Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"INCÊNDIOS" (2010)




O filme "Incêndios" pode ser considerado um longa de emoções moderadas. No decorrer de suas duas horas de duração, temas pesados são abordados, mas, mas as catarses não são gratuitas, nem meramente ornamentais. Elas têm um motivo de existirem, sendo o que, de fato, move a trama. Prova disso é que ele começa lento, contemplativo, mostrando um menino tendo o cabelo raspado, provavelmente por guerrilheiros de um país em conflito. A cena seguinte mostra um tabelião entregando o  testamento de uma mulher aos seus filhos gêmeos, que são um casal. O pedido da mãe deles ao tabelião foi de que eles recebessem duas cartas que deveriam ser entregues ao pai e ao irmão deles, que nunca chegaram a saber que existia. O pai, nunca conheceram.De imediato,é ela quem sai em busca do paradeiro dos dois. Ele, relutante, só se envolverá nisso posteriormente.

A trama, em si, a princípio, pouco importa. O interessante é ver como ela vai se desdobrando, ora mostrando a procura desesperada dos gêmeos por alguma informação, ora expondo um pouco do passado da mãe deles, desde quando ficou grávida pela primeira vez até sua morte, passando pelo seu engajamento político, tanto como colaboradora de um jornal local, como se transformando numa guerrilheira. São essas passagens que, pouco a pouco, vão dando pistas para solucionar o enigma que os gêmeos tanto buscam.




Por sinal, o viés político é muito forte nessa produção, mostrando, inclusive, como isso afetou a visão de mundo da mãe dos gêmeos. Antes, uma ativista das mais comprometidas, passa a ter simplesmente um sentimento de vingança por todo os sistema, principalmente depois que desistiu de procurar seu filho que teve de dar para adoção assim quem ele nasceu. Ela o julga já morto pela guerra civil entre muçulmanos e cristãos que assola o país. Tais questões não soam forçadas. O diretor Dennis Villeneuve usou a guerra mais como pano de fundo, para mostrar como seus efeitos podem simplesmente destruir a vida de muitas pessoas. Não é levantada nenhuma bandeira partidária ou religiosa; apenas destinos marcados pelos piores horrores.





"Incêndios" só perde um pouco de ritmo quando os gêmeos estão próximos de encontrar as revelações envolvendo seus pais e seu irmão desaparecido. Mas, essa "quebra" dura muito pouco, e logo o filme se recupera. A sensação final é de tristeza e impotência diante de situações com as quais não se têm controle. As cartas são abertas e a verdade é mostrada. A mãe deles pôde, enfim, ter uma lápide com seu nome inscrito: NAWAL MARWAN.




Um filme praticamente impecável, contando uma estória densa (mas, não apelativa), tendo um desenrolar coeso, sem subestimar o espectador.Em suma, uma bela produção.

"Meu sepultamento deve ser sem caixão, nua e sem orações. O rosto virado para o solo, de costas para o mundo. Lápide e epitáfio: não haverá lápide na minha sepultura, nem meu nome será gravado. Não há epitáfio para aquele que não cumpriu sua promessa".
(NAWAL MARWAN)


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…