Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme [+18]

"9 Canções"
2004
Direção: Michael Winterbottom


MUITO SEXO E ROCK'N ROLL NUM FILME EXCITANTE, COOL E INTIMISTA

Uma proposta muito simples: filmar as relações mais íntimas de um casal, tendo como pano de fundo nove canções de bandas distintas. A ligação dessas músicas com a história? Primeiro, reside no fato do casal frequentar os shows aonde essas bandas se apresentam, e, segundo, na questão das letras dessas canções terem muito a ver com os momentos em que os protagonistas estão vivendo naquele momento em que estamos assistindo. Some-se a isso a ousadia de filmar cenas explícitas de sexo, sem ser vulgar ou supérfluo. O resultado de tudo isso é este "9 Canções", um ótimo exemplar do cinema independente recente, e que, independente de polêmicas e falsos puritanismos, merece (e, muito) ser visto.




O roteiro, em si, é muito básico, e é justamente esse um dos grandes atrativos do filme. A forma como a história é contada é que torna tudo interessante. A começar pela dupla de protagonistas (Lisa e Matt), que não são carismáticos, nem antipáticos; são apenas pessoas comuns, com seus defeitos e qualidades. Como a intimidade deles chega ao ponto das cenas de sexo serem bastante explícitas, somos simplesmente voyeurs involuntários, daqueles que presenciam todos os momentos da vida de alguém, sejam bons ou maus. Para ilustrar melhor esse aspecto, em uma determinada cena, sentimos uma certa "decepção" no olhar de Matt, quando este vê Lisa se masturbando com um vibrador, como se, por mais que eles tivessem uma boa relação de cumplicidade, "algo" estivesse faltando.

O outro grande trunfo da produção é a sua trilha sonora que integra a narrativa do começo ao final. Tendo bons nomes do rock independente norte-americano, o filme nos brinda com ótimas apresentações em shows dos quais Lisa e Matt estão sempre presentes. O melhores momentos são dos grupos Black Rebel Motorcycle Club, Primal Scream, Dandy Warhols e Franz Ferdinand. A primeira canção que o longa mostra, por sinal, é a agitada "Whatever Happened To My Rock And Roll", do Black Rebel Motorcycle Club, que já dá o necessário à relação do casal naquele instante, cheio de vida e empolgação. Como a própria letra diz, "I fell in love with the sweet sensation / I gave my heart to a simple chord / I gave my soul to a new religion" ("Eu me apaixonei com uma sensação doce / Eu dei meu coração a um simples acorde / Eu dei minha alma a uma nova religião").




Outras canções também se destacam muito, tanto pela qualidade sonora em si, quanto pela representatividade dos personagens Lida e Matt. É o caso de "Movin' On Up", do Primal Scream, que, com o seu balanço e swing, exibe muito bem o auge da relação dos protagonistas, com ambos se doando de forma muito honesta aos seus prazeres, sem pudor, nem culpa. E, há também, claro, aqueles momentos de crise, como os instantes que integram a canção "Slow Life", do Super Furry Animals. A letra diz: "I see / Television / Pretty pictures / Of starvation / Icy / Cold apartments / I see fractures / I see fragments / Rocks are slow life" ("Eu vejo / Televisão / Fotos bonitas / De fome / Congelados / Apartamentos frios / Eu vejo fraturas / Eu vejo fragmentos / As rochas são a lentidão da vida").

Ressalto aqui o interessante desempenho dos atores Margo Stilley e Kieran O'Brien, que, de tão espontâneos em tela, passam a impressão de velhos conhecidos nossos. O que é uma grande feito, visto que, definitivamente, não é fácil realizar cenas de sexo com tanta naturalidade. Tanto é que, para que os atores ficassem mais à vontade no set, as cenas mais picantes foram filmadas somente com eles, o diretor, o câmera e o responsável pelo som. O resultado é deveras convincente (e, bastante excitante). O diretor Michael Winterbottom também entrega um desempenho competente, não alongando o filme mais do que deveria (pouco mais de uma hora de duração), e intercalando muito bem as cenas do casal com as apresentações ao vivo das bandas.




"9 Canções" é ótimo justamente porque nos entrega aquilo que propõe, sendo bastante honesto com nós, espectadores. São cenas de sexo reais, muito bem filmadas, intercaladas com música de qualidade, e ainda expondo com sutileza o cotidiano de um casal, sem grandes dramas, sem acontecimento, mas, com muita espontaneidade, o que torna o filme, além de excitante, muito cativante também. Sem firulas ou arroubos cinematográficos desnecessários, é a representação quase real de um casal de nossos tempos, transando como tem de ser, divertindo-se como tem de ser e deixando a vida seguir como tem de ser. Sem mais, nem menos.

Lista das nova canções do filme:
"Whatever Happened To My Rock And Roll", Black Rebel Motorcycle Club
"C'mon, C'mon", The Von Bondies
"Fallen Angel", Elbow,
"Movin' On Up", Primal Scream
"You Were The Last High", Dandy Warhols
"Slow Life", Super Furry Animals
"Jacqueline", Franz Ferdinand
"Nadia", Michael Nyman
"Love Burns", Black Rebel Motorcycle Club




Nota: 8/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…