Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Comboio do Medo" (1977)
Direção: William Friedkin


Houve uma época que Hollywood topava investir projetos ambiciosos de diretores visionários (e, claro, completamente "loucos"). Não há como negar a coragem dos estúdios nos anos 70 em investiram em filmes que hoje seriam impraticáveis, tais como "O Poderoso Chefão", "Taxi Driver" e "Apocalipse Now". O longa "O Comboio do Medo", de um William Friedkin no auge, está nesse seleto grupo. Depois de ganhar o Oscar por "Operação França" e ter feito um sucesso estrondoso com "O Exorcista", o diretor, simplesmente, foi às florestas sul-americanas refilmar "O Salário do Medo", de Henri Georges-Clouzot, lançado em 1953. 

Tal ousadia teve seus resultados (negativos): "O Comboio do Medo" amargou um retumbante fracasso nas bilheterias ("Guerra nas Estrelas" tinha acabado de chegar aos cinemas, é bom lembrar). O filme, custeado em 22 milhões de dólares, amargou um prejuízo de 10 milhões, e foi o começo do ostracismo de Friedkin, que nunca mais se recuperou, e ainda hoje lança filmes aqui e acolá, mas, sem grande repercussão. A própria produção foi extremamente conturbada, com três meses de filmagens, na maior parte do tempo, no meio de uma floresta tropical. E, ainda há o fato de que William Friedkin nunca foi um profissional fácil de trabalhar. Porém, mesmo com o fracasso e todos os inconvenientes, "O Comboio do Medo" é um dos melhores filmes da década de 90, o que não é pouco.




Primeiro, temos aqui uma narrativa brilhante. O diretor sabe muito bem o QUE contar e QUANDO contar, não perdendo tempo com trivialidades. Os personagens principais vão sendo mostrados um a um, sem pressa. E, esse cuidado é essencial, pois, a construção dos personagens e sua motivações vão ser determinantes ao longo do filme. E, todos, com algum histórico de perseguição, encontram-se em Costa Rica, nação dominada por uma ferrenha ditadura, aonde a população local pobre é a que mais sofre com a exploração tanto das autoridades locais, quanto das empresas estrangeiras que recrutam trabalhadores quase em regime de escravidão.

A produção, na sua primeira metade, foca-se mais na relação dos personagens principais com essas situações, e como cada um reage e tenta sobreviver na medida do possível. É só no meio do filme que entendemos o porquê do título em português, e mesmo essa aparente "demora" para a ação, de fato, acontecer, não atrapalha de forma alguma o desenrolar da história, que é envolvente e interessante oi tempo todo. E, se a primeira hora da produção é reservada a um estudo de personagem simples, mas, enxuto e coeso, depois, temos algumas das mais impactantes cenas de um filme de sobrevivência que se tem notícia. A angústia e o sofrimentos de quem está numa situação extrema é palpável, e quase dá pra sentir o odor e o tato das coisas.




Ao mesmo tempo em que temos esses elementos, o pano de fundo do roteiro, habilmente, concentra-se numa crítica aos regimes ditatoriais que existiam naquele período, além de apontar o dedo para a exploração predatória de mega-empresas. Claro, não é nada realmente aprofundado, mas, acaba sendo melhor assim. Afinal, expor um pouco desses assuntos ali e acolá acaba gerando uma melhor reflexão do que tentar fazer algo que soe panfletário demais. Exemplo disso, é a impressionante cena de uma explosão que mata e fere diversos trabalhadores locais, quando o exército vais levar os corpos para a cidade, há uma verdadeira batalha campal, com a população completamente revoltada com o ocorrido. Uma sequência de grande impacto.

Por ser, em essência, um filme de sobrevivência, "O Comboio do Medo" tinha que nos apresentar personagens com quem nos importássemos. E, é isso o que ocorre, porém, mais uma vez, houve coragem por parte de seus realizadores, pois, assim como "Taxi Driver", os protagonistas do longa de Friedkin são tudo, menos carismáticos. Ao contrário: todos possuem ambições muitos particulares, e alguns não hesitariam em deixar os "companheiros" para trás, se preciso fosse. Só que é aí que reside o trunfo do roteiro: estamos diante de personagens, essencialmente, humanos, que, facilmente, encontraríamos na vida real. E, mesmo que a contragosto, torcemos por eles, e para que sobrevivam ao inferno pelo qual estão passando.




As atuações são formidáveis, em especial, a de Roy Scheider, recém-saído do mega-sucesso "Tubarão". Sua interpretação é visceral, indo de ataques de fúria, completamente irracionais, até olhares que dizem mais do que palavras. O restante do elenco também não fica atrás, tendo Bruno Cremer com destaque, num dos personagens que mais aparece em cena, e o que tem uma das histórias mais interessantes. Mas, o grande mérito do filme vai mesmo para o seu realizador, William Friedkin. Sua direção não é só segura, como vigorosa, e, em alguns casos, inventiva, com jogos de câmera que ajudam, de verdade, na narrativa, não sendo meros exercícios de estilo. De todo o contexto, só o roteiro que, em alguns momentos, apresenta falhas, com os personagens tomando algumas atitudes impensadas só para fazerem "a ação fluir". Mesmo assim, são pequenos erros pontuais.

"O Comboio do Medo", enfim, é uma experiência cinematográfica completa, e que ainda serve como "peça histórica" para mostrar o quanto Hollywood decaiu ao longo dos anos. Claro, ninguém mais espera que hoje, com os recursos técnicos, um cineasta precise deslocar toca uma equipe para outro país, em condições inóspitas. Mas, que, pelo menos, ainda se permanecesse a qualidade nos roteiros, atuações, direções, etc. Tudo bem que não nasce, todo dia, um Friedkin, um Coppola ou um Scorsese, mas, assistir a filmes como "O Comboio do Medo", acaba dando a inevitável sensação de nostalgia de que antes o cinema daquela época era melhor; bem melhor.


Nota: 9/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…