Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Comboio do Medo" (1977)
Direção: William Friedkin


Houve uma época que Hollywood topava investir projetos ambiciosos de diretores visionários (e, claro, completamente "loucos"). Não há como negar a coragem dos estúdios nos anos 70 em investiram em filmes que hoje seriam impraticáveis, tais como "O Poderoso Chefão", "Taxi Driver" e "Apocalipse Now". O longa "O Comboio do Medo", de um William Friedkin no auge, está nesse seleto grupo. Depois de ganhar o Oscar por "Operação França" e ter feito um sucesso estrondoso com "O Exorcista", o diretor, simplesmente, foi às florestas sul-americanas refilmar "O Salário do Medo", de Henri Georges-Clouzot, lançado em 1953. 

Tal ousadia teve seus resultados (negativos): "O Comboio do Medo" amargou um retumbante fracasso nas bilheterias ("Guerra nas Estrelas" tinha acabado de chegar aos cinemas, é bom lembrar). O filme, custeado em 22 milhões de dólares, amargou um prejuízo de 10 milhões, e foi o começo do ostracismo de Friedkin, que nunca mais se recuperou, e ainda hoje lança filmes aqui e acolá, mas, sem grande repercussão. A própria produção foi extremamente conturbada, com três meses de filmagens, na maior parte do tempo, no meio de uma floresta tropical. E, ainda há o fato de que William Friedkin nunca foi um profissional fácil de trabalhar. Porém, mesmo com o fracasso e todos os inconvenientes, "O Comboio do Medo" é um dos melhores filmes da década de 90, o que não é pouco.




Primeiro, temos aqui uma narrativa brilhante. O diretor sabe muito bem o QUE contar e QUANDO contar, não perdendo tempo com trivialidades. Os personagens principais vão sendo mostrados um a um, sem pressa. E, esse cuidado é essencial, pois, a construção dos personagens e sua motivações vão ser determinantes ao longo do filme. E, todos, com algum histórico de perseguição, encontram-se em Costa Rica, nação dominada por uma ferrenha ditadura, aonde a população local pobre é a que mais sofre com a exploração tanto das autoridades locais, quanto das empresas estrangeiras que recrutam trabalhadores quase em regime de escravidão.

A produção, na sua primeira metade, foca-se mais na relação dos personagens principais com essas situações, e como cada um reage e tenta sobreviver na medida do possível. É só no meio do filme que entendemos o porquê do título em português, e mesmo essa aparente "demora" para a ação, de fato, acontecer, não atrapalha de forma alguma o desenrolar da história, que é envolvente e interessante oi tempo todo. E, se a primeira hora da produção é reservada a um estudo de personagem simples, mas, enxuto e coeso, depois, temos algumas das mais impactantes cenas de um filme de sobrevivência que se tem notícia. A angústia e o sofrimentos de quem está numa situação extrema é palpável, e quase dá pra sentir o odor e o tato das coisas.




Ao mesmo tempo em que temos esses elementos, o pano de fundo do roteiro, habilmente, concentra-se numa crítica aos regimes ditatoriais que existiam naquele período, além de apontar o dedo para a exploração predatória de mega-empresas. Claro, não é nada realmente aprofundado, mas, acaba sendo melhor assim. Afinal, expor um pouco desses assuntos ali e acolá acaba gerando uma melhor reflexão do que tentar fazer algo que soe panfletário demais. Exemplo disso, é a impressionante cena de uma explosão que mata e fere diversos trabalhadores locais, quando o exército vais levar os corpos para a cidade, há uma verdadeira batalha campal, com a população completamente revoltada com o ocorrido. Uma sequência de grande impacto.

Por ser, em essência, um filme de sobrevivência, "O Comboio do Medo" tinha que nos apresentar personagens com quem nos importássemos. E, é isso o que ocorre, porém, mais uma vez, houve coragem por parte de seus realizadores, pois, assim como "Taxi Driver", os protagonistas do longa de Friedkin são tudo, menos carismáticos. Ao contrário: todos possuem ambições muitos particulares, e alguns não hesitariam em deixar os "companheiros" para trás, se preciso fosse. Só que é aí que reside o trunfo do roteiro: estamos diante de personagens, essencialmente, humanos, que, facilmente, encontraríamos na vida real. E, mesmo que a contragosto, torcemos por eles, e para que sobrevivam ao inferno pelo qual estão passando.




As atuações são formidáveis, em especial, a de Roy Scheider, recém-saído do mega-sucesso "Tubarão". Sua interpretação é visceral, indo de ataques de fúria, completamente irracionais, até olhares que dizem mais do que palavras. O restante do elenco também não fica atrás, tendo Bruno Cremer com destaque, num dos personagens que mais aparece em cena, e o que tem uma das histórias mais interessantes. Mas, o grande mérito do filme vai mesmo para o seu realizador, William Friedkin. Sua direção não é só segura, como vigorosa, e, em alguns casos, inventiva, com jogos de câmera que ajudam, de verdade, na narrativa, não sendo meros exercícios de estilo. De todo o contexto, só o roteiro que, em alguns momentos, apresenta falhas, com os personagens tomando algumas atitudes impensadas só para fazerem "a ação fluir". Mesmo assim, são pequenos erros pontuais.

"O Comboio do Medo", enfim, é uma experiência cinematográfica completa, e que ainda serve como "peça histórica" para mostrar o quanto Hollywood decaiu ao longo dos anos. Claro, ninguém mais espera que hoje, com os recursos técnicos, um cineasta precise deslocar toca uma equipe para outro país, em condições inóspitas. Mas, que, pelo menos, ainda se permanecesse a qualidade nos roteiros, atuações, direções, etc. Tudo bem que não nasce, todo dia, um Friedkin, um Coppola ou um Scorsese, mas, assistir a filmes como "O Comboio do Medo", acaba dando a inevitável sensação de nostalgia de que antes o cinema daquela época era melhor; bem melhor.


Nota: 9/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…