Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Alemanha Ano Zero" (1948)
Direção: Roberto Rossellini


"Filmes de guerra", são, geralmente, muito estigmatizados. A maioria, de fato, não oferece muito além de uma visão um pouco maniqueísta dos fatos, além de se aterem, às vezes, muito mais à ação das batalhas, do que no genuíno drama que uma guerra provoca. "Alemanha Ano Zero", terceiro filme da "trilogia da guerra" de Rossellini, foge dos padrões, primeiro, porque foi realizado pouquíssimo tempo depois do término da Segunda Guerra. Ou seja, o mundo (em especial, a Alemanha) ainda viviam, na carne, as consequências do conflito, o que dá ao filme um tom quase documental. E, outra coisa que faz com que o filme se destaque é a sua visão pessimista dos miseráveis que sobrevivem ao pós-guerra, sem nenhum pingo de heroísmo; apenas gente normal tentando sobreviver.

A história é a mais simples possível, mas, não menos comovente. Vemos uma família, mais alguns outros moradores, vivendo numa espécie de cortiço, em uma Berlim completamente arruinada pela guerra, aonde os condôminos, por exemplo, precisam economizar energia, caso contrário, ela é cortada. Cada um tem o seu drama particular: o senhor doente, que se acha um peso para a família, o ex-combatente, que não sai à procura de emprego por medo de ser preso, a garota que sai à noite com rapazes, em troca de qualquer coisa, até de cigarros, e um menino, o único que ainda tenta conseguir alguma espécie de emprego para sustentar toda a família. O enredo ficará centrado nele o tempo todo, fazendo com que, muitas vezes, nos sintamos tão perdidos quanto ele, perambulando em meio à ruínas.




O filme nos apresenta algumas sequências bem simbólicas que, até pelo período em que ele foi feito, tornam-se ainda mais impactantes, como no momento em que o menino contrabandeia um disco com a gravação de um dos discursos de Hitler. O disco, então, passa a ser executado num prédio completamente abandonado, aonde, literalmente, as palavras do Führer se "perdem" em mio aos escombros. Nesse momento, passa um pai com o seu filho pequeno, e ele claramente, mostra-se envergonhado diante da criança, como se disse ao pequeno: "Desculpe." Inclusive, antes do filme, o cineasta Rossellini avisa que o seu filme não é para julgar o povo alemão, e sim, mostrar as consequências do que o fanatismo e da guerra podem causar a um povo. Nesse aspecto, o discurso do senhor doente, é bem significativo, pois, já que mostra um claro e autêntico arrependimento por ter seguido alguém como Hitler.

O que talvez incomode um pouco seja o já velho conhecido histrionismo do cinema italiano, com suas falas rápidas, e seus jogos de câmera muito bruscos. Às vezes, fica difícil acompanhar os diálogos e as ações, como um todo, mas, depois de um tempo, a narrativa flui bem, e passamos a nos envolver mais com os personagens, algo essencial para esse tipo de filme. Pelo tom documental, não há muito o que se esperar da história, a não ser um apanhado muito interessante (e, claro, sofrido) de como uma nação destruída por suas próprias ideologias, resiste e tenta sobreviver em meio à desesperança. Para os personagens de "Alemanha Ano Zero" não há anseio maior do que ter o que comer, nem que, pra isso, seja preciso roubar ou coisa pior.




Com o passar do tempo, e com a situação cada vez mais difícil, o menino protagonista do filme, mesmo já dando provas de um amadurecimento precoce, vai se ver num dilema, numa dura decisão que poderá perseguí-la pelo resto da vida. E, mesmo após de sua complicada decisão, ele mostra que ainda é uma criança, com toda a carga de inocência que essa fase possa ter. Continua a brincar em meio aos escombros de Berlim, mas, a culpa não o deixa, e é nesse ambiente desolador que presenciamos o começo do renascimento alemão, totalmente desprovido de heroísmo ou mensagens edificantes; apenas a crueza que a vida impõe.

O filme, em si, envolve muito bem o espectador, com os dramas que circundam cada personagem. Mesmo que as atuações, por vezes, aparentem ser um tanto artificiais, só a situação já é suficiente para nos sentirmos naquele ambiente, sentido, mesmo que de relance, a angústia e as dúvidas de cada um. Em termos de cinema, "Alemanha Ano Zero" poderia ser só um pouco mais trabalhado, até porque, ele é bem curto, e as histórias ali renderiam mais. No entanto, esse também é um dos seus grandes trunfos, pois, ao não se alongar em situações que poderiam desencadear num pieguismo irritante, o filme se mostra "seco" em sua abordagem, deixando as sentimentalidades a cargo do espectador, que, decerto, saberá extrair aqui a intenção do diretor: mostrar que numa guerra não existem vencedores; só perdedores (alguns mais do que outros).


Nota: 8/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…