Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"DEUS DA CARNIFICINA" (2011)




Nos últimos anos, o cineasta Roman Polanski vem se notabilizando por realizar filmes muito bons. Ao contrário de muitos diretores que, após ganharem um prêmio como o Oscar, acomodam-se, Polanski, ao contrário, depois do reconhecimento por "O Pianista", está acertando a mão com frequência. "Deus da Carnificina" comprova isso.

O filme é baseado numa obra teatral escrito por Yasmina Reza (que também roteiriza o filme ao lado do diretor), e, fala sobre um assunto aparentemente banal: uma briga entre adolescentes no pátio da escola. Os pais de um deles, indignados, chamam os pais do outro rapaz para seu apartamento a fim de terem uma conversa e resolverem essa questão. Porém, o que poderia ser um diálogo apenas amigável, desemboca num festival de acusações e xingamentos.




Penelope e Michael, pais do que foi agredido, a princípio, dão exemplos e mais exemplos de "civilidade", num show de sorrisos e simpatia. Mas, tudo parece soar falso. Enquanto isso, Nancy e Alan apenas querem resolver essa questão o quanto antes; ela, envergonhada pelo o que aconteceu, e ele, levando o problema de maneira bem natural, querendo ir logo embora para cuidar dos seus negócios. Este, chega a dizer que brigas entre jovens é natural; faz parte de nossa evolução.

Obviamente, as coisas não ficarão nesse patamar. Todo o "respeito" com que se tratavam não corresponde ao que, no fundo, um sente pelo outro. Até mesmo entre os casais, acabam acontecendo desentendimentos, mostrando que as relações sociais não são tão sólidas quanto aparentam. Ao mesmo tempo, o celular de Alan toca incessantemente, aborrecendo a todos, mas ninguém tem coragem de censurá-lo mais severamente por isso.




"Deus da Carnificina" se inicia e termina com o mesmo plano sequência. Fora isso, toda a ação se passa no apartamento de Penelope e Michael. O ambiente único, em que todos estão numa espécie de clausura, já que ninguém (a não ser Alan) aceita sair até resolver o caso, dá um ar de teatralidade ao que o texto pede. Claro que os atores ajudaram muito nesse processo. Christoph Waltz é o melhor, com seu jeito irônico de pronunciar cada palavra. E, é o que menos fala em cena, por sinal.

Polanski também dirige com bastante segurança, apesar de ser um filme rápido (de apenas 80 min.). E, o roteiro realmente toca em temas interessantes (conceitos de moral, violência, falso altruísmo...), e tem o mérito de desnudar personagens tão diferentes a partir de um acontecimento necessariamente simples.

Enfim, é um ótimo exercício narrativo, envolvente, e bem contado.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…