Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"PAISAGEM NA NEBLINA" (1988)




A conivência tem sido um grande mal nessas últimas gerações. Não perceber o que está a sua volta virou regra. Podem ser as coisas mais terríveis, poucos pararão para olhar e oferecer alguma ajuda. Preferem ignorar, fazendo várias pessoas e situações se tornarem invisíveis.

E, não há nada mais invisível do que o silêncio. É ele o mote de "Paisagem na Nebilna", filme do diretor grego Théo Angelopoulos, que fez outras duas produções em que o silêncio é visto de diversas formas. Se nas anteriores, a mudez era da História e do Amor, neste aqui quem se cala é Deus.

Mas, claro, não necessariamente o Deus que as religiões pregam. Por ser considerada uma entidade onipresente, em "Paisagem na Neblina", Ele pode ser a representação das próprias pessoas. São elas que ignoram os irmãos Voula e Alexandros, que, por conta e risco, partem sozinhos em busca de seu pai, que nunca viram e acham que está na Alemanha.




Nesse percurso, vão encontrar uma sociedade corroída e insensível. Numa cena, por exemplo, eles veem um cavalo à beira da morte, na rua, e começam a chorar por ele. Imediatamente, um grupo sai de um casamento e passa pelas crianças cantando e dançando sem notarem a triste cena.

As sequências possuem grande impacto visual, passando a mensagem que se quer de forma bastante eficiente. Angelopoulos não utiliza metáforas difíceis; tudo é muito bem assimilado. A questão é que "Paisagem na Neblina" é um filme triste, em essência, e podem existir muitos que se incomodem com isso.

Some-se o fato da produção ser extremamente lenta. Porém, nada tem de pedante. Inclusive, a contemplação de algumas cenas é uma de suas virtudes. Angelopoulos usa numerosas sequências sem cortes, em planos abertos. Mas. longe de serem um mero enfeite, são parte integrante da narrativa.




Numa dessas sequências, atores decadentes de teatro estão numa praia. Enquanto a câmera gira e registra suas ações, muitos falam um pouco de suas vidas. Eis que o dono do teatro chega e diz que alugou o espaço para outro grupo. Desolados, caminham em direção ao mar. Tudo num único take, e sem perder o ritmo.

Tania Palaiologou e Michalis Zeke estão maravilhosos nos papéis principais. Conseguem passar uma inocência pura, ao mesmo tempo que são obrigados a amadurecerem à força. Stratos Giorgioglou, que faz Orestis, um dos atores do grupo teatral, também está excelente. Por sinal, esse é o único personagem, fora as crianças Voula e Alexandros, que possui alguma espécie de sensibilidade com o mundo que está à sua volta.




A própria direção de Angelopoulos é sutil e delicada. Passa todo o desconforto e revolta frente a uma sociedade afundada na lama, mas evita ser apelativo. Ele constrói um filme que se propõe a debater e não simplesmente chocar. E, o faz de maneira soberba.

Mas, não se enganem. Mesmo com um enredo triste e cheio de significados que expõem nossa culpa pelas coisas mais terríveis, "Paisagem na Neblina" é uma produção em que, ao final, a fé e a esperança ficam soberanas. Não se trata de pieguismo, mas da necessidade de continuemos a seguir em busca dos nossos objetivos, assim como Voula e Alexandros, que buscam um pai que não conhecem.




As crianças talvez tenham a resposta. Bem mais do que nós, que fechamos os olhos e ficamos em silêncio. Assim como Deus.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…