Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"DANÇANDO NO ESCURO" (2000)




Após uma estréia um tanto quanto medíocre com "Os Idiotas", Von Trier realizaria um filme magnífico, "Dançando no Escuro". Ele serviu como uma espécie de prelúdio para o que viria a ser a obra-prima do diretor, "Dogville", além de ser uma produção que, mesmo com alguns convencionalismos, está acima da média de coisas pedantes ou pretensiosas que Von Trier faria anos depois, como "Melancolia" ou "Ninfomaníaca".

Interessante notar que em "Dançando no Escuro", há um contraponto entre um cinema experimental (resquícios do movimento Dogma 95) e algo mais elaborado. Isso se percebe quando são mostradas cenas do cotidiano dos personagens de maneira quase documental e as sequências musicais possuem um refinado apuro técnico.




A estória em si, apesar de tradicional em alguns momentos, é extremamente bem contada, tocante, humana e bonita. Fala de Selma Jezková, que, vinda da Checoslováquia, instala-se nos EUA e vive com o filho num trailer alugado. Trabalhando numa fábrica, ainda tem tempo, durante à noite, para participar dos ensaios de uma peça de teatro. Tendo como paixão os grandes musicais de Hollywood, ela sonha com eles sempre que a vida lhe impõe situações desfavoráveis. Uma delas é o fato de que Selma está ficando gradativamente cega devido a uma doença hereditária. Por isso, junta todo o dinheiro que pode para fazer operação para o filho, que irá logo desenvolver a mesma enfermidade.

O longa, ao contrário do que possa transparecer, não apela para o melodrama. O que encontramos aqui é o mais puro sofrimento humano, talvez só equiparado em termos de cinema recente ao filme "21 Gramas". Ao mesmo tempo, também se encontra em "Dançando no Escuro" uma bela ode á esperança, muito bem acentuada no final da produção. E, ainda há algumas boas metáforas, como qual seria a verdadeira cegueira, já que Selma diz num determinado instante que não se importa de ficar cega, pois já viu de tudo (de coisas boas a ruins), e não pretende querer ver mais.




Desnecessário dizer que a atuação de Björk no papel principal está esplêndida. Sua persona estranha e inusitada combinou perfeitamente com o papel de Selma. Von Trier também mostra que, quando não quer criar polêmicas nem cair na auto-indulgência, consegue resultados brilhantes. Tanto o roteiro quanto sua filmagem foram bem desenvolvidos, e, em muitos casos, fugindo do óbvio.

Não é propriamente um filme "fácil" de se assistir, porém, incrivelmente, é o mais agradável que Von Trier fez até hoje. O desconforto é íntimo, mas, naturalmente humano, e não estético. As lágrimas, inevitavelmente, virão. Os sentimentos de revolta e impotência, idem. E, nada é forçado ou desproposital. Infelizmente, nos últimos anos, o diretor dinamarquês se esqueceu disso, achando ser o maior mestre da sétima arte atual, onde seus recentes filmes servem mais como exercícios da sua vaidade. Ainda bem que, ao menos, ele deixou como legado "Dogville e este "Dançando no Escuro".


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…