Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"Eduardo Marinho: Observar e Absorver"
2016
Direção: Júnior SQL


AS PESSOAS SIMPLES, E SUAS IDEIAS FANTÁSTICAS

"Que porra de mundo é esse que tem tanta gente sofrendo? Por quê eu tive acesso a tantos privilégios? O que foi que eu fiz para merecer isso?"

Nessa sociedade de espetáculo, muitas pseudocelebridades aparecem e somem com uma velocidade impressionante. Mais impressionante ainda é a capacidade dessas pessoas em não dizerem absolutamente nada de útil. Portanto, é reconfortante que, vez ou outra, surjam figuras como Eduardo Marinho, cujas ideias são bastante coerentes. Este documentário "Observar e Absorver" traça um panorama de sua visão de mundo muito peculiar, além de abordar aspectos de sua vida pessoal que foram determinantes para fazer de Eduardo Marinho quem ele é hoje.




"O treinamento no Exército era embrutecedor ao extremo, tornando você capaz de fazer qualquer barbaridade, qualquer maldade, qualquer violência; com qualquer um. Bastava receber uma ordem."

O documentário é muito feliz ao expôr o ser humano Eduardo Marinho como pensador da realidade, mas, também como trabalhador do dia a dia, como qualquer um de nós. Tanto é que começa com ele colocando seu material de trabalho (gravuras que ele mesmo faz) numa kombi, e indo expôr tudo num lugar fixo da cidade. As gravuras, por sinal, não são meras ilustrações: são retratos de gente que contribuiu muito com suas ideias para o mundo, ou, simplesmente, gente anônima , até mesmo mesmo apenas algumas frases. Tudo, obviamente,passando uma mensagem que gere alguma provocação, alguma reflexão, e, até mesmo, alguma atitude diante do caos em que vivemos.

É na conversa de rua, com os transeuntes, que Eduardo Marinho de solta, às vezes, dialogando por muito tempo com um grupo de pessoas, mesmo que elas não lhe comprem nada, mas, a mensagem foi, de qualquer jeito, passada. Quando fala sobre o seu passado no convívio com uma família conservadora, Eduardo não esconde uma certa angústia, principalmente, quando se lembra e reflete a forma como foi educado por seus pais, pra que estudasse e "vencesse na vida", ignorando os problemas ao seu redor. Foi, então, que, inquieto, ele decidiu abandonar a família para não mais voltar, para, inicialmente, saber o que era não ter nada.




"Não quero ser melhor do que ninguém. Se eu sou melhor do que você em uma coisa, você vai ser melhor do que eu em outra coisa. Isso é uma estupidez programada para as pessoas virarem adversários."

"Observar e Absorver" é um ótimo documentário, que dá vez e voz para alguém realmente coerente, que faz os questionamentos certos na ápoca certa. Talvez, a única falha da produção seja sua curta duração, pois, fica a impressão de que Eduardo Marinho tem tanto a dizer que pouco mais de 70 minutos não são suficientes. Mesmo assim, o filme serve como uma ótima porta para as ideias deste cidadão, que vem fazendo por merecer toda a atenção que vem tendo nos últimos tempos. E, que assim como o rapper Criolo, e tanto outros, é um artista na melhor acepção da palavra: um autêntico contestador. Que as ideias de Eduardo Marinha jamais se percam no esquecimento.


Documentário completo no Youtube:


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…