Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"DANÇANDO NO ESCURO" (2000)




Após uma estréia um tanto quanto medíocre com "Os Idiotas", Von Trier realizaria um filme magnífico, "Dançando no Escuro". Ele serviu como uma espécie de prelúdio para o que viria a ser a obra-prima do diretor, "Dogville", além de ser uma produção que, mesmo com alguns convencionalismos, está acima da média de coisas pedantes ou pretensiosas que Von Trier faria anos depois, como "Melancolia" ou "Ninfomaníaca".

Interessante notar que em "Dançando no Escuro", há um contraponto entre um cinema experimental (resquícios do movimento Dogma 95) e algo mais elaborado. Isso se percebe quando são mostradas cenas do cotidiano dos personagens de maneira quase documental e as sequências musicais possuem um refinado apuro técnico.




A estória em si, apesar de tradicional em alguns momentos, é extremamente bem contada, tocante, humana e bonita. Fala de Selma Jezková, que, vinda da Checoslováquia, instala-se nos EUA e vive com o filho num trailer alugado. Trabalhando numa fábrica, ainda tem tempo, durante à noite, para participar dos ensaios de uma peça de teatro. Tendo como paixão os grandes musicais de Hollywood, ela sonha com eles sempre que a vida lhe impõe situações desfavoráveis. Uma delas é o fato de que Selma está ficando gradativamente cega devido a uma doença hereditária. Por isso, junta todo o dinheiro que pode para fazer operação para o filho, que irá logo desenvolver a mesma enfermidade.

O longa, ao contrário do que possa transparecer, não apela para o melodrama. O que encontramos aqui é o mais puro sofrimento humano, talvez só equiparado em termos de cinema recente ao filme "21 Gramas". Ao mesmo tempo, também se encontra em "Dançando no Escuro" uma bela ode á esperança, muito bem acentuada no final da produção. E, ainda há algumas boas metáforas, como qual seria a verdadeira cegueira, já que Selma diz num determinado instante que não se importa de ficar cega, pois já viu de tudo (de coisas boas a ruins), e não pretende querer ver mais.




Desnecessário dizer que a atuação de Björk no papel principal está esplêndida. Sua persona estranha e inusitada combinou perfeitamente com o papel de Selma. Von Trier também mostra que, quando não quer criar polêmicas nem cair na auto-indulgência, consegue resultados brilhantes. Tanto o roteiro quanto sua filmagem foram bem desenvolvidos, e, em muitos casos, fugindo do óbvio.

Não é propriamente um filme "fácil" de se assistir, porém, incrivelmente, é o mais agradável que Von Trier fez até hoje. O desconforto é íntimo, mas, naturalmente humano, e não estético. As lágrimas, inevitavelmente, virão. Os sentimentos de revolta e impotência, idem. E, nada é forçado ou desproposital. Infelizmente, nos últimos anos, o diretor dinamarquês se esqueceu disso, achando ser o maior mestre da sétima arte atual, onde seus recentes filmes servem mais como exercícios da sua vaidade. Ainda bem que, ao menos, ele deixou como legado "Dogville e este "Dançando no Escuro".


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…