Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"PEIXE HOMEM" (2011)




O estigma é algo difícil de se livrar, principalmente quando tem a ver com a indústria da música, onde tudo está monopolizado e extremamente igual. Num mundo onde o "jabá" é a regra e vários esquemas são feitos para produzir o último sucesso do momento, uma banda de qualidade como a Madame Saatan, certamente, tem um árduo caminho pela frente, mas como bem mostra "Peixe Homem" (segundo disco do grupo), eles sabem o que querem e estão, até agora, imunes aos vícios de mercado.

Oriunda de Belém do Pará (lugar que, infelizmente, será lembrado por muito tempo como a terra do tecnobrega, devido a coisas de qualidade duvidosa, como a banda Calypso), a Madame Saatan tem vários pontos positivos. A começar pela vocalista Sammliz, que canta muito melhor do que Pitty, só para citar um parâmetro mais direto e conhecido. Sua voz é melódica e rasgada na medida certa, sem exageros. O guitarrista Ed Guerreiro traz um bem-vindo estilo hard ao som, e a cozinha formada por Ícaro Suzukno no baixo e Ivan Vanzar na bateria garantem a coesão do trabalho.




Outro ponto de destaque no disco são as letras. Cantadas todas em português, elas possuem boas variações e ritmos redondos, além de ótimas temáticas. Exemplo é a faixa de abertura, "Respira", que diz: "Da cidade que mora embaixo / Do céu de rios / Calor, concreto, aço e lama / Da cidade que dorme tarde / Na grande onda que afoga / O peixe-homem". A canção "Rio Vermelho" é outra que possui uma letra muito boa: "Aquele rio era como um chão sem curvas / Das histórias sem margens e das horas / Lembranças do nada e do agora".




Mesmo com todo O peso do som, ainda existem músicas com um certo acento pop (mas, de muita qualidade, é bom ressaltar), que são perfeitas para grudarem na cabeça após a primeira ouvida, como o single "Até o Fim" e a intensa "Insônia". Depois de escutá-las, inclusive, fica complicado constatar que a banda não está fazendo o sucesso que merece, pois, nota-se que o trabalho do grupo é bastante competente e está acima da média, não só no que se refere ao atual (e clichê) "rock brasileiro", mas na música nacional, como um todo.




"Peixe Homem" é, sem dúvida, um dos melhores discos lançados nos últimos anos por aqui. Basta pesquisar mais e fugir dos "sucessos em massa" que as rádios e as TV's insistem em nos empurrar, fazendo crer que num determinado lugar só existe aquele estilo de som sendo feito. Por conhecer bandas como Madame Saatan, a curiosidade será sempre válida.


NOTA: 9/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…