Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Castelo Animado" (2004)
Direção: Hayao Miyazaki


Nos últimos anos, as animações vem perdendo um pouco de sua encanto natural. No ocidente, em especial, os mais sensíveis desenhos animados feitos recentemente foram "Wall-e" e "Up - Altas Aventuras". O restante se concentra em produções que mesclam desde o pieguismo barato às  sátiras de cunho humorístico, tipo "Shrek". As animações atuais, portanto, estão mais preocupadas em serem "cínicas" do que passarem algo de verdadeiramente relevante para as crianças (em tese, o seu público alvo). Por isso mesmo o cinema de Miyazaki, além de formidável em vários aspectos, é importante. Nitidamente, ele fazia filmes para crianças, que, eventualmente, emocionavam também o público adulto.

"O castelo Animado" pode não se igualar aos maiores clássicos do diretor, como "Princesa Mononoke" ou "A Viagem de Chihiro", mas, com certeza, é um de seus trabalhos mais bonitos. Bastou, pra isso, que se pegasse uma história simples de amor, e colocasse boas metáforas nos momentos certos. De início, acompanhamos a vida de Sophie, uma jovem que trabalha numa loja que confecciona chapéus. O mundo em que ela vive é um lugar mágico, aonde as nações são repletas de bruxos e outros seres fantásticos. Um dos mais conhecidos na região aonde Sophie mora é o mago Hauru, que reside num castelo que "anda", e, segundo as lendas, devora os corações das lindas jovens por quem se apaixona.




Sophie, simplesmente, ignora tais histórias. Na realidade, ela também ignora as festas patrióticas que a cidade faz, em homenagem ao reinado que governa o país. Tenho uma vida bem mundana e alheia ao que acontece ao seu redor, um dia, Sophie é enfeitiçada por uma bruxa muito conhecida na região, Arachi, e que, segundo dizem, é apaixonada pelo mago Hauru. Após ser amaldiçoada, Sophie tem o corpo totalmente envelhecido, e, sem saber o que fazer, parte em busca nas terras mais altas, onde os magos mais poderosos habitam, e que, talvez, possam ajudá-la. Não demora muito, e é o castelo andante de Hauru que a "encontra". A partir daí, sua percepção das coisas começa a mudar completamente, a ponto de demonstrar sentimentos que nunca havia exposto antes.

O bem estruturado roteiro é uma mescla de boas reflexões a respeito de diversos assuntos. O mais claro, logo no início, trata da questão da velhice e as limitações que ela traz. Só que o espírito de Sophie continua jovem, e mesmo com as dificuldades de um corpo físico debilitado, sua força de vontade se sobressai, fazendo ela executar tarefas, aparentemente, impossível para alguém de idade avançada. O respeito aos mais velhos e a consciência que eles têm também são colocados de uma maneira muito orgânica na história, sem ficar com cara de "lição de moral". Num determinado momento, uma Sophie idosa fala: "Na minha idade, nada deveria me surpreender mais".




No sub-texto do roteiro, há elementos mais explícitos, como a crítica às guerras. Na histórias, várias nações estão em conflito, e, por isso, convocam diversos bruxos para ajudar nos combates. Esse tema não chega a tomar grande projeção na tela, o que é uma pena, pois, as cenas das batalhas são espetaculares, e o sentimento anti-belicista de Sophie e Hauru poderiam ter sido melhor explorado. Mesmo assim, não deixa de ser incrível que uma animação fale sobre a guerra de uma maneira mais adulta e crível do que muitas produções "sérias" por aí. E, mesmo assim, "O Castelo Animado" continua sendo uma produção, em essência, infantil. Não é à toa que Miyazaki é considerado um mestre do gênero.

Mas, as grandes batalhas dos personagens são mesmo internas. A grande luta num lugar que vive uma guerra intensa, com um reinado autoritário, é pelo direito à liberdade. Hauru, por exemplo, que à princípio não quer auxiliar nos combates, decide ajudar por conta própria que vê o perigo iminente que Sophie corre. E, mesmo assim, precisa lutar contra os seus próprios demônios internos e um segredo que guarda a repeito de seu coração (literalmente), e que fez dele um covarde até conhecer Sophie. Falando assim, parece até que a história é demasiadamente sentimentalista, mas, não é. As emoções pelas quais os personagens passam são genuínas, autênticas, sem cair nos lugares comuns das animações mais triviais.




Em termos técnicos, "O Castelo Animado" é um show visual. Em se tratando de Miyazaki, não deixa de ser meio óbvio, porém, sempre é preciso ressaltar o cuidado que os Estúdios Ghibli têm em suas produções, privilegiando uma animação mais tradicional, e inserindo algum efeito computadorizado mais elaborado só quando é preciso. As cenas, por exemplo, que envolvem, o castelo andante são um deslumbre. Porém, nem tudo são flores. O roteiro, às vezes, peca por algumas ações absurdas dos personagens, aquela típica situação em que se faz tudo errado para a ação acontecer. São falhas pontuais, mas, que, por isso, mesmo poderiam ter sido evitadas.

E, aqui temos, pra "variar", mais um grande trabalho deste simpático senhor chamado Hayao Miyazaki. Não chega a ter o mesmo poder e carisma de muitas das animações anteriores do diretor, mas, ainda assim, consegue estar bem acima da média do que é feito atualmente no estilo. Um exemplo claro de que não é preciso subestimar a capacidade de entendimento das crianças, mas, ao mesmo tempo, não é necessário tanta acidez nos desenhos. Uma criança é inteligente (às vezes, até mais do que muito adultos por aí), e Miyazaki sempre soube tratá-las com o devido respeito. Obrigado (mais uma vez), mestre!


Nota: 8,5/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…