Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Kubo e as Cordas Mágicas" (2016)
Direção: Travis Knight


Apesar de termos tido muitas animações elogiadas em 2016 (como os superestimados "Zootopia" e "Anomalisa"), o ano que passou não foi tão bom assim nesse quesito. Na realidade, o que tivemos foram várias produções pretensiosas, que, por não terem uma condução bem-feita, ou apelaram demais para clichês, ou simplesmente ficaram no meio do caminho. "Kubo e as Cordas Mágicas", ao contrário, mostrou ser a grande animação de 2016 por causa de um diferencial bem básico: a história é simples, mas, é bem contada e cativa a todos, sem carregar demais no melodrama.

Outro ponto a favor do filme é a sua estupenda animação em stop motion, que de tão bem elborada, nem parece stop motion. Os cenários, a ação, o design dos personagens, enfim, tudo foi feito por gente que, notadamente, gosta desse tipo de animação, e o resultado é nada menos do que deslumbrante. E, o roteiro, em si, não tem nada de novo, mas, prende a atenção, e reserva até algumas surpresas no decorrer da trama, o que é sempre bem-vindo. A história, é bom ressaltar, tem nuances que merecem uma atenção maior, como o fato do poder de Kubo ser o de dar vida a objetos inanimados, exatamente como o stop motion faz, num exercício muito criativo de metalinguagem.




O enredo conta a história do menino do título, que morando com sua mãe numa aldeia, usa de poderes mágicos para entreter a população local, ao mesmo tempo que precisa cuidar de sua mãe, traumatizada por eventos de seu passado. É quando os espíritos de suas tias e de seu avó voltam para atormentar a sua vida, que Kubo precisará entender o que aconteceu no passado, em especial, ao seu pai, e deter essa ameaça que paira sobre a cidade e a si próprio. Parte, então, em busca de uma armadura que lhe dará poder para enfrentar seu avó de igual para igual.

Sim, o roteiro é um pouco esquemático, e meio que já sabemos o que vai acontecer no final, mas, nem por isso, a produção perde o seu interesse, muito menos, o seu encanto. Apostando numa aventura aos moldes clássicos, mas, com algumas mensagens críticas (e, até de grande profundidade) espelhadas ao longo da narrativa, "Kubo e as Cordas Mágicas" tem cada um dos seus elementos bem dosados, nenhum se sobrepondo ao outro, fazendo tudo o que se espera nesse tipo de produção, só que sem inventar demais, e ainda sendo um tanto ousado em momentos pontuais.




Por sinal, o clima da animação aqui está mais para os Estúdios Ghibli do que para as produções da Disney. Há andamentos bem lentos e contemplativos na história, lembrando um pouco as melhores produções de Miyazaki, inclusive, no trato respeitoso à questão da natureza. Obviamente, há momentos de humor ao longo do filme, mas, eles não são forçados e fazem rir mais como uma forma de descontração para amenizar todo o drama que a trama possui, e não para forçar a piada acontecer, mal do qual padeceu (e, MUITO) o insosso "Zootopia".

Os personagens são todos cativantes, do protagonista que dá título à obra, passando por uma macaca que passa a ajudar Kubo em sua jornada, e até um samurai amaldiçoado na forma de um besouro (o grande alívio cômico do desenho). Até os vilões brilham bastante, com destaque para as tias de Kubo (bem macabras e sendo protagonistas de cenas de ação de dar inveja à muita superprodução por aí), além do grande antagonista da história, o avó do pequeno herói, que só aparece no final, e realmente amedronta.




Sem apelar para soluções mirabolantes, nem querer ser pretensioso ao falar do que não tem propriedade, "Kubo e as Cordas Mágicas" é uma animação bastante bonita, que, eventualmente, flerta com assuntos bem adultos e maduros, além, é claro, de prestar homenagens muito interessantes à cultura japonesa. É o tipo de filme que crianças gostarão mais pelos personagens e pela ação, e os adultos, mais pela história e pelas intenções das mensagens. Nada de extraordinário, é verdade, mas, trata-se de algo realizado com tanto esmero, contado de uma maneira tão singela, que a coloca no pódio da grande animação de 2016.


Nota: 8,5/10


Comentários

  1. Estes tipos de filmes são dos meus preferidos, por que me diverte por um tempo. Kubo e as cordas mágicas é um filme muito divertido e obviamente como a maioria dos filmes animados tem uma mensagem muito linda, e o bom nivel de animação. E se você tiver crianças, eu tenho certeza que eles vão adorar também, garantido. A trilha sonora é uma peça perfeita para este filme. O que mais me surpreendeu foi a dublagem de Matthew McConaughey 2017 por que este ator nos deixa outro projeto de qualidade, de todas as suas filmografias essa é a que eu mais gostei, acho que deve ser a grande variedade de talentos. É uma produção espetacular, desfrutei muito. No resultado uma surpresa ao ver que o filme funcionou de forma maravilhosa pela grandíssima mescla, acertada, de humor, entretenimento e boníssima animação.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…