Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"RELATIONSHIP OF COMMAND" (2000)




Os melhores lançamentos no gênero "rock" dos últimos anos têm tido uma característica em comum: quase todos prestam reverência a estilos antigos, indo pegar lá nos primórdios de algum deles a inspiração para fazer grandes álbuns. Não se tratam de cópias, é bom frisar, mas de trabalhos bastante atuais, onde se encontram ecos do passado. No caso da banda At The Drive-In, ela foi buscar no punk suas influências, mais precisamente, na era anterior a ele, onde grupos como Stooges, MC-5 e New Yory Dolls foram muito mais radicais do que Sex Pistols ou Ramones, por exemplo.




Essa postura evidencia o que vamos encontrar neste disco: muita energia, fúria e explosão. Claro, alguma melodia em tanto mais palatável, porém, sempre com bastante peso no som, e um bom gosto instrumental absurdo. A primeira música, "Arcarsenal" presta homenagem ao que Iggy Pop e Cia fizeram de melhor. "Pattern Against User" vai na mesma linha, só pra emendar "One Armed Scissor", primeiro single do trabalho, uma música que dá pra cantar junto, mesmo com bases bastante agitadas.




O álbum, como um todo, é bastante coeso. "Invalid Litter Dept." é uma canção que vai num crescendo até explodir no final. Já, a empolgante "Rolodex Propaganda" tem a participação (claro que não é coincidência) de Iggy Pop. E, o disco fecha de forma climática e muito bem elaborada com "Non-Zero Possibility", onde todos os integrantes se saem muito bem, com destaque total para o vocalista Cedric Bixler Zavala e o guitarrista Omar Rodruiguez-Lopez.




Depois desse lançamento, o At The Drive-In acabou (raridade uma banda terminar no auge), e uma parte dela foi formar o grupo conceitual Sparta, e a outra metade, o amalucado The Mars Volta. Em 2012, anunciaram uma volta, mas nada de muito concreto foi feito. Mas, a energia e todo o descompromisso de um bom e velho rock'n roll estão intactos aqui, nesse último disco de estúdio da antiga banda deles. Um álbum intocável do começo até o fim.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…