Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Miss Violence"
2013
Direção: Alexandros Avranas


A DEGRADAÇÃO MORAL DA FAMÍLIA TRADICIONAL

Perturbador. Intenso. Nauseante. Revoltante. E, ao mesmo tempo, traça uma crítica completamente certeira à sociedade, e, em especial, à figura do núcleo familiar como um oásis de perfeição e harmonia. Assim é "Miss Violence", pertencente a essa nova safra de filmes gregos um tanto, digamos, "diferentes", cujo principal expoente acabou sendo o péssimo "Dente Canino". Já, "Miss Violence", ao contrário, não é incômodo somente pelo prazer de ser. Nele, há uma inquietante condição que provoca o espectador a se voltar contra quem sofre alguma forma de violência, principalmente, aqueles que estão em situação de vulnerabilidade.




Logo de início, o choque: o que aparenta ser uma festa de aniversário corriqueira, de uma família feliz, acaba virando um pesadelo quando a aniversariante, simplesmente, decide se jogar da sacada do edifício onde mora. Mas, não sem antes quebrar a quarta parede, olhar para a câmera, e sorrir de uma forma um tanto cínica, mas, que demostra um certo desespero dela. O que significa esse sorriso? Então, a família tenta sobreviver como pode depois da tragédia. Ela é formada por um casal de meia idade, junto com sua filha, e seus quatro (e, agora, três) filhos. No entanto, algo de tenebroso paira no ar, é como se a família reagisse à morte da menina de uma maneira demasiadamente fria. Por exemplo, o casal (os avós) da garota se desfazem rapidamente de seus pertences, como que para apagar a sua memória da família.

Ao mesmo tempo, o luto é proibido. Não é permitido chorar, fazendo com que a mãe da menina morta se tranque no banheiro, e caia, rapidamente, aos prantos. Paralelo a isso, vamos o quanto os patriarcas da família são rígidos em sua "educação". Num determinado momento, é avisado a eles que Philippos, um de seus netos, está um pouco agressivo na escola, e o seu castigo é receber tapas no rosto de sua irmã, como uma forma de punição. Em outro instante, o avô, simplesmente, arranca aporta do quarto de uma das netas (a mais velha), sob a justificativa de que "nessa família, ninguém esconde nada de ninguém". Essas sequências são reveladoras, e vão, aos poucos, desnudando aquela família, e expondo o que de tão grave há com ela. E, acreditem: são revelações revoltantes em muitos aspectos, num desconforto que chega a ser mais psicológico do que explícito.




O diretor Alexandro Avranas é hábil ao construir a trama aos poucos, sem pressa, descortinando o horror em doses homeopáticas e até frias. Tão frias que muitos podem questionar a veracidade de que está sendo retratado ali. No entanto, é bom salientar que o tema abordado no filme está mais próximo da nossa realidade do que gostaríamos, e sim, as vítimas disso se tornam frias, mas, não por falta de alguma sentimentalidade, mas, por medo, por estarem destruídas psicologicamente. Portanto, esse é um dos pontos que Avranas que abordar aqui, e o faz muito bem, não se rendendo a moralismos fáceis e seus julgamentos precipitados. Nesse sentido, o roteiro tem uma simbiose muito boa com a direção, desenvolvendo tudo de maneira não convencional, e desafiando, a todo momento, o espectador. O que mais vale aqui é o "não dito", os gestos, os olhares, criando, assim, uma tensão absurda.

No entanto, mesmo bem intencionados ao retratar um problema, infelizmente, corriqueiro em família mundo afora, o filme se presta a um único momento que poderia ter sido evitado, e que apela, desnecessariamente, para o explícito. Aquela altura do campeonato, já sabíamos bem o que se passava no seio daquela família, principalmente, a podridão de seu patriarca, porém, uma cena envolvendo ele, sua neta mais velha, e dois outros homens, poderia ter sido apenas sugerida, de uma maneira melhor arquitetada. Tão sequência não se justifica, principalmente, pelas cenas posteriores, que geram tanta revolta quanto (ou, até mais), e são mais sutis. Já, essa outra parte é um ponto fora da curva do filme, e mesmo que não atrapalhe o contexto da reflexão que a história propõe, fica a impressão de que o filme passaria muito bem sem a necessidade dessa cena. Felizmente, não é uma sequência prolongada, a ponto de parecer mórbida.



As qualidades da produção são bastante acentuadas pelas atuações, todas impecáveis, com destaque para Themis Panou, que faz o repulsivo patriarca da família, e Eleni Roussinou, que interpreta sua filha. E, além disso, como já dito, roteiro e direção casam bem suas intenções, fazendo de "Miss Violence" um filme extremamente violento, sem derramar quase que uma gota de sangue. A violência é psicológica, aquela que está nas entrelinhas, que basta apenas um olhar mais atento para ser identificada. Ao mesmo tempo, a produção é uma provocação arrebatadora à imagem da família tradicional, de onde pensamos que é um reduto de alegrias e felicidades infinitas, mas, que pode esconder segredos aterradores, onde nenhuma justificativa é válida para tentar explicar algo assim. Lembram do início do filme, quando a garota que comete suicídio olha para a câmera e sorri? Trata-se de um sorriso de escárnio. Escárnio contra a nossa passividade, contra a nossa cegueira diante da dor do outro, escárnio, enfim, da nossa indiferença. Muitas vezes, para as vítimas, é só isso o que resta: a ironia de uma vida sem sentido.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…