido como entretenimento de massa.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…