Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Cassino"
1995
Direção: Martin Scorsese


O SUBMUNDO DO JOGO PELA VISÃO DE UM MESTRE

Scorsese é um dos poucos cineastas em atividade que, com raríssimas exceções, parece sempre estar no auge em seus filmes. Portanto, chega a ser meio contrário falar em melhor filme dele, mas, neste caso aqui, é inevitável: "Cassino" é, sem dúvida, um dos melhores filmes do diretor, ao lado de "Taxi Diver", "O Rei da Comédia" e "Gangues de Nova York". Trata-se de mais uma parceria com o estupendo Robert De Niro, e sim, Scorsese fala de um dos seus assuntos preferidos: a máfia, só que, desta vez, somos apresentados à corrupção que está por trás dos jogos de azar, com recorte num local específico: Las Vegas.




O filme é baseado no livro homônimo de Nicholas Pileggi, e conta a trajetória de  Sam "Ace" Rothstein, que, de mero apostador em jogos de azar, passou a supervisionar o cassino Tangiers, em Las Vegas, a mando da máfia. Saímos, portanto, do usual ambiente novaiorquino de Scorsese, mas, continuamos a presenciar a violência sem limites do crime organizado. aqui, encarnada, em parte,pelo insano Nicky Santoro, cujo trabalho é supervisionar para que o dinheiro desviado do cassino chegue a Chicago. E, como é de costume no cinema do diretor, temos também a desconstrução do "sonho americano", que, no filme, está muito bem representada pela ambiciosa Ginger, prostituta que acaba se relacionando com "Ace". Ambição, por sinal, é a palavra-chave para esses personagens, e cada um, a sua maneira, irá tentar realizar seus desejos.

É preciso destacar, antes de tudo, o ritmo alucinante de "Cassino". As suas quase três horas de duração podem assustar um pouco, mas, bastam os primeiros segundos dos crédito iniciais, para nos envolvermos na história de tal maneira, que é quase impossível desviar a atenção dos mínimos detalhes. E, percebam que Scorsese até, de certa forma, "engana" o espectador, com um início bastante impactante, e, depois, os créditos do filme intercalados com música clássica. Algo bem tranquilo. Porém, quando o filme "começa" de fato, entendemos o porquê o cineasta é tão cultuado no mundo do cinema. O dinamismo de sua câmera, que "desliza" pelos cenários quase como uma cúmplice involuntária, unido aos diálogos e narrações em off dos personagens (narrações, essas, que nunca incomodam, nem expõem mais do que o necessário), finalizando com um trabalho espetacular dos atores, em especial, Robert De Niro, Joe Pesci e Sharon Stoine, todos magníficos.




O roteiro, escrito por Scorsese e pelo escritor da obra original, Nicholas Pileggi, consegue, ser bem estruturado e, ao mesmo acessível, não perdendo tempo com situações sem importância para a trama. Não é exagero dizer que todas as cenas de "Cassino" (TODAS!) são essenciais para a história. Das negociatas dos chefões da máfia, passando pelas torturas cometidas por Nick, à luta de "Ace" para conseguir um alvará de funcionamento do cassino, até a exposição de sua vida pessoal com Ginger, cada momento é precioso, formando um painel trágico de um mundo completamente deteriorado. Chega a ser irônico que o único personagem com o mínimo de ética na história seja justamente "Ace", aquele que comanda um dos mais promissores cassinos de Las Vegas com mão de ferro, mas, até certo ponto, com alguma justiça.  

Se há sequências impactantes no filme? Sim, há, e, interessantemente, envolvendo todos os personagens em situações distintas. A cena em que Nick coloca a cabeça de um homem num torno é de uma brutalidade incrível (porém, não gratuita). Já, no momento em que Ginger está descontrolada, bêbada e drogada, e invade a casa de "Ace" para pegar os seus pertences, é um momento igualmente tenso. E, até mesmo a via crucis de "Ace" para conseguir o seu alvará de funcionamento rende momentos memoráveis na produção, principalmente, quando o personagem esbarra não só na burocracia do Estado, mas, na corrupção totalmente entranha nele. São críticas mordazes ao sistema em todos os seus níveis, mostrando que, quando a pessoa passa a não mais interessante no esquema, e se torna até mesmo um incômodo, ela é descartada de todas as formas. 





De todas as qualidades de "Cassino", a mais visível, sem dúvidas, são as atuações. Mesmo que Robert De Nriro e Joe Pesci repitam praticamente todos os trejeitos dos seus personagens em "Os Bons Companheiros", é sempre um deleite vê-los interagindo mais uma vez, com a energia e naturalidade que são comuns a eles. Agora, quem surpreende é Sharon Stone, num papel que, realmente, dá espaço para ela brilhar. O resultado é bem acima da média, num nível de entrega, que prova que, às vezes, basta um ótimo realizador como Scorsese para exigir do ator o que ele tem de melhor. E, falando em Scorsese, ele está fenomenal como nunca aqui. Sua direção é soberba, não perdendo o "tempo" da história, e fazendo com que a gente se interesse pelo desenrolar dos acontecimentos até o último instante. Só quem tem cacife como ele consegue dominar uma narrativa, às vezes, tão complexa e cheia de informações de uma maneira tão espontânea. Vale chamá-lo de mestre? Creio que sim.

"Cassino", mesmo não sendo tão lembrado na extensa filmografia do diretor como, de fato, merecia é, não só um dos melhores filmes dele, como também é uma das melhores produções sobre a máfia, e, com o perdão da "heresia", rivalizando bem com "O Poderoso Chefão" e com "Os Intocáveis". Elementos para isso não faltam, desde uma direção magistral, que torna a narrativa fluida em longas três horas de duração, até as atuações incríveis de gente de peso. Ao mesmo tampo que é um retrato trágico de um submundo do qual não estamos familiarizados, mas, que, muitas vezes, determinam os principais acontecimentos na sociedade. De maneira minimalista, o filme também se mostra um painel triste sobre o resultado de muitas ambições da vida moderna, como o dinheiro fácil, o status, o glamour. E, que tudo isso esteja inserido numa "produção de máfia", faz de "Cassino" não só um clássico recente da sétima arte, como também um belo estudo sobre a sociedade atual, e no que ela se tornou. 


Nota: 9,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…