Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Invasão Zumbi" (2016)
Direção: Yeon Sang-ho


"Filmes de nicho" são um complicados, pois, além do público ser pouco exigente quanto a eles, os próprios realizadores não se esforçam muito em saírem dos lugares-comuns. Peguemos as produções de zumbis, por exemplo. Quantas, nos últimos anos, ficaram acima da média e tentaram mostrar alguma novidade, por menor que fosse? A memória, agora, só me faz recordar do espanhol "[Rec]", e só. O resto é o de sempre: carnificina, luta plea sobrevivência, e mais carnificina. Todos os filmes de zumbi, é verdade, têm um teor político, por mais sutil que seja, mas, a grande maioria é, simplesmente, muito mal feita. E, é por isso que "Invasão Zumbi" chega como uma estrondosa surpresa.

Primeiro, não esperem que essa produção sul-coreana traga algo de inovador. O fio narrativo que a conduz, por sinal, é bastante simples: uma orda de zumbis começa a atacar pessoas desavisadas num trem bala que está indo para a cidade de Busan. Antes da "invasão zumbi"  (título nacional muito "criativo", pra não dizer o contrário), somos apresentados aqueles que serão os grandes protagonistas da história: Seok-Woo e sua filha Soo-An. Sem alarde, e com parcimônia, os dez primeiros minutos de filme servem para que possamos ver a relação conflituosa desses dois; um, sendo um pai ausente, mais preocupado com o trabalho do que com a família, e a outra, uma menina muito inteligente, mas, carente de afeto do pai.




O bom de tudo é que o roteiro (muito inteligente) não se foca somente em Seok-Woo e Soo-An, mas, sim, em outros personagens tão cativantes quanto, e com personalidade tão próprias, que você se importa realmente com o destino deles, algo não muito corriqueiro nos filmes de terror atuais, em que os personagens principais só servem para morrer de maneira violenta. Mesmo que em "Invasão Zumbi" todos pareçam personagens um tanto triviais, a trama consegue dar humanidade suficiente a eles para que torçamos por todos (ou, quase todos). Um dos coadjuvantes aqui que merece destaque, sem dúvida, é Sang-Hwa, que, aparentemente, serve como alívio cômico na história, mas, que, aos poucos, vai ganhando uma importância considerável.


E, como todo bom filme de zumbo que presta a se tornar um clássico instantâneo, o sub-texto político de "Invasão Zumbi" é muito bem alicerçado. No começo, não sabemos de nada sobre a epidemia que transformas as pessoas em mortos-vivos, para depois, entendermos de quem se trata a culpa, e o dedo na ferida num mundo cada vez mais liberal é considerável. A figura do Estado também aparece de forma dantesca, e não à toa, os zumbis são chamados pelas autoridades de "manifestantes", e perdem à população o velho clichê de manterem a calma. Mas, as provocações na história do filme não param por aí. Dentro do trem para Busan está, justamente, uma megaempresário que personifica toda a causa do inferno pelo qual os personagens estão passando. Pode soar meio maniqueísta, porém, a construção do personagem é tão bem-feita que esse artifício um pouco simplista passa batido.




Outra coisa interessante que se nota no filme é a sua incrível capacidade de intercalar uma ação quase que ininterrupta com momentos dramáticos ou de crítica social. Cada um desses elementos isoladamente são ótimos dentro do filme, mas, a superposição deles é feita de maneira tão orgânica que simplesmente não não piscamos durante a sua duração de quase duas horas. A cada minuto há algo de interessante passando na tela, de maneira bem elaborada, criativa e espontânea. Claro, deve ter ajudado muito o fato do diretor de "Invasão Zumbi" ser oriundo das animações japonesas, que, em muitos aspectos, supera os tradicionais desenhos hollywoodianos.

Talvez choque aos mais desavisados a forma cruel como o destino de alguns personagens é apresentada, o que, pra quem já conhece o cinema sul-coreano, não é novidade nenhuma. Levando ao pé da letra o conceito de tragédia grega, os filmes de lá não têm pudor em fazer seus personagens sofrerem dores irreparáveis, contanto que isso seja crível para a história que está sendo contada. Isso também dá um tom mais realista aqui, contrastando com a maioria das produções mainstream norte-americanas, aonde todos, milagrosamente, salvam-se no final. Inclusive, lembrem-se de que "Invasão Zumbi" se passa na Coreia do Sul, portanto, não há uma arma de fogo a cada dois metros à disposição dos personagens, não. Para enfrentar os mortos-vivos, usam qualquer coisa que estiver à mão, o que acaba deixando tudo mais tenso.




Não há como deixar de parabenizar também o estupendo trabalho de todo o elenco, que está muito bem. Kim Soo-Ahn, que interpreta a menina, é um verdadeiro achado. Ela atua melhor do que muitos adultos "consagrados" por aí. Já, Gong Yoo, que faz o pai dela, também está igualmente brilhante, passando ora, muita indiferença e cinismo, ora muita angústia e desespero, sem nunca parecer caricato. Por sinal, pra quem tem um pé atrás quanto às interpretações em produções orientais, pode descansar aqui. Nenhuma é forçada ou passa dos limites, o que ajuda muito a dar verossimilhança à trama e às suas situações de pura catarse. E, é nessa catarse, num crescendo de emoções, que o filme vai ganhando força até, no final, deixar o espectador "exausto".

A cada dia, "Invasão Zumbi" vai ganhando o status merecido de grande filme. Tanto é que está começando a ficar sacal dizer que a produção é o melhor filme de terror de 2016, e o melhor filme de zumbi deste século. Parece até exagero, mas, o filme sul-coreano realmente é completo dentro do "cinema de nicho" ao qual pertence, e ainda extrapola essa barreira, ao investir em algo bastante universal: o drama humano diante do desconhecido, e a ganância, o egoísmo e a estupidez tomando conta das pessoas nos momentos mais difíceis. Que outro blockbuster atual iria tão longe ao fazer uma análise tão afiada a respeito de uma sociedade que está, cada vez mais, canibalizando-se, e se transformando em autênticos zumbis? E, quem diria que um filme desse gênero pudesse ensinar tanto? Precisa-se dizer algo mais?


Nota: 9,5/10


Comentários

  1. Haha,segui a dica e amei esse DRAMA ZUMBI, diferenciado. Um filme de suspense/terror e drama são as sensações que passa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…