Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"The Hunting Ground"
2015
Direção: Kirby Dick


DOCUMENTÁRIO EXPÕE COMO AS MULHERES ESTÃO VULNERÁVEIS AO ASSÉDIO E AO ESTUPRO DENTRO DAS GRANDES UNIVERSIDADES NORTE-AMERICANAS

Assédios sexuais e estupros, infelizmente, estão se tornando uma rotina em qualquer ambiente. No entanto, o fato desse tipo de violência acontecer em certos lugares é algo escandaloso. É caso desse tipo de crime ocorrido dentro das universidades, algumas muito bem conceituadas. E, pior: num país como os EUA, onde a população se gaba de que a lei e a ordem funcionam. Porém, não é bem o caso. Levantamentos apontam que 1 em cada 5 universitárias norte-americanas são ou serão vítimas de violência sexual em algum momento. E, é disso, em linhas gerais, que se trata o documentário "The Hunting Ground", ou, numa tradução livre, "O Território de Caça".




O filme comece leve, festeiro, com vários jovens (principalmente, garotas) recebendo a confirmação de que forma aprovados em algum exame para entrarem em alguma das grandes faculdades do país. À medida que o tempo passa, vamos, porém, acompanhando o pesadelo de algumas dessas adolescentes, que, ao entrarem num instituição de ensino renomada, jamais imaginariam que iriam sofrer alguma espécie de violência sexual dentro das dependências do local. E, pior: com a total conivência das instituições, que, para manterem a sua publicidade em alta, fazem de tudo para abafarem esses casos, chegando ao ponto de coagirem as vítimas a não denunciarem.

Os casos vão transcorrendo, e, no decorrer do documentário, vamos presenciando todo tipo de histórias absurdas sobre o assunto, desde uma menina que cometeu suicídio por não ter recebido nenhum suporte da faculdade da qual estudava após sofrer abuso sexual, até outras vítimas que não apenas levaram adiante o que sofreram, como também montaram uma rede informal de pessoas que sofreram esse tipo de violência, e que criaram uma espécie de grupo de apoio. É o caso de Andrea Pino e Annie Clark, ambas da Universidade de Chapel Hill, da Carolina do Norte, que se tornaram ativistas da causa, criando até um termo para mulheres que passam por esse tipo de violência, e superam, de alguma maneira, o trauma: as "survivors" (ou, simplesmente, "sobreviventes").




O documentário também expõe não só o risco de um abuso dentro das grandes universidades , mas, principalmente, as dificuldades que as vítimas encontram depois. Muitas instituições, preocupadas com a sua "imagem", fazem de tudo para tentar calar quem sofre tal violência, sob as mais absurdas justificativas. Parece somente uma atitude machista dos responsáveis por essas faculdades, mas, como bem mostra o filme, o buraco é mais embaixo. Muitos desses assédios e estupros são feitos dentro de festas das chamadas "irmandades" (associações estudantis muito comuns nos EUA) ou por membros de alguma equipe desportiva (em geral, de futebol americano). Como muitas das doações que são feitas para as universidades são provenientes de ex-membros dessas irmandades, e como o negócio desportivo gera lucros astronômicos a essas instituições, fica fácil perceber que a questão é mais de dinheiro, do que qualquer outra coisa. Simplesmente, as "sobreviventes" podem atrapalhar os lucros desses lugares (!).

É claro que também existe todo um estigma que acompanha as vítimas desses abusos aonde quer elas forem, desde à óbvia dificuldade em encontrarem apoio nas instituições em que estudam, passando pelas autoridades, que dão pouco ou nenhum crédito às vítimas, e chegando à sociedade como um todo, que as veem como meras "vagabundas". É o caso de Erika Kinsman, que acusou Jameis Winston, mega-astro de futebol americano da Universidade Estadual da Flórida, o que custou a Erika muitas acusações de "aproveitadora" e "oportunista". Ao tentar prestar queixa na polícia, chegou ao ponto do investigador atrapalhar todo o processo, com o intuito de salvar Winston de qualquer acusação (na época, ele estava no auge de sua carreira, ganhando campeonatos, e sendo condecorado como "o melhor jogador da temporada"). Resultado: apenas dois anos depois das denúncias de Erika, a Universidade da Flórida finalmente conduziu uma audiência para Winston. Ele "apenas" foi declarado responsável por violar o código de conduta estudantil, e nada mais (!).




Ao longo de pouco mais de uma hora e meia, vamos acompanhando as histórias cada vez mais tristes das "sobreviventes". Tristes, porém, de superação também, pois Andrea Pino e Annie Clark, com o seu coletivo, conseguem se fazer ouvidas pelos políticos, chegando até o (na época) presidente Barack Obama. No final, o documentário mostra essas duas garotas recebendo uma ligação desesperada de um pai relatando que a sua filha foi abusada em uma universidade, e que não está recebendo apoio algum da instituição. Ou seja, mesmo que o problema esteja cada vez mais visível, é um tipo de violência que tende a continuar, e cujo desfecho só poderá ser positivo com a devida cobrança das autoridades responsáveis, incluindo aí, as próprias instituições de ensino. Mas, acima de tudo, retaliar todo e qualquer machismo envolvendo o assunto, principalmente, no tocante à culpabilização das vítimas (afinal, mulher alguma "pede" para ser abusada). É um longo (mas, necessário) caminho até que as coisa melhorem.

Um documentário mais do que pertinente.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…