Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"DANÇANDO NO ESCURO" (2000)




Após uma estréia um tanto quanto medíocre com "Os Idiotas", Von Trier realizaria um filme magnífico, "Dançando no Escuro". Ele serviu como uma espécie de prelúdio para o que viria a ser a obra-prima do diretor, "Dogville", além de ser uma produção que, mesmo com alguns convencionalismos, está acima da média de coisas pedantes ou pretensiosas que Von Trier faria anos depois, como "Melancolia" ou "Ninfomaníaca".

Interessante notar que em "Dançando no Escuro", há um contraponto entre um cinema experimental (resquícios do movimento Dogma 95) e algo mais elaborado. Isso se percebe quando são mostradas cenas do cotidiano dos personagens de maneira quase documental e as sequências musicais possuem um refinado apuro técnico.




A estória em si, apesar de tradicional em alguns momentos, é extremamente bem contada, tocante, humana e bonita. Fala de Selma Jezková, que, vinda da Checoslováquia, instala-se nos EUA e vive com o filho num trailer alugado. Trabalhando numa fábrica, ainda tem tempo, durante à noite, para participar dos ensaios de uma peça de teatro. Tendo como paixão os grandes musicais de Hollywood, ela sonha com eles sempre que a vida lhe impõe situações desfavoráveis. Uma delas é o fato de que Selma está ficando gradativamente cega devido a uma doença hereditária. Por isso, junta todo o dinheiro que pode para fazer operação para o filho, que irá logo desenvolver a mesma enfermidade.

O longa, ao contrário do que possa transparecer, não apela para o melodrama. O que encontramos aqui é o mais puro sofrimento humano, talvez só equiparado em termos de cinema recente ao filme "21 Gramas". Ao mesmo tempo, também se encontra em "Dançando no Escuro" uma bela ode á esperança, muito bem acentuada no final da produção. E, ainda há algumas boas metáforas, como qual seria a verdadeira cegueira, já que Selma diz num determinado instante que não se importa de ficar cega, pois já viu de tudo (de coisas boas a ruins), e não pretende querer ver mais.




Desnecessário dizer que a atuação de Björk no papel principal está esplêndida. Sua persona estranha e inusitada combinou perfeitamente com o papel de Selma. Von Trier também mostra que, quando não quer criar polêmicas nem cair na auto-indulgência, consegue resultados brilhantes. Tanto o roteiro quanto sua filmagem foram bem desenvolvidos, e, em muitos casos, fugindo do óbvio.

Não é propriamente um filme "fácil" de se assistir, porém, incrivelmente, é o mais agradável que Von Trier fez até hoje. O desconforto é íntimo, mas, naturalmente humano, e não estético. As lágrimas, inevitavelmente, virão. Os sentimentos de revolta e impotência, idem. E, nada é forçado ou desproposital. Infelizmente, nos últimos anos, o diretor dinamarquês se esqueceu disso, achando ser o maior mestre da sétima arte atual, onde seus recentes filmes servem mais como exercícios da sua vaidade. Ainda bem que, ao menos, ele deixou como legado "Dogville e este "Dançando no Escuro".


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…
Lista

10 Superproduções Hollywoodianas Ruins, Mas, Que Foram Sucesso de Bilheteria


Dinheiro não é tudo, é verdade, mas, bem que ajuda quando você quer fazer uma superprodução de cinema, cheia de efeitos especiais, para deixar a plateia de queixo caído. O problema é quando a preocupação com esse tipo de filme é mais com o visual, a parte técnica, os efeitos, enfim, e menos com uma boa história, que, no final das contas, é isso o que importa. E, mais interessante ainda é notar que algumas dessas superproduções, apesar de serem claramente ruins, fazem um sucesso absurdo. Culpa, então, da indústria ou do público pela péssima qualidade desse tipo de cinema? Talvez, de ambos, já que não existe oferta sem procura. Tudo bem que o lema máximo disso é "desligue o cérebro, e se divirta". Mas, Hollywood também não precisava exagerar tanto.


10º
"Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal" (2008)
Faturamento mundial: U$ 786,6 milhões
Que Spielberg já não é o mesmo, todo mundo sab…