Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Temporário 12" (2013)
Direção: Destin Daniel Cretton


Filmes com lição de moral sempre correm o risco de serem piegas demais, afastando aquele público mais exigente. Isso porque, além das boas intenções (totalmente louváveis), estamos falando de cinema, e como tal, precisa ter boa direção, boas atuações e bom roteiro para que tudo se junte à ideia central, e a mensagem possa ser vista pelo máximo de pessoas possível. "Temporário 12", do estreante Destin Daniel Cretton vai nessa linha: é muito bem realizado, mas, os seus princípios estão lá, intactos e visíveis, algo, mais ou menos, na mesma linha do fantástico "O Substituto - Indiferença".

Foi a partir de um curta metragem de 2008 que o diretor ampliou o conceito da ideia, e fez este "Temporário 12". A trama se baseia nas experiências pessoais do próprio cineasta, que colheu, através de depoimentos, um pouco do que vemos no longa, com algumas adaptações e modificações nos nomes, claro. Tudo se passa num centro de acolhimento para jovens em situação de risco, e como é o dia a dia neste local. A trama tem como foco Grace, supervisora da instituição que, além de lidar com os problemas pessoais de cada um dos jovens, ainda precisa administrar traumas de infância que, vez ou outra, atormentam sua vida.




Tenho que admiti que o início do filme é um tanto forçado e caricato, com uma conversa que beira o ridículo só para tentar mostrar um pouco da personalidade de cada um dos personagens, de Grace, ao seu namorado Mason, chegando ao novato e inexperiente Nate. Existem artifícios melhores para começar mostrando os protagonistas de um filme, e este, sem dúvida, não é um deles. Ficou estranho, como se tivéssemos no meio da verborragia das produções de Tarantino, o que, evidentemente, acabou deslocado do contexto. Felizmente, após esse início ruim, "Temporário 12" se "acalma", e passa a desenvolver a trama com paciência e com interesse suficiente para prender a atenção do espectador.

À primeira vista, as histórias dos jovens ali na instituição parecem muito clichês, mas, a forma como elas vão sendo abordadas faz tudo soar natural, espontâneo, dando a impressão de que estamos diante de um documentário. E, essa forma do roteiro tratar todos esses pequenos dramas é muito interessante, pois, testar o nosso poder de empatia, obrigando a gente a aguardar os desdobramentos da história para que possamos gostar daqueles jovens, e entender, de algum modo, o porquê de tanta revolta. Os que melhor são desenvolvido nessa aspecto são Marcus e Jayden, cuja revolta  de ambos é, mais ou menos, similar, e são o que, aparentemente, precisam de maiores cuidados.




É também muito interessante a forma como Grace é mostrada ao longo da história. Mesmo sendo a supervisora do local, e mostrando mais equilíbrio no trato com os adolescentes internados ali, ela, assim como aqueles jovens, expõe, em alguns momentos, as suas fraquezas, mostrando que até ela é uma pessoa comum, e que não pode resolver tudo. Por sinal, em situações pontuais são alguns dos internos que a colhem mais e a ajudam do que vice e versa. A relação dela com Mason é igualmente bem construída, sem grandes arroubos dramáticos, e ainda justificando, em determinado instante, o porquê de ambos trabalharem em algo assim. São momentos bonitos, honestos, e que fogem a qualquer forma de pieguismo.

Para compor personagens tão bons era necessário que o elenco estivesse afiado, e, ainda bem, é o que encontramos em "Temporário 12". O destaque, nesse sentido, claro, vai para Brie Larson, que faz muito bem uma Grace, em certos momentos, esgotada com o seu trabalho, mas, incentivada a todo instante a continuar. Sem precisar ser uma interpretação histriônica, ela convence com pequenos gestos aqui e acolá. John Gallagher Jr. faz um Mason sem muito esforço também, apenas se deixando levar pelo bom texto, e os diálogos naturais. Até Rami Malek, o Mr. Robot da série de TV, tem tempo suficiente para mostrar talento. E, o elenco juvenil (de Keith Stanfield a Kaitlyn Dever) entregam performances muito convincentes, o que abrilhanta ainda mais o filme. 




Mas, o grande mérito da produção, mesmo, vai para o cineasta Destin Daniel Cretton. A partir de um fio narrativo simples, ele conseguiu fazer um drama muito interessante sobre um recorte social que, muitas vezes, passa batido por todos: os dramas de crianças e adolescentes abusados e agredidos que não encontram outra perspectiva a não ser a de revolta contra tudo e todos. Como um "Meu Mestre, Minha Vida" mais moderno, "Temporário 12" está naquele rol de filmes que podem até ser julgados de piegas e moralistas, mas, cujos princípios, envolvendo o mais puro altruísmo, são mais fortes do que qualquer julgamento precipitado. É, enfim, um filme cativante, e por que não dizer?, necessário.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…