Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Cassino"
1995
Direção: Martin Scorsese


O SUBMUNDO DO JOGO PELA VISÃO DE UM MESTRE

Scorsese é um dos poucos cineastas em atividade que, com raríssimas exceções, parece sempre estar no auge em seus filmes. Portanto, chega a ser meio contrário falar em melhor filme dele, mas, neste caso aqui, é inevitável: "Cassino" é, sem dúvida, um dos melhores filmes do diretor, ao lado de "Taxi Diver", "O Rei da Comédia" e "Gangues de Nova York". Trata-se de mais uma parceria com o estupendo Robert De Niro, e sim, Scorsese fala de um dos seus assuntos preferidos: a máfia, só que, desta vez, somos apresentados à corrupção que está por trás dos jogos de azar, com recorte num local específico: Las Vegas.




O filme é baseado no livro homônimo de Nicholas Pileggi, e conta a trajetória de  Sam "Ace" Rothstein, que, de mero apostador em jogos de azar, passou a supervisionar o cassino Tangiers, em Las Vegas, a mando da máfia. Saímos, portanto, do usual ambiente novaiorquino de Scorsese, mas, continuamos a presenciar a violência sem limites do crime organizado. aqui, encarnada, em parte,pelo insano Nicky Santoro, cujo trabalho é supervisionar para que o dinheiro desviado do cassino chegue a Chicago. E, como é de costume no cinema do diretor, temos também a desconstrução do "sonho americano", que, no filme, está muito bem representada pela ambiciosa Ginger, prostituta que acaba se relacionando com "Ace". Ambição, por sinal, é a palavra-chave para esses personagens, e cada um, a sua maneira, irá tentar realizar seus desejos.

É preciso destacar, antes de tudo, o ritmo alucinante de "Cassino". As suas quase três horas de duração podem assustar um pouco, mas, bastam os primeiros segundos dos crédito iniciais, para nos envolvermos na história de tal maneira, que é quase impossível desviar a atenção dos mínimos detalhes. E, percebam que Scorsese até, de certa forma, "engana" o espectador, com um início bastante impactante, e, depois, os créditos do filme intercalados com música clássica. Algo bem tranquilo. Porém, quando o filme "começa" de fato, entendemos o porquê o cineasta é tão cultuado no mundo do cinema. O dinamismo de sua câmera, que "desliza" pelos cenários quase como uma cúmplice involuntária, unido aos diálogos e narrações em off dos personagens (narrações, essas, que nunca incomodam, nem expõem mais do que o necessário), finalizando com um trabalho espetacular dos atores, em especial, Robert De Niro, Joe Pesci e Sharon Stoine, todos magníficos.




O roteiro, escrito por Scorsese e pelo escritor da obra original, Nicholas Pileggi, consegue, ser bem estruturado e, ao mesmo acessível, não perdendo tempo com situações sem importância para a trama. Não é exagero dizer que todas as cenas de "Cassino" (TODAS!) são essenciais para a história. Das negociatas dos chefões da máfia, passando pelas torturas cometidas por Nick, à luta de "Ace" para conseguir um alvará de funcionamento do cassino, até a exposição de sua vida pessoal com Ginger, cada momento é precioso, formando um painel trágico de um mundo completamente deteriorado. Chega a ser irônico que o único personagem com o mínimo de ética na história seja justamente "Ace", aquele que comanda um dos mais promissores cassinos de Las Vegas com mão de ferro, mas, até certo ponto, com alguma justiça.  

Se há sequências impactantes no filme? Sim, há, e, interessantemente, envolvendo todos os personagens em situações distintas. A cena em que Nick coloca a cabeça de um homem num torno é de uma brutalidade incrível (porém, não gratuita). Já, no momento em que Ginger está descontrolada, bêbada e drogada, e invade a casa de "Ace" para pegar os seus pertences, é um momento igualmente tenso. E, até mesmo a via crucis de "Ace" para conseguir o seu alvará de funcionamento rende momentos memoráveis na produção, principalmente, quando o personagem esbarra não só na burocracia do Estado, mas, na corrupção totalmente entranha nele. São críticas mordazes ao sistema em todos os seus níveis, mostrando que, quando a pessoa passa a não mais interessante no esquema, e se torna até mesmo um incômodo, ela é descartada de todas as formas. 





De todas as qualidades de "Cassino", a mais visível, sem dúvidas, são as atuações. Mesmo que Robert De Nriro e Joe Pesci repitam praticamente todos os trejeitos dos seus personagens em "Os Bons Companheiros", é sempre um deleite vê-los interagindo mais uma vez, com a energia e naturalidade que são comuns a eles. Agora, quem surpreende é Sharon Stone, num papel que, realmente, dá espaço para ela brilhar. O resultado é bem acima da média, num nível de entrega, que prova que, às vezes, basta um ótimo realizador como Scorsese para exigir do ator o que ele tem de melhor. E, falando em Scorsese, ele está fenomenal como nunca aqui. Sua direção é soberba, não perdendo o "tempo" da história, e fazendo com que a gente se interesse pelo desenrolar dos acontecimentos até o último instante. Só quem tem cacife como ele consegue dominar uma narrativa, às vezes, tão complexa e cheia de informações de uma maneira tão espontânea. Vale chamá-lo de mestre? Creio que sim.

"Cassino", mesmo não sendo tão lembrado na extensa filmografia do diretor como, de fato, merecia é, não só um dos melhores filmes dele, como também é uma das melhores produções sobre a máfia, e, com o perdão da "heresia", rivalizando bem com "O Poderoso Chefão" e com "Os Intocáveis". Elementos para isso não faltam, desde uma direção magistral, que torna a narrativa fluida em longas três horas de duração, até as atuações incríveis de gente de peso. Ao mesmo tampo que é um retrato trágico de um submundo do qual não estamos familiarizados, mas, que, muitas vezes, determinam os principais acontecimentos na sociedade. De maneira minimalista, o filme também se mostra um painel triste sobre o resultado de muitas ambições da vida moderna, como o dinheiro fácil, o status, o glamour. E, que tudo isso esteja inserido numa "produção de máfia", faz de "Cassino" não só um clássico recente da sétima arte, como também um belo estudo sobre a sociedade atual, e no que ela se tornou. 


Nota: 9,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…