Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"CLUBE DA LUTA" (1999)




Na década de 70, Hollywood vivia o seu último ápice de criatividade. Novos diretores, como Martin Scorsese, Francis Ford Coppola e Steven Síelberg fizeram ótimos trabalhos nesse período, bastante provocativos, mas que hoje seriam improváveis de serem realizados. Primeiro, porque está na moda o politicamente correto, e produções mais sombrias e violentas estão relegadas aos filmes de terror, que mais parecem paródias. E, também porque da década de 80 pra cá, o que importa pra Hollywood são os blockbusters, aquelas produções tipicamente para adolescentes (ou "crianças crescidas"), onde não se exija muito um maior nível de complexidade.

Porém, o ano de 1999 foi um achado, quase um milagre. Durante esses 365 dias, o cinema norte-americano produziu coisas maravilhosas, como "Beleza Americana", "O Mundo de Andy" e "O Sexto Sentido". O auge dessa inusitada safra foi o polêmico (e fantástico) "Clube da Luta". Antes de mais nada, é preciso que se saiba que David Fincher é um diretor que (quase) sempre filma o que quer, mesmo que a estória não seja bem digerida tanto por público, quanto por crítica.




O cineasta já havia impressionado meio mundo com o final corajoso (e nada feliz) do thriller "Seven", quatro anos antes. Com "Clube da Luta", a catarse foi além. É bom lembrar que, à época de seu lançamento, o filme tanto foi endeusado quanto massacrado. Um jornalista mais exaltado bradou: "Este não é um filme anti-capitalista ou anti-consumista; é um filme anti-Deus!" No Brasil, a coisa se agravou quando um jovem estudante de medicina metralhou pessoas num cinema, supostamente influenciado por uma cena dO longa. Foi o suficiente para ele ser relegado como uma "produção maldita".

Passados 15 anos, no entanto, nota-se simplesmente, o quanto o filme é espetacular. E ainda retoma aquela boa provocação, uma acidez que estava em falta no cinema hollywoodiano. O Filme é baseado num romance de Chuck Palahniuk, lançado em 1996. David Fincher, como já dito, um diretor sem concessões, pegou um material e fez uma perfeita materialização do vazio e da inércia dos nossos dias, onde os verbos "comprar" e "ter" são os mais utilizados.




O narrador da estória, Jack (mas, cujo nome não é pronunciado durante todo o tempo da projeção) segue à risca o estilo de vida médio norte-americano. Tem um bom emprego e consome tudo que quer. Mas, está com depressão e insônia, e não sabe porquê. Então, decide frequentar grupos de auto-ajuda, principalmente os de doentes terminais. Só no meio dos moribundos e dos desesperados é que ele consegue se sentir vivo e dormir um pouco. Porém, aparece uma outra frequentadora desses grupos, Marla Singer, que inquieta Jack. Ele sabe que ela, tanto quanto ele, está fingindo. A farsa dela é a farsa dele.

Mas, a situação desse improvável protagonista se agrava quando conhece Tyler Durden. Quanto seu apartamento explode em circunstâncias misteriosas, Jack vai morar com Durden numa mansão caindo aos pedaços, e, no meio de uma bebedeira, resolvem brigar, para "se conhecerem melhor". Todas as noites fazem isso, como uma espécie de "terapia". E, todas as noites essa prática toma mais e mais adeptos. Com o passar do tempo, o Clube da Luta é criado, e Durden mostra suas verdadeiras (e provocativas) intenções.




O longa não atenua nada. Situações fortes e violentas (mas, nunca gratuitas) são colocadas na tela, e o espectador tende ao desequilíbrio de suas ideias. Isso porque, mesmo com métodos um tanto duvidosos, Durden não deixa de ter razão quando questiona a sociedade o tempo todo. Não à toa, a metalinguagem é usada direto aqui, com os personagens falando diretamente para a câmara, ou seja, para quem está assistindo. Trata-se de um recado, da nossa (muitas vezes) miserável vida, queiramos, ou não.

Tecnicamente, o filme é fantástico, com closes, cortes, nuances e efeitos que comprovam o quanto Fincher é um diretor inventivo. Nas atuações, Edward Norton e Brad Pitt estão não menos que extraordinários. A química entre eles é bastante espontânea, e vai além de mostrar a diferença de personalidade entre dos dois. Na realidade, com o passar do tempo, mostram-se não tão divergentes assim. E, a trilha sonora, além dos próprios efeitos sonoros como um todo, acabam sendo quase personagens à parte, de tão importantes que se mostram para o andamento das cenas.




Não diria que "Clube da Luta" seja um filme fácil ou difícil. Creio que ele esteja além disso. É uma inquietante (porém, perceptível) instigação rumo à reflexão do que somos e do que podemos ser (caso quisermos). Nesse sentido, no referido clube, a questão não é simplesmente bater, mas apanhar, baixar a guarda, deixar-se livre, sem amarras. Um estímulo às ideias, onde Durden, em determinado momento, diz que "nós não somos os nossos empregos, nem a marca das nossas roupas, nem o que temos no banco".

Que outro filme holywoodiano hoje em dia teria tamanha ousadia?




NOTA: 10/10.

Comentários

  1. Filme indispensável e absolutamente inspirador.
    O texto aqui postado é muito bom, mas tudo diante do filme parece-me pouco; não fui atrás de trabalhos sobre ele, mas ele "pede" desde interpretações psicanalíticas até aproximações com o pensamento anarquista, quiçá um paralelo com "V de Vingança". Em suma, ainda precisamos desvendar muitas camadas da obra.
    Ps. senti falta de uma coisa (que me passou despercebida nas primeiras vezes que assisti ao filme); trata-se duma menção às aparições relâmpago de Tyler; assim como em certa parte do filme mostra-se Tyler inserindo a imagem de um pênis num desenho animado no cinema (imagem que aparece apenas numa fração de segundos), no próprio filme "Clube da luta", aparecem imagens de Brad Pitt antes do personagem Tyler ser apresentado (por ex. na cena da esteira de bagagem no aeroporto). É necessária grande atenção para percebê-lo. E na cena final, onde o prédio desabada, a imagem do pênis aparece (mas isso foi retirado das exibições na tv).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas aparições relâmpago, além de propositais, vejo como uma metáfora de que, muitas vezes, a realidade está diante de nossos olhos, sem que a percebamos.

      Um dos grandes do cinema norte-americano recente, sem dúvida.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…