Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"STALKER" (1979)




Cinema é diversão, entretenimento. E, de fato, nunca deixou de ser. Mas, de vez em quando, também pode ser um valoroso meio para refletir sobre assuntos aparentemente simples de uma forma um pouco mais complexa. Muitos, no entanto, fogem disso como o Diabo da cruz por considerarem um filme com essas características "difícil" demais. "Stalker", do russo Andrei Tarkovski, mesmo gerando muita reflexão, não é difícil, apesar de ter cenas lentas demais para os atuais padrões do cinema comercial.

Um engano recorrente é colocar "Stalker" no rol das ficções científicas. Ele se mostra bem mais que isso. A estória trata de um lugar chamado A Zona, que é onde um meteorito caiu a mais de 20 anos. Depois que várias pessoas desapareceram no local, o governo cercou sua área e impede que qualquer um se aproxime. Nisso, surgem os stalkers, guias clandestinos que levam as pessoas até lá, pois acredita-se que A Zona possui poderes especiais.




Uma das primeiras cenas ilustra bem o que Tarkovski quer nos mostrar com este trabalho: numa cama, estão deitados um casal e sua filha. De repente, um trem passa, cujo o som se funde ao de uma marcha militar. Indo e voltando, a câmera mostra o momento que o casal acorda, como se o som do trem preconizasse algo; alguma esperança, alguma promessa de felicidade. Daí em diante, temos várias sequências, algumas bem longas, onde este homem encontra outros dois, chamados apenas de Professor e Escritor. Juntos, partem para a Zona.

O homem que os acompanha é, como não poderia deixar de ser, um stalker. Essa, por sinal, é uma expressão inglesa que significa "o espreitador" ou "aquele que se esgueira". Essa denominação virá bem a calhar, principalmente na segunda parte do filme, na qual ele apenas observa os inúmeros embates entre o Professor e o Escritor, e não raro, coloca-os à prova frente a armadilhas espalhadas pela Zona. Por sinal, são esses mesmos embates que proporcionam os melhores diálogos do filme, como quando um questiona o outro se estaria ali para ganhar o prêmio Nobel, enquanto um fala que quer apenas saber se tem algo que o diferencia do resto da humanidade.




Os questionamentos são constantes. O que a Zona proporciona verdadeiramente às pessoas? Seria a arte uma forma de altruísmo, ou apenas uma maneira de externar o que incomoda? Até que ponto as pessoas iriam contra aquilo que julgam seus princípios para realizarem seus desejos? Não à toa, á época, o próprio Tarkovski disse que o tema principal de "Stalker" é a fé, deixando a ficção científica em segundo plano. Mas, não é apenas fé; é a busca pelos conceitos mais básicos de liberdade e de felicidade.

Nesse quesito é até perdoável o lentíssimo desenrolar do filme, pois essas inquietações vão surgindo nos personagens o tempo todo, e nisso a câmera faz questão de mostrar a dúvida e o medo nas expressões nos rostos de cada um. É um longa, pois, sensorial. O trio de protagonistas vão com a ideia pré-concebida de que a Zona é o melhor lugar do mundo, e isso é bem posto na produção, já que as cenas antes de entrarem no local são em preto e branco, e, depois, ficam em cores. Só que, como o passar do tempo, a Zona vai se mostrando como apenas mais um lugar no mundo; seu ambiente apenas pode revelar o que, realmente, as pessoas que chegam ali são..




Os atores principais (Anatoli Solonitsin, Nikolai Grimko e Alexander Kaidanovski) conseguem passar toda a dramaticidade das situações de forma excelente. Além disso, os planos-sequência são magníficos, fazendo ótimos contrastes entre a desolação da cidade e o silêncio bucólico da Zona. Tarkovski, no entanto, poderia ter feito um trabalho mais enxuto, com o corte de algumas cenas desnecessárias. Isso, com certeza, não tiraria a força da mensagem, e deixaria o longa ainda melhor.

"Stalker", contudo, continua sendo um ótimo filme. Desafiador em todos os aspectos, consegue ir além de meras divagações filosóficas, e nos faz ter questionamentos tão genuínos quanto inquietantes. A arte pode, sim, ser bem mais do que entretimento. Basta encontrar o catalisador certo das ideias que realmente importam.




NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…