Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O SENHOR DAS ARMAS" (2005)




"Há mais de 550 milhões de armas de fogo em circulação no mundo. Uma arma para cada 12 pessoas no planeta. A única pergunta é: como armaremos as outras 11!"

Numa época que os conflitos bélicos estão virando a expressão máxima de nossa irracionalidade, mas, ao mesmo tempo, estão ficando cada vez mais "pop's", uma das melhores coisas a fazer é assistir uma produção que se aproveita bem desse nosso cinismo para cuspir na cara algumas verdades sobre o famigerado comércio de armas. "O Senhor das Armas" nos oferece munição (perdão o trocadilho) para diálogos sobre o assunto, e mesmo assim não é uma experiência cinematográfica chata ou partidária.

O início do filme acompanha a confecção de uma bala, e sua consecutiva "viagem" de forma clandestina, até atingir a cabeça de um menino, que está lutando numa dessas guerras civis que vemos pela TV, enquanto jantamos no conforto do lar. Já, diante dessa sequência, podemos perceber duas palavras-chaves na produção: ironia e criatividade. É notório o uso de frases de efeito em filmes norte-americanos, e, realmente, são bastante irritantes. Aqui, não. Essas frases servem como elo entre as cenas, como uma explicação adicional (mas, nunca vazia) a respeito do universo que ronda o personagem principal.




Por falar nele, trata-se de Yuri Orlov, que se encarregará da ironia já citada. Sua noção de mundo baseia-se em quanto pode lucrar com o que estiver a seu alcance, sem se preocupar com qualquer implicação moral nisso. É pensando assim, que parte para o ramo de venda de armas de fogo, mas, não para gangues, que segundo ele, é um "mercado pequeno". Ele passa a comercializar com países inteiros! É bom lembrar que essa época retratada no filme é o início dos anos 80, com a Guerra Fria ainda como uma realidade que apavorava as nações. "Um ambiente proveitoso", diria Orlov.

Só que, a medida que o tempo passa, além dele ganhar mais dinheiro e poder, ele vai ficando mais isolado. Pai, mãe, irmão, esposa e filho vão sendo colocados em segundo plano. Uma cena que exemplifica bem isso é quando, pela TV, Mikhail Gorbachev anuncia o fim da União Soviética, e o consequente término da Guerra Fria. Na cabeça de Orlov um arsenal de décadas estava à disposição para ser revendido em todo o mundo. E, ele estava certo. Só que, enquanto via essa notícia, sua esposa dizia que o filho deles tinha acabado de dar os primeiros passos, e ele se mostra indiferente diante disso.




Outro aspecto interessante a ser ressaltado na vida do protagonista é o que se refere ao seu irmão mais novo, Vilary, que, aos olhos de todos, não passa de um desajustado, viciado em drogas, e irresponsável. Porém, ele é o mais próximo que Orlov consegue chamar de amigo, onde este mostra-se, muitas vezes, mais coerente e virtuoso do que seu irmão mais velho.

"O Senhor das Armas" também possui cenas marcantes, onde o uso de algumas metáforas potencializa a crítica à indústria armamentista. Numa determinada ocasião, Orlov é obrigado a usar cocaína com a pólvora das suas próprias balas. E, é fora de si, com o produto com o qual ganha a vida em seu corpo, que ele vagueia entre as pessoas de um vilarejo africano, atingindo pelas guerras que ele mesmo ajudou a construir.




Outro aspecto importante na produção é a trilha sonora, que além de oferecer "som ambiente" às cenas, ainda desempenha um importante papel narrativo. É só escutar "Cocaine", de Eric Clapton e "Hallelujah", do Jeff Buckley , unidas às sequência em que estão inseridas para comprovar. O diretor Andrew Niccol, o mesmo de "Gattaca - Experiência Genética" e "O Show de Truman", faz um ótimo trabalho, só perdendo um pouco o foco quando mostra de forma exagerada o romance entre Orlov e Ava Fontaine, sua esposa. Os atores encarnam com bastante leveza seus papéis, com destaque para Ethan Hawke e Nicolas Cage (num do últimos filmes realmente bons ele que fez).

Em geral, o filme consegue seu intento de mostrar o que se passa no submundo do tráfico de armas, conseguindo indignar justamente porque seu protagonista não é o herói, mas sim o vilão da estória. Contudo, ele acaba sendo um vilão menor diante de tantos outros que precisam que ele exista. Num período onde a faixa de Gaza ou a Ucrânia parecem estar mais perigosamente perto de nós, "O Senhor das Armas" acaba sendo mais do que relevante.





NOTA : 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…