Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"ELA" (2013)




"Ela" é um filme estranho. E, não apenas pelo enredo inusitado ou seu diretor ser o (quase) sempre amalucado Spike Jonze, que já fez excelentes trabalhos tanto no cinema quanto em vídeo clipes. A estranheza se dá pelo fato de que a produção é ótima, mas, mesmo assim, possui tantos defeitos, que a afasta da possibilidade de ser memorável.

Se não, vejamos: Theodore é um escritor de uma agência um tanto diferente em um futuro incerto. Nessa agência, ele produz cartas para as pessoas, compostas de diversos assuntos, desde um simples pedido de namoro, até algo mais formal. E, nesse futuro, tudo é informatizado, onde alguns programas funcionam apenas com o auxílio da voz. Sem ânimo em sua vida e com dificuldade em qualquer tipo de relacionamento, Theodore compra um sistema operacional que possui uma avançada inteligência artificial, e passa a interagir com ela cada vez mais, até que o envolvimento de ambos se mostra inevitável e, claro, improvável.




O que realmente atrapalha aqui é a insistência de Jonze em colocar cenas constrangedoras no meio de uma produção que, na maioria das vezes, consegue passar sua mensagem de forma muito satisfatória. Por exemplo, é compreensível que a estória queira focar no vazio existencial que assola as pessoas num mundo artificial, mas colocar um diálogo vergonhoso entre Theorore e uma mulher num sala de bate-papo on-line, que envolve até um gato morto, não ajuda.

Iguais a essa cena, existem algumas outras, mais ou menos com a mesma intenção, mas cujos resultados não são satisfatórios. O diretor se sai muito melhor quando resolve ser minimalista, mostrando as sensíveis (e honestas) conversas entre o personagem principal e Samantha, o tal sistema operacional. São esses momentos que fazem o filme valer a pena, pois mostra a junção de extremos entre dois diferentes: um ser humano com dificuldades de relacionamento e uma inteligência virtual que está aprendendo a lidar com as emoções das pessoas.




Tem um outro ponto positivo em "Ela", e que já é marca de Spike Jonze, no que diz respeito à trilha sonora. Quase toda a cargo da banda Arcade Fire, o som reflete com precisão as sequências em que aparece. Nas atuações, não tem como não destacar Joaquin Phoenix, que se entrega ao seu personagem, até nas já ditas cenas ridículas (e dispensáveis). Já, os outros atores não se saem tão bem, até porque a maioria aparece pouco, visto que o centro das atenções é para o "casal" principal do enredo.

No mais, "Ela" possui momentos muito belos e sensíveis, que proporcionam uma agradável experiência e ainda permitem uma certa reflexão a cerca das nossas emoções e desejos, principalmente num mundo onde a modernidade se sobrepõe ao indivíduo. Tivesse cortado algumas situações estilo "vergonha alheia", o resultado teria sido mais profundo e interessante. Porém, numa época em que o cinema norte-americano, como um todo, anda mal das pernas em termos de criatividade, um filme ainda assim vale ser assistido, mas sem maiores pretensões.





NOTA: 8/10. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…