Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"OLDBOY" (2003)




Cru, mas com acento pop. Filosófico, porém, descomplicado. "Oldboy", um dos melhores exemplares da recente safra sul-coreana pode ser, inicialmente, resumido a isso. Claro que ele se mostra bem mais que essas definições. No entanto, comecemos dizendo que ele opta por mexer com extremos.

É um filme que, mesmo sem grandes pretensões (potencializadas pelas suas partes cômicas), consegue ir além do que, usualmente, o cinemão pipoca ousa mostrar. Consegue falar de temas complexos, como vingança, para um público leigo, que irá conseguir absorver a mensagem em meio às cenas estilosas.

E, que cenas...




Não à toa, Tarantino ficou bastante entusiasmado quando o viu pela primeira vez. Afinal, "Oldboy" é, na essência, o que o trabalho do diretor norte-americano tem de melhor: o debate do ser humano imerso em situações absurdas, e mesmo assim, este se mostrando extremamente cínico, fazendo de sua vida uma verdadeira tragicomédia.

"Oldboy" é baseado num mangá (quadrinho japonês), o que, certamente, ajudou na forma como filmar e na construção do enredo. O diretor Park Chan-wook conduz tudo isso de maneira audaciosa, extraindo o máximo das possibilidades do argumento que tem em mãos.

E, é a estória outro ponto forte na produção. Imaginem alguém sendo preso, sem saber o motivo, por longos 15 anos, e depois desse tempo, ser solto, também sem explicação aparente. Pois é isso o que passa o protagonista, Oh Dae-su. Só sabe de uma coisa: precisa encontrar quem lhe tirou 15 anos de sua vida e se vingar.




Contar mais seria estragar as surpreendentes surpresas que vão aparecendo ao longo da produção. Mas, em relação ao enredo, basta dizer que caso fosse feito numa indústria mais careta e conservadora como a atual Hollywood, com certeza, "Oldboy" não teria metade do impacto que conseguiu.

A violência presente no filme nunca é aleatória. Coreografada nos mínimos detalhes, ela tem uma função narrativa importante, mostrando que o desejo de vingança, muitas vezes, se volta contra a pessoa que o pratica, e onde nenhum personagem sairá ileso no final, sejam com sequelas físicas ou psicológicas.

Talvez a questão mais controversa em "Oldboy" como cinema sejam as atuações. Todas são muito exageradas, um tanto histéricas e até caricatas. Só que essa não é uma característica do filme em si, mas de quase todo o cinema oriental. Portanto, não chega a ser um defeito, apenas algo estranho à nossa cultura.




E, como não poderia deixar de ser, a parte técnica é primorosa. As sequências de lutas, mesmo "econômicas", são incrivelmente realistas (uma, inclusive, sem cortes). E, o roteiro ainda faz alguns links com fatos verídicos, como quando mostra Oh Dae-su preso, tendo apenas como companhia uma TV. Nela, vê diversos acontecimentos em tempo real, como o atendo às Torres Gêmeas, em 2001.

Inclassificável, "Oldboy" pode ser visto de diversas óticas, e o espectador não vai se decepcionar. Drama, comédia, ação... Tudo intercalado de maneira brilhante, sem atropelos, e com um ritmo excelente, só pecando no final, quando se arrasta um pouco além da conta. Tirando esse detalhe (pequeno, diga-se), é cinema com estilo, substância e carisma.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…